Catolicismo - Acervo
Busca Google dentro do Site:
«
»
<<       Página 1       >>


MAIS UM FLORÃO DE GLÓRIA NO PONTIFICADO DE PIO XII

Santo Padre Pio XII, cujo pontificado vem sendo assinalado por fatos tão memoráveis, passará para a História com o título vinculado ao mais augusto dentre eles. Se Pio IX é o Papa da Imaculada Conceição, Pio XII será conhecido até a mais longínqua posteridade como o Papa da Assunção.

Por certo, a maior alegria de sua vida terá sido a definição deste grande dogma mariano. Entretanto, a Providência, que não lhe poupou terríveis provações, concedeu-lhe também mais de uma intensa consolação. E uma destas foi sem dúvida a possibilidade que se lhe deparou, de elevar à glória dos Santos o seu imortal antecessor Pio X, Pontífice boníssimo que o atual Papa conheceu pessoalmente, e cuja virtude pôde admirar de perto. Há 242 anos, que a Igreja não tinha a ventura de canonizar um Papa. Esta hora de luz e de glória estava reservada para o Santo Padre Pio XII.

Vibrando em uníssono com o coração do Sumo Pontífice, todos os fiéis sentiram intensamente esta alegria. Mas nossa união com o Vigário de Jesus Cristo deve ir mais fundo. Cumpre que imitemos o grande Papa que ele acaba de apontar como exemplo à Igreja Universal.

Neste mês, quando, por ocasião da festa de S. Pedro, os olhares do mundo inteiro se voltarem amorosamente para o vulto venerando de Pio XII, que fascina as massas sofredoras de nossos dias, lembremo-nos de que o melhor meio de lhe causarmos alegria consiste em conformar nossa mente e nossos atos com os admiráveis documentos de seu magistério e com o grande exemplo de Pio X, que ele acendeu agora providencialmente como uma luz no firmamento da Igreja.

QUANDO a Igreja eleva um de seus filhos à honra dos altares, tem em mente indicá-lo ao povo cristão como intercessor junto ao trono de Deus, e apontá-lo como exemplo aos fiéis que militam neste vale de lágrimas. A canonização de S. Pio X no dia 29 de maio, festejada por todo o universo, tem para esta folha, seus colaboradores e seus leitores, um significado muito particular, quer do ponto de vista da mediação, quer do exemplo. É o que pretendemos evidenciar.

TODOS os que se aproximaram de S. Pio X foram desde logo atraídos e subjugados por sua personalidade. Dotado de uma bela aparência, de maneiras afáveis e acolhimento encantador, servido por uma inteligência robusta, penetrante, ágil, o Pontífice podia ser tido como pessoa bastante prendada do ponto de vista natural. Entretanto, estes dotes, embora reais, não eram tão relevantes que fizessem dele um grande homem no sentido próprio do termo, e não teriam bastado só por si, para explicar o ascendente extraordinário que exerceu sobre as pessoas de todas as categorias — Reis, Príncipes, estadistas, literatos, artistas — com que tratou, bem como sobre as multidões de todas as procedências que o veneraram em vida e depois de morto.

Pio X governou a Igreja num período brilhante para a História do Ocidente. Foi talvez o apogeu da Europa. Na direção da vida política e social do continente encontrava-se uma elite imponente constituída por uma mescla curiosa, colorida, incomensuravelmente rica de valores humanos. Compunha-se ela de uma aristocracia que herdara todas as tradições de tato, finura e gosto do sec. XVIII; de uma "bigarrure" de intelectuais de todo gênero, cientistas, literatos, jornalistas, artistas que dirigiam a vida do pensamento do orbe; de expoentes da indústria, do comércio e dos bancos que manipulavam todas as riquezas da terra; de militares que dirigiam os exércitos mais poderosos e municiados que até então se tinham conhecido. Toda, esta elite estava habituada, havia perto de trinta anos, a ver brilhar nas culminâncias do Vaticano a gloria de Leão XIII, este sim um grande homem no plano natural, pois aliava a urna inteligência fulgurante urna educação aristocrática, uma cultura excepcional, e uma atividade impressionante. Assim, é fácil compreender que Pio X não tinha em si os dotes suficientes para ombrear com seu ilustre antecessor, e ainda menos para superá-lo.

Quanto às multidões, estavam trabalhadas a fundo pelo cepticismo e pelo livre pensamento, e não eram propensas a admirar incondicionalmente qualquer novo Pontífice.

Explorando esta situação, a imprensa anti-clerical e a própria imprensa "neutra" abriram contra Pio X, nos primeiros anos de seu reinado, uma campanha infernal, em que, para acentuar a desproporção entre o novo Papa e seu antecessor, chegaram até à calunia, apresentando aquele como um ignorante, de inteligência apoucada, etc..

Entretanto, o vozerio dos opositores foi aos poucos perdendo seu vigor, ao passo que a veneração por Pio X se ia tornando universal. Quando, em 1914, ele cerrou os olhos, o mundo inteiro chorou de dor. Não estava ele ainda sepultado, e já de milhares de peitos subiam preces ao Céu, por sua canonização. E o Céu atendeu estas súplicas quando o Santo Padre Pio XII o elevou há poucos dias, à gloria dos Santos.

QUE dom tinha aquele homem de Deus, para de tal maneira atrair os corações? A santidade, dir-se-á. Sim. Mas a resposta é um pouco genérica. O Santo não é necessariamente estimado por seus coevos. A história de S. Pio V — o último Papa canonizado antes de S. Pio X — é disto uma prova. Deus concedeu a S. Pio X uma graça particular, dispondo que todos os que se acercassem de sua pessoa sentissem desde o primeiro instante sua piedade angélica, sua profunda bondade. E foi isto que lhe deu sobre os seus contemporâneos o imenso ascendente que até hoje se conserva tão vivo. Todos os que se acercavam de Pio X tinham a impressão de sair mais próximos de Deus, aliviados em suas dores, consolados em suas aflições. Podia-se dizer que "dele saia uma virtude que a todos curava".

ORA, na vida deste Papa que parecia só ter entranhas de bondade e suavidade, um fato terrível ocorreu. Foi a crise modernista.

Uma seita de há muito se instalara na Igreja como um câncer sub-reptício. Seu objetivo era propagar o panteísmo materialista e evolucionista, o socialismo, a abolição do celibato eclesiástico, a inteira conformação do Catolicismo com os gostos e as idéias paganizantes do tempo.

Seus membros, entretanto, não queriam sair da Igreja, pois consideravam com razão que, separados do tronco venerável da Religião Católica, todas as portas se cerrariam diante deles. Por isto, preferiram agir à socapa. Ocupando lugares de influência no laicato e no Clero, propagavam suas idéias pelos próprios órgãos que formam a opinião católica: púlpito, confessionário, cátedras de seminários, universidades e colégios, imprensa, etc.. Bem entendido, essa difusão doutrinaria não era explicita. Mestres incomparáveis no emprego das meias luzes, das meias tintas, das meias verdades, os modernistas sabiam criar um ambiente de liberalismo, de ceticismo, de igualitarismo que por si só já produzia a inoculação de boa parte de seus erros. Essa ação era completada pelas reuniões e conciliábulos dos modernistas nas associações que dominavam. Com efeito, nesses ambientes sabiam eles tornar mais transparentes seus erros, sem incorrer na censura eclesiástica, pois "verba volant". E por fim em suas conversações particulares levavam ao último grau de eficácia sua ação, descerrando todos os vaus de sua linguagem dolosa, diante dos pequenos grupos de iniciados, no segredo de conventículos mais íntimos.

Esta conjuração era imensamente poderosa. Seus tentáculos abrangiam todo, ou quase todo o orbe católico. Seus prosélitos, pessoas muitas vezes recomendáveis por sua aparente piedade, eram ativíssimos e influentes. E o prejuízo para as almas era imenso, pois sem número eram os incautos que se deixavam arrastar.

Esse, em linhas gerais, o problema, que entretanto abrangia em seus refolhos aspectos ainda mais complexos e difíceis.

ORA, a solução deste problema incumbia em grau superior ao Papa. Pois é ele o Pastor das ovelhas, e o Pastor dos Pastores. Se ele cruzasse os braços, deixaria devorar pelo lobo as ovelhas que Jesus Cristo lhe confiara.

(continua)



Advertência

Este texto, reconhecido pelo processo OCR, não passou por revisão e pode conter erros de digitação.
Sua transcrição parcial ou total está autorizada, desde que seja citada a fonte e o texto conferido com o da imagem original.

Agradecemos desde já reportar-nos erros de digitação, através do
Fale conosco


CRÉDITOS
© Copyright 1951 -

Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.

Diretor
Paulo Corrêa de Brito Filho

Jornalista Responsável
Nelson Ramos Barreto
Registro na DRT/DF
sob o nº 3116

Administração
Rua Javaés, 681
1° Andar
Bairro Bom Retiro
CEP 01130-010
São Paulo- SP

SAC
(11) 3331 4522
(11) 3331-4790
(11) 2843-9487

Correspondência
Caixa Postal 707
CEP 01031-970
São Paulo-SP

E-mail:
catolicismo@terra.com.br

ISSN 0102-8502

 HOME 
 
TOPO
+ZOOM
-ZOOM
Home Page
ÍNDICE
Ir ao texto da matéria
TEXTO