Catolicismo - Acervo
Busca Google dentro do Site:
« »
<<       Página       >>


(continuação)

das letras cristãs, ele mesmo diz que em Tréveris copiou, ao que parece para seu amigo Tirano Rufino, o comentário aos Salmos e outro extenso livro de Santo Hilário de Poitiers (nascido no início do século IV e falecido em 368) sobre os Sínodos.

Parece que foi em Tréveris que, sob a inspiração de Santo Hilário, Jerônimo decidiu entregar-se inteiramente ao serviço de Deus.

Indo depois para o Oriente, São Jerônimo fez amizade em Antioquia com Florêncio, um rico italiano que havia se retirado a Jerusalém para levar vida monástica. São Jerônimo escreveu-lhe calorosa carta, dizendo: “O quanto vosso nome e santidade estão nos lábios de muitos diferentes povos podeis supor do fato de que eu começo a vos amar mesmo antes de vos conhecer” (Carta 4, 1, de 374). Florêncio será também canonizado.

Eremita no deserto de Antioquia

Alguns anos depois, São Jerônimo retirou-se com alguns companheiros ao deserto de Chálcis, no sudoeste de Antioquia.

Várias de suas primeiras cartas foram escritas daquela “imensa solidão que, abrasada pelos ardores do sol, oferece horrível asilo aos monges” (Carta 22, 7 a Eustóquia, filha de Santa Paula, ambas suas discípulas). Ao que parece, o santo passou cerca de cinco anos no deserto (de 374 a 379) submetendo-se à austera penitência, segundo narra na mesma carta à virgem Eustóquia.

Deus permitiu que o demônio o assaltasse constantemente com tentações da carne, que Jerônimo combatia dilacerando o corpo e entregando-se a jejuns que duravam às vezes semanas inteiras. Mas ele tinha também consolações inefáveis, como relata a Eustóquia.

Volta a Antioquia — São Gregório Nazianzeno

O regresso de Jerônimo a Antioquia deu-se aproximadamente em 379. Parece ter sido quando ele fez aparecer, sob a forma de diálogo, uma curta refutação do Luciferianismo, pequena seita rigorista que pretendia opor-se às medidas de clemência adotadas com relação aos arianos e semiarianos arrependidos, recebidos de volta pela Igreja.

Ascendera por essa época ao trono imperial um sincero católico — o espanhol Teodósio I (346-395), cognominado “Magno” pela História. Ele acabou com os últimos restos de paganismo no Império, pôs fim à heresia ariana, pacificou os godos, deixou um famoso exemplo de penitência por falta cometida, e reinou como um justo e poderoso imperador católico.

Em 27 de fevereiro de 380, Teodósio publicou seu famoso edito De fide Catholica, através do qual proclamava como religião do Estado romano “a doutrina que São Pedro tinha pregado aos romanos e cuja cabeça era Dâmaso” (Cod. Theod., XVI, I, 2; Sozomen, VII, 4).6

Jerônimo foi depois para Constantinopla (380-381), onde manteve uma profunda amizade com outro grande Doutor da Igreja, São Gregório Nazianzeno (325-389).

Secretário do Sínodo de 382

No ano de 382, o Imperador Teodósio e o Papa São Dâmaso (nascido por volta de 304 e falecido em 384) resolveram convocar um sínodo em Roma para combater as heresias que pululavam, principalmente no Oriente. São Jerônimo foi convidado a participar.

No sínodo, o santo foi escolhido para desempenhar a função de secretário no lugar de Santo Ambrósio, que adoecera. Jerônimo assinalou-se de tal modo por sua erudição e segurança de doutrina, que São Dâmaso, querendo utilizar seus talentos e saber para a Igreja, constituiu-o depois seu secretário particular.

Enquanto exercia esse cargo, Jerônimo, encorajado e estimulado pelo Pontífice, soube empreender e levar a bom termo tantos e tão importantes trabalhos, que se pergunta como pôde suprir a todos.

Defesa da perpétua virgindade de Nossa Senhora

Em 383, o herege Helvídio, um dos precursores do protestantismo, negou a perpétua virgindade de Maria, alegando que nos Evangelhos fala-se de “irmãos e irmãs de Jesus”; ele negava também a excelência da virgindade em geral, colocando-a em situação de inferioridade em relação ao matrimônio.

São Jerônimo escreveu uma refutação contra esse heresiarca, conhecida como A Perpétua virgindade de Maria, defendendo três pontos principais:

1) Que São José não era marido de Maria em todo o sentido do termo, mas só putativamente.

2) Que os “irmãos” do Senhor eram apenas seus primos, não seus irmãos carnais.

3) Que a virgindade é melhor que o estado matrimonial.

(continua)

LEGENDAS:
São Jerônimo eremita no deserto David Teniers, 1643. Coleção Particular.

São Jerônimo com Nossa Senhora e o Menino Jesus



Advertência

Este texto, reconhecido pelo processo OCR, não passou por revisão e pode conter erros de digitação.
Sua transcrição parcial ou total está autorizada, desde que seja citada a fonte e o texto conferido com o da imagem original.

Agradecemos desde já reportar-nos erros de digitação, através do
Fale conosco


CRÉDITOS
© Copyright 1951 -

Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.

Diretor
Paulo Corrêa de Brito Filho

Jornalista Responsável
Nelson Ramos Barreto
Registro na DRT/DF
sob o nº 3116

Administração
Rua Javaés, 681
1° Andar
Bairro Bom Retiro
CEP 01130-010
São Paulo- SP

SAC
(11) 3331 4522
(11) 3331-4790
(11) 2843-9487

Correspondência
Caixa Postal 707
CEP 01031-970
São Paulo-SP

E-mail:
catolicismo@terra.com.br

ISSN 0102-8502

 HOME 
 
TOPO
+ZOOM
-ZOOM
Home Page
HOME
Ir ao texto da matéria
TEXTO