Catolicismo - Acervo
Busca Google dentro do Site:
« »
<<       Página       >>


VIDAS DE SANTOS

São Jerônimo Doutor máximo das Escrituras

Plinio Maria Solimeo

“Nobre, rico, de grande engenho, eloquentíssimo; sapientíssimo nas línguas e ciências humanas e divinas”,1 autor da versão da Bíblia chamada Vulgata, Padre e Doutor da Igreja.

No final do século IV e na primeira metade do século V — época muito conturbada para a Igreja — surgiram simultaneamente na Cristandade grandes luzeiros de santidade e ciência, tanto no Oriente quanto no Ocidente. Neste, temos Santo Hilário, bispo de Poitiers, Santo Ambrósio, arcebispo de Milão, e a “Águia de Hipona”, o grande Santo Agostinho. Com São Jerônimo formam eles o ilustre grupo dos chamados quatro Padres da Igreja latina.

De São Jerônimo e de Santo Agostinho, seu contemporâneo, temos muitos dados sobre a vida e obra. Porque ambos escreveram muito, e em várias de suas obras nos oferecem dados biográficos. De São Jerônimo abundam principalmente as Cartas, muitas das quais com dados biográficos seus ou das pessoas a quem escreveu, com incontáveis detalhes das circunstâncias históricas e culturais da época. Por isso é muito difícil apresentar neste limitado espaço uma síntese de sua vida e obra. Limitar-nos-emos a dar algumas rápidas pinceladas sobre uma e outra.2

“Grande erudito, trabalhador infatigável”

Resumindo a vida desse grande batalhador da Igreja, diz o Pe. J. Forget, no Dictionnaire de Théologie Catholique: “Jerônimo foi ao mesmo tempo um grande erudito, um trabalhador infatigável, um escritor cheio de talento e de verve, e um santo austero em seus costumes, austero em seus princípios, muito severo e muito duro consigo mesmo antes de o ser com os outros. Mas, como outros santos, impondo-se embora à nossa admiração e recomendando-se à imitação por suas virtudes heroicas, ele guardava em seu caráter e em seu modo de agir, traços visíveis de imperfeição humana. Seu temperamento rude e vigoroso, seu ódio implacável à heterodoxia, que parecia algumas vezes estender-se até aos partidários e às vítimas do erro, e mesmo transbordar aqui e ali sobre os que iam de encontro às suas ideias; sua vivacidade nas discussões, suas palavras e zombarias satíricas, impedirão sempre de propô-lo como um modelo acabado de mansidão cristã, de assimilá-lo a um São Francisco de Sales. Mas ele não deixará de ser, pela extensão e importância de seus trabalhos, e mais ainda, pela orientação crítica que imprimiu ao estudo da Bíblia, o doutor escriturístico grande e ilustre entre todos, e o Doutor máximo das Sagradas Escrituras.3

“Nascido em Stridon, que foi arrasada pelos godos”

Jerônimo (Eusebius Sophronius Hieronymus) nasceu por volta de 340 em Stridon, nos confins da Dalmácia e da Panônia, a sudeste do Danúbio.

Não é possível localizar com precisão sua cidade natal, pois, como ele mesmo escreve, havia sido destruída pelos godos: “Eu, Jerônimo, filho de Eusébio, nascido em Stridon, nos confins da Dalmácia e da Panônia, que foi arrasada pelos godos” escreve ele em sua obra De Viris Ilustribus.4 Alguns supõem que Stridon ficasse em território da atual Croácia ou Eslovênia.

Segundo tudo indica, os pais de Jerônimo eram cristãos abastados, pois lhe proporcionaram uma boa formação acadêmica. Seu pai chamava-se Eusébio, nome que deu ao filho, pois Jerônimo era apenas um sobrenome. Eusébio teve outro filho, chamado Pauliniano, que acompanhará depois o irmão a Belém. Teve também uma filha, cujo nome nós não sabemos, que deu muito trabalho a Jerônimo.

O menino fez seus primeiros estudos em sua própria casa, sob os cuidados do mestre Orbílio, bem cotado em Stridon. Como demonstrou precoces aptidões para o estudo, o pai o enviou a Roma, então capital do mundo civilizado, para cursar os estudos liberais da época: gramática, retórica, filosofia, direito.

Estudos em Roma — Viagem às Gálias

Estudavam com Jerônimo, em Roma, o nobre romano Pamáquio e seu compatriota e irmão de leite Bonoso, de quem ele afirma que era “um jovem educado conosco nos refinados feitos do mundo, com abundância de fortuna e de um nível social não inferior ao de nenhum de seus colegas” (Carta 3, 4, a Rufino, 374).5

Na Cidade Eterna, Jerônimo foi batizado pelo Papa Libério, que governou a Santa Igreja de 352 a 366. Depois de batizado, o santo empreendeu com Bonoso uma viagem de estudos às Gálias (de 367 a 368). Cultivador apaixonado

(continua)

LEGENDA:
Jerônimo foi batizado pelo Papa Libério (acima). Detalhe de um quadro de Bartolomé Esteban Murillo, séc. XVII.



Advertência

Este texto, reconhecido pelo processo OCR, não passou por revisão e pode conter erros de digitação.
Sua transcrição parcial ou total está autorizada, desde que seja citada a fonte e o texto conferido com o da imagem original.

Agradecemos desde já reportar-nos erros de digitação, através do
Fale conosco


CRÉDITOS
© Copyright 1951 -

Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.

Diretor
Paulo Corrêa de Brito Filho

Jornalista Responsável
Nelson Ramos Barreto
Registro na DRT/DF
sob o nº 3116

Administração
Rua Javaés, 681
1° Andar
Bairro Bom Retiro
CEP 01130-010
São Paulo- SP

SAC
(11) 3331 4522
(11) 3331-4790
(11) 2843-9487

Correspondência
Caixa Postal 707
CEP 01031-970
São Paulo-SP

E-mail:
catolicismo@terra.com.br

ISSN 0102-8502

 HOME 
 
TOPO
+ZOOM
-ZOOM
Home Page
ÍNDICE
Ir ao texto da matéria
TEXTO