Catolicismo - Acervo
Busca Google dentro do Site:
« »
<<       Página       >>


AÇÃO CONTRA-REVOLUCIONÁRIA

Reflorescimento do ideal de cavalaria

Santiago Laia

“Ó Francos, de quantas maneiras Nosso Senhor vos abençoou? Vede quão férteis são vossas terras. Quão verdadeira é vossa fé. Quão indisputável é vossa coragem”.1 Com estas palavras, pronunciadas no longínquo 27 de novembro de 1095 em Clermont-Ferrand, no coração da França, o Bem-aventurado Papa Urbano II pregou a Primeira Cruzada.

Palavras do Vigário de Cristo na Terra — luz colocada num candelabro para iluminar todos os povos, foco de irradiação da virtude, que deve ensinar a verdade e o bem —, “elas penetraram e abrasaram todos os corações e assemelhavam-se à chama ardente descida do céu”2 na noite de Pentecostes.

Barões, duques e cavaleiros, “levados por um entusiasmo que jamais a eloquência humana havia inspirado, ergueram-se prontamente”3 e, em uma só voz, responderam àquele apelo bradando: “Deus vult!” (Deus o quer!).

Tal brado, que se tornaria o grito de guerra dos cruzados, ecoou pela Europa, transpôs o espaço e o tempo, viu nascerem almas de grande porte como Balduíno IV, Ricardo Coração de Leão, São Luís IX, e tantos outros que deixaram gravados por seus atos heroicos umas das mais belas epopeias da História universal.

Onde estão hoje essas almas de escol? Teria chegado ao fim a era dos heróis, dos cavaleiros andantes e dos santos guerreiros?

Em nossos dias cresce o número de jovens que anseiam por esses ideais de cavalaria. Durante o verão europeu, do dia 14 a 24 de julho, a Fédération Pro Europa Christiana promoveu na Lorena (nordeste da França) um acampamento para jovens europeus. Nesses proveitosos dias, eles reavivaram em suas almas o ideal de cavalaria praticado outrora com honra, honestidade, pureza e piedade viril por seus antepassados, defensores da Santa Igreja Católica e da Cristandade. Também participou do acampamento uma delegação da Academy São Luís Maria Grignion de Montfort, da TFP norte-americana.

No primeiro horário da manhã, eles se reuniam para rezar uma oração ao Príncipe da Cavalaria Celeste, São Miguel Arcanjo pedindo sua intercessão ao longo do dia.

Episódios históricos como a conversão de Clóvis, a sagração dos Reis da França na catedral de Reims, a vida de Carlos Magno e de Santa Joana d’Arc foram alguns dos temas expostos pelos conferencistas. Um dos pontos altos da programação foi a visita a locais históricos expostos nas palestras. Por exemplo, a Domrémy, cidade natal de Santa Joana d’Arc, e ainda um passeio pela cidade de Strasburgo.

Do ponto de vista recreativo, os jovens disputaram “jogos medievais”, quando cada equipe escolhia um santo padroeiro a ser invocado durante as competições. Para marcar o fim do acampamento, à noite, sob a luz do luar de verão, realizou-se um banquete à maneira medieval.

Notas:

1. História das Cruzadas, Joseph François Michaud, Editora das Américas, p. 88.

2. Id. p. 91.

3. Id. p. 92.



Advertência

Este texto, reconhecido pelo processo OCR, não passou por revisão e pode conter erros de digitação.
Sua transcrição parcial ou total está autorizada, desde que seja citada a fonte e o texto conferido com o da imagem original.

Agradecemos desde já reportar-nos erros de digitação, através do
Fale conosco


CRÉDITOS
© Copyright 1951 -

Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.

Diretor
Paulo Corrêa de Brito Filho

Jornalista Responsável
Nelson Ramos Barreto
Registro na DRT/DF
sob o nº 3116

Administração
Rua Javaés, 681
1° Andar
Bairro Bom Retiro
CEP 01130-010
São Paulo- SP

SAC
(11) 3331 4522
(11) 3331-4790
(11) 2843-9487

Correspondência
Caixa Postal 707
CEP 01031-970
São Paulo-SP

E-mail:
catolicismo@terra.com.br

ISSN 0102-8502

 HOME 
 
TOPO
+ZOOM
-ZOOM
Home Page
ÍNDICE
Ir ao texto da matéria
TEXTO