Acervo Catolicismo: números antigos e recentes
Busca Google dentro do Site:
ÍNDICE POR: | Título| Autor |        | ACERVO |        | OFERECIMENTO |          | FALE CONOSCO | ASSINE |        |SEJA UM BENFEITOR |

Nosso propósito


Este site oferece por ora as imagens dos números 1 a 456 de "Catolicismo", cobrindo o período de janeiro de 1951 a dezembro de 1988.

Há também as postagens entre 1991 a 2016 no perfil antigo do site.

E disponibilizamos ainda os números recentes da revista, ou seja, as do ano 2017 em diante.

Em breve postaremos as imagens dos números 457 e seguintes.

No momento, estamos realizando um esforço de digitalização, o que dará em breve a possibilidade de pesquisa por texto.

Tais textos, quando disponíveis, poderão ser encontrados rolando a tela em que está a imagem das páginas.

Para consultar os números mais recentes da revista,  clique aqui .

O porquê deste projeto

Cumprindo "Catolicismo" agora em anos de existência, tem esta revista empenho em proporcionar acesso à fonte original onde está a documentação de várias décadas de jornalismo sério, idôneo e combativo.

Nele se encontrará o amplo acervo doutrinário e cultural deixado por Plinio Corrêa de Oliveira e pelo "grupo de Catolicismo", no qual militavam os futuros diretores e sócio-fundadores da TFP e, mais tarde, do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira.

As páginas de "Catolicismo" documentam passo a passo o desenvolvimento dessa imensa luta ideológica, que irradiou-se não apenas no Brasil, mas nas três Américas e na Europa, alcançando também outros continentes onde chegaram os ecos dessa atuação profundamente ultramontana e contra-revolucionária de Plinio Corrêa de Oliveira.


CAVALEIRO CREDO, SÍMBOLO DO ESTILO DE "CATOLICISMO"

Cavaleiro Credo


ESTE CAVALEIRO transformou-se, para os 350 participantes do Congresso Latino-Americano de "Catolicismo" de 1961 , em símbolo do estilo que deveria marcar o católico desejoso de lutar pela causa da Igreja e da civilização cristã.

"Esse estilo" – define-o Plinio Corrêa de Oliveira – é a versão em termos contemporâneos do espírito do cavaleiro cristão de outrora:

" No idealismo, ardor.
" No trato, cortesia.
" Na ação, devotamento sem limites.
"Na presença do adversário, circunspecção.
" Na luta, altaneria e coragem.
"E pela coragem, vitória".

(Plinio Corrêa de Oliveira, "Estilo", "Folha de S. Paulo", 24-9-69).


Homenagem a
PLINIO CORRÊA DE OLIVEIRA

Plinio Corrêa de Oliveira

Oferecemos este trabalho como uma justa homenagem a Plinio Corrêa de Oliveira, maître à penser da família de almas formada em torno do "Legionário" até o ano de 1947, e que constituiu, de 1951, em diante, sob sua orientação, o "grupo de Catolicismo".

Graças ao seu exemplo e ao impulso que em vida ele deu a essa revista, "Catolicismo" até hoje permanece na estacada e na trilha que ele traçou.

Pois dele aprendeu a olhar para o futuro com a apreensão dos prudentes, a confiança dos que têm Fé e o ânimo do cavaleiro que vive para a batalha.


Nosso Diretor:
PAULO CORRÊA DE BRITO FILHO

Diretor de Catolicismo

Diretor de Catolicismo desde o ano 1976, Paulo Corrêa de Brito Filho tem uma longa folha corrida de serviços prestados à causa católica no Brasil.

Formado pela Faculdade Paulista de Direito da PUC de São Paulo, foi depois professor de História da Idade Média e de Ética Social na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Sedes Sapientiae da capital paulista.

Lecionou também a disciplina Instituições de Direito na Faculdade de Ciências Econômicas, Contábeis e Atuariais São Luís, dos padres jesuítas, na mesma capital.

Regeu ainda a cadeira de História da Cultura na Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero, em São Paulo.

Em 1960, juntamente com o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira e outros elementos de escol do "grupo de Catolicismo", fez parte do corpo de sócios-fundadores da Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade, onde exerceu cargos de alta direção.

Como Diretor do Serviço de Imprensa da entidade de 1969 a 2004, colaborou intimamente com Dr. Plinio Corrêa de Oliveira na área da imprensa, até o falecimento deste em 1995.