Catolicismo - Acervo
Busca Google dentro do Site:
«
»
<<       Página       >>


A cruz de Vézelay

Ocorre neste mês de abril a Semana Santa, em que a Liturgia católica celebra de modo especial o mistério da Cruz. A cruz de São Bernardo, em Vézelay, se ergue no local - um anfiteatro de colinas - onde o grande Doutor da Igreja, no dia 31 de março de 1146, pregou a segunda Cruzada aos mais poderosos Príncipes da cristandade. Foi ali que Luís VII, Rei da França, tomou a cruz juntamente com uma multidão de nobres cavaleiros.

CRUZ AMADA PRINCESA MINHA

S. LUÍS MARIA GRIGNION DE MONTFORT

Jesus Cristo pela Cruz encadeou o inferno, abateu o rebelde

e conquistou o universo; Ele a dá como arma aos seus bons servidores; ela fascina ou

desarma as mãos e os corações.

 

Por este sinal vencerás, disse Ele a Constantino. Toda vitória

insigne se encontra na Cruz. Lede na história seus efeitos maravilhosos, suas vitórias

estupendas na terra e nos Céus.

 

Deus não pôde defender-se de sua rara beleza. A Cruz O fez descer

até a nossa humanidade. Ao vir ao mundo Ele disse: "Sim, quero-a, Senhor.

Ó Cruz, coloco-vos bem dentro do coração".

 

Esta Cruz, dispersa por tantos lugares da terra, será

ressuscitada e transportada aos Céus. A Cruz, sobre uma nuvem, rutilante

de esplendor, julgará, por sua visão, os vivos e os mortos.

 

Clamará vingança contra seus inimigos, alegria

e indulgência para todos os seus amigos. Dará glória a todos os

bem-aventurados e cantará vitória na terra e nos Céus.

 

Sem a Cruz a alma se arrasta, se faz mole, covarde e sem fibra.

A Cruz a torna fervorosa e cheia de vigor. Permanecemos na ignorância se nada

sofremos. Temos inteligência logo que sofremos bem.

 

Uma alma sem provações pouco vale. É alma nova ainda,

que nada aprendeu. Ah! que doçura suprema goza o aflito que se

compraz em sua pena sem ser dela aliviado!

 

A Cruz é nossa segurança, nossa proteção, nossa única

esperança, nossa perfeição. É tão preciosa, que uma alma elevada ao Céu

voltaria alegremente à terra para sofrer.

 

Ó Cruz amada, já que nesta hora te conheço, faze em mim tua

morada e dita-me tuas leis. Cumula-me, ó princesa minha, com teus castos amores,

e faze que eu conheça os teus mais secretos encantos!

Advertência

Este texto, reconhecido pelo processo OCR, não passou por revisão e pode conter erros de digitação.
Sua transcrição parcial ou total está autorizada, desde que seja citada a fonte e o texto conferido com o da imagem original.

Agradecemos desde já reportar-nos erros de digitação, através do
Fale conosco


CRÉDITOS
© Copyright 1951 -

Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.

Diretor
Paulo Corrêa de Brito Filho

Jornalista Responsável
Nelson Ramos Barreto
Registro na DRT/DF
sob o nº 3116

Administração
Rua Javaés, 681
1° Andar
Bairro Bom Retiro
CEP 01130-010
São Paulo- SP

SAC
(11) 3331 4522
(11) 3331-4790
(11) 2843-9487

Correspondência
Caixa Postal 707
CEP 01031-970
São Paulo-SP

E-mail:
catolicismo@terra.com.br

ISSN 0102-8502

 HOME 
 
TOPO
+ZOOM
-ZOOM
Home Page
ÍNDICE
Ir ao texto da matéria
TEXTO