Catolicismo - Acervo
Busca Google dentro do Site:
« »
<<       Página       >>


Fátima X comunismo: um século de profecias opostas

(continuação)

Luís Dufaur

Em 13 de julho de 1917, num simpático e esquecido vilarejo de Portugal, Nossa Senhora revelou a três pastorinhos um segredo carregado de anúncios. Tratava-se de uma profecia que julgava toda uma era histórica, vaticinava o seu futuro e lhe anunciava um desfecho trágico, mas triunfal. Entre os fatos previstos, um foi de difícil intelecção para os pastorinhos: "Se atenderem a meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz; se não, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja; os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas; por fim, o meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-Me-á a Rússia, que se converterá, e será concedido ao mundo algum tempo de paz".

Francisco e Jacinta, hoje canonizados, e a própria Lúcia — a única que falava com Nossa Senhora — não entenderam quem era a tal "Rússia". Mons. Liberio Andreatta, Administrador Delegado da Obra Romana de Peregrinações, que conversou com a Irmã Lúcia em três ou quatro ocasiões, ouviu dela: "Nós pensamos que era uma mulher de má vida e rezávamos por ela. Nós não sabíamos que existia uma nação com esse nome".

Duas profecias simultâneas e antagônicas

Enquanto a Santíssima Virgem aparecia no extremo ocidental da Europa, não longe do Atlântico, na outra extremidade do mesmo continente, nos confins da Ásia, antros infernais impeliam a Rússia a uma revolução que impactaria o mundo. Em 2 de março de 1917 o czar Nicolau II era forçado a abdicar pelos revolucionários mencheviques. Um governo provisório liberal-socialista presidido por Alexander Kerensky tinha confinado o czar e sua família, inicialmente no palácio de Tsarskoye Selo, e depois em Tobolsk, nos Montes Urais. Transladaram-nos por fim, juntamente com seus servidores, à Casa Ipatiev, em Ekaterimburgo, onde foram massacrados na noite de 16 para 17 de julho de 1918.

Enquanto Nossa Senhora advertia em Fátima para o flagelo dos "erros da Rússia", Vladimir Lenin — o gênio tenebroso da mais sanguinária revolução da História — exortava em Moscou a colocação em prática desses erros, prometendo que, "tomando o poder simultaneamente em Moscou e em São Petersburgo, triunfaremos de modo indefectível". Sua proclamação movimentou um punhado de ativistas ideológicos aterrorizados ante a imensidade dos crimes que seriam perpetrados. O núcleo revolucionário inicial foi engrossado por enxames de soldados entregues ao saque e à anarquia após a derrota da Primeira Guerra Mundial, bem como por brigadas de criminosos e "guardas vermelhos" do líder anarquista Leon Trotsky. Superando as possibilidades humanas, em 7 de novembro de 1917 (conforme o calendário gregoriano) a revolução profetizada tornou-se uma realidade infernal: Lenin depôs o governo provisório e a primeira revolução comunista marxista do século XX deu o poder aos bolcheviques.

Desde então, a Rússia difundiu pelo mundo um profetismo emanado de abismos de maldade, aglutinando e comandando todos os revoltosos da Terra. "Assim que subiu ao poder — escrevem os autores do Livro Negro do Comunismo — Lenin sonhou em propagar o incêndio revolucionário pela Europa e depois por todo o mundo. Inicialmente, esse sonho respondia ao famoso slogan do Manifesto do Partido Comunista, de Marx, em 1848: 'Proletários de todos os países, uni-vos!'". O alvo era todas as desigualdades sociais, econômicas, políticas, morais e religiosas. Doravante ninguém deveria se submeter a princípio moral ou religioso algum, mas, pelo contrário, insurgir-se contra toda superioridade, mando ou influência, condenados como formas retrógradas de "alienação" que devem ser extintas. Em termos humanos, ecoava o "Não servirei" de Satanás em sua revolta contra Deus, que em toda a medida do possível deveria ser apagado da face da Terra junto com a Santa Igreja Católica.

Para enfrentar esse gigante de iniquidade que iria provocar, segundo estimativa moderada, mais de 100 milhões de mortes no século XX, Nossa Senhora escolheu três humildes pastorinhos portugueses. Por meio deles transmitiu sua profética mensagem convocando as almas sinceras à emenda de vida e à resistência moral para evitar a tragédia que despencava sobre o mundo e a Igreja.

Foi assim que em 1917 se iniciou um conflito de amplitude cada vez mais universal, ao qual poderíamos chamar de "guerra dos profetas". Pois ambos os lados se opunham em virtude de uma profecia em choque com a outra. De um lado, a profecia de Fátima, que conclui com o triunfo do Imaculado Coração, e do outro uma infernal profecia proferida por Lenin, que inaugurava perseguições para extinguir a Igreja e instalar uma anti-ordem radicalmente gnóstica e igualitária. Ele também prometia o triunfo! E o segredo dessa negra profecia constitui a essência dos "erros da Rússia", como Nossa Senhora a definiu na Cova da Iria.

O que são os "erros da Rússia"?

Mas, o que dizem os "erros da Rússia"? Faltaram pregadores, sacerdotes, teólogos, bispos ou autoridades de condição e conhecimento ainda mais elevados que explicassem ao povo o conteúdo desta "contraprofecia". Se esse segredo tivesse sido desvendado e condenado pela Igreja, o afundamento como que irreversível do mundo no caos poderia ter sido evitado. O fato é que os que sabiam pouco ou nada ensinaram. E enquanto a humanidade foi durante décadas se deliciando com os prazeres da vida quotidiana, decaindo moralmente, afundando sempre otimista e displicente, o monstro girava em torno de sua casa e entrava pela porta dos fundos. Os "erros da Rússia" se generalizaram e se agigantaram inclusive na Igreja, e hoje tentam o assalto final com as blasfêmias, heresias e profanações mais inauditas. A maioria dos homens ouve seus uivos assombrada, alguns tentam reagir, mas não entendem a natureza do mal que os agride. É imprescindível entendê-lo para saber o que está acontecendo e agir com propriedade.

Para não nos alongarmos, citaremos apenas alguns excertos da petição assinada por 213 Padres Conciliares de 54 países, pedindo ao II Concílio Ecumênico Vaticano a condenação do comunismo. Ela constitui uma rara exceção ao silêncio destruidor que apontamos e sintetiza os "erros da Rússia" afirmando: "Serpeiam entre católicos numerosos erros e estados de espírito que encontram sua origem na Revolução Francesa e são espalhados pela propaganda bolchevista; eles tornam os espíritos propensos a aceitar as doutrinas marxistas e a estrutura social e econômica do comunismo. (os grifos são nossos). [...]

"Os principais erros e desvios de espírito são os seguintes:

"1 – Dia a dia se torna mais comum a opinião de que é injusta toda superioridade social ou econômica, de modo que só a onímoda igualdade de fortuna

(continua)

LEGENDAS:
- O Czar e sua família foram transladados, juntamente com seus servidores, à Casa Ipatiev, em Ekaterimburgo, onde foram massacrados em julho de 1918.
- Os três pastorinhos, Francisco e Jacinta, hoje canonizados, e sua prima Lúcia, a quem Nossa Senhora revelou o segredo a respeito da Rússia e a expansão do comunismo.



Advertência

Este texto, reconhecido pelo processo OCR, não passou por revisão e pode conter erros de digitação.
Sua transcrição parcial ou total está autorizada, desde que seja citada a fonte e o texto conferido com o da imagem original.

Agradecemos desde já reportar-nos erros de digitação, através do
Fale conosco


CRÉDITOS
© Copyright 1951 -

Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.

Diretor
Paulo Corrêa de Brito Filho

Jornalista Responsável
Nelson Ramos Barreto
Registro na DRT/DF
sob o nº 3116

Administração
Rua Javaés, 681
1° Andar
Bairro Bom Retiro
CEP 01130-010
São Paulo- SP

SAC
(11) 3331 4522
(11) 3331-4790
(11) 2843-9487

Correspondência
Caixa Postal 707
CEP 01031-970
São Paulo-SP

E-mail:
catolicismo@terra.com.br

ISSN 0102-8502

 HOME 
 
TOPO
+ZOOM
-ZOOM
Home Page
HOME
Ir ao texto da matéria
TEXTO