Catolicismo - Acervo
Busca Google dentro do Site:
« »
<<       Página       >>


ENTREVISTA

Uma tradicional dama paulista

Neste mês em que se cumprem 50 anos do falecimento de Da. Lucilia Ribeiro dos Santos Corrêa de Oliveira, Catolicismo presta singela homenagem à mãe do seu inspirador e principal colaborador, o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira

Por ocasião do cinquentenário do falecimento dessa tradicional dama paulista (22/4/1876-21/4/1968), Catolicismo não precisou sair dos círculos de seus redatores para encontrar alguém capaz de comunicar aos nossos leitores — que já conhecem muito bem Plinio Corrêa de Oliveira — alguns traços daquela que trouxe este insigne líder católico ao mundo e exerceu grande influência na sua formação. Dr. Adolpho Lindenberg, decano dos nossos colaboradores, guarda muitas recordações de sua "saudosa tia Lucilia".

Dona Lucilia pertencia à tradicional classe dos paulistas denominados quatrocentões — provenientes dos fundadores ou dos primeiros povoadores da cidade de São Paulo — e tinha entre seus ascendentes vários bandeirantes famosos. Dentre os antepassados maternos do Prof. Plinio, destacou-se durante o reinado do Imperador D. Pedro II o ilustre Prof. Gabriel José Rodrigues dos Santos, catedrático da famosa Faculdade de Direito de São Paulo, advogado, orador de grandes dotes, deputado provincial e mais tarde nacional.

Além de nosso decano, o entrevistado é um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP) e atual presidente do Instituto que leva o nome de seu primo-irmão, o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira. Engenheiro pela Universidade Mackenzie, sua atividade profissional sempre esteve relacionada com a Construtora Adolpho Lindenberg, uma das mais conceituadas do País, que se notabilizou pela reintrodução do estilo colonial e o lançamento do estilo neoclássico na construção de edifícios.

* * *

Catolicismo — Em que época o senhor mais conviveu com sua tia Lucilia e com seu primo Plinio Corrêa de Oliveira?

Dr. Adolpho — Na época em que éramos crianças, e convivíamos na casa de nossa avó, Gabriela Ribeiro dos Santos, mãe de Da. Lucilia. Vovó era uma senhora muito aristocrática, que marcou época na sociedade paulista do início do século passado.

Catolicismo — Antes de passarmos às perguntas sobre Da. Lucilia, desejaríamos conhecer algo mais da personalidade de Da. Gabriela. Alguma lembrança que o senhor pudesse narrar a respeito?

Dr. Adolpho — Na sala de visitas do apartamento onde morou tia Lucilia há uma bela pintura de minha avó Gabriela, num quadro muito elogiado por Dr. Plinio. Retrata uma bela senhora matriarcal, que teve relações de amizade com a Princesa Isabel. Tia Lucilia recordava-se do vovô Antonio (esposo de Da. Gabriela) como tendo sido um homem boníssimo, pleno de qualidades, enquanto vovó Gabriela tinha deixado a recordação de uma senhora bonita, imponente e inteligente. Quando eu era menino, ela aparentemente me ignorava, mas só anos depois vim a compreender que nessa atitude anti-igualitária ela demonstrava apenas uma segurança, uma nota aristocrática e dominadora, uma superioridade diante da qual um menino hesitava.

Catolicismo — Poderia descrever como era o convívio no ambiente da casa de Da. Gabriela?

Dr. Adolpho — A família Ribeiro dos Santos se destacava pela loquacidade, e o convívio naquele ambiente era animadíssimo. Conservo muitas lembranças e saudades desse convívio com toda a parentela. Nem preciso dizer o quanto Plinio, com sua vitalidade, colaborava nessa animação, por exemplo, formando rodas de conversas agradabilíssimas. Ele proseava com muito bom humor sobre qualquer coisa, desde grandes fatos históricos, passando por episódios ocorridos com nossos tios, até as cores das pedras. Costumo lembrar o dito de Talleyrand: "Quem não viveu na França no período anterior à Revolução Francesa [1789], não conheceu a doçura de viver". Posso afirmar que algo dessa "doçura de viver" existia em nossa família, na então pequena cidade de São Paulo. Recordo-me de que, alguns meses antes da morte de Dr. Plinio, eu mantive com ele uma conversa durante a qual ele se lembrou daqueles antigos tempos, no convívio com sua irmã Rosée, seus primos e amigos na casa de vovó. Ele, muito mais do que eu, sentia saudades do bem-estar desse pequeno microcosmo que era o nosso ambiente familiar.

Catolicismo — E como era a presença de Da. Lucilia nesse "microcosmo" na casa dos Ribeiro dos Santos?

Dr. Adolpho — Tia Lucilia dispensava um trato muito cerimonioso às pessoas — com os filhos e sobrinhos, com seu esposo, meu tio João Paulo, até com seus pais, pelos quais ela nutria uma verdadeira veneração. Muito diferente de certas pessoas modernas, que usam um trato excessivamente íntimo. Ela não apreciava esse tipo de comportamento

(continua)

Legenda: Da. Gabriela Ribeiro dos Santos, mãe de Da. Lucilia



Advertência

Este texto, reconhecido pelo processo OCR, não passou por revisão e pode conter erros de digitação.
Sua transcrição parcial ou total está autorizada, desde que seja citada a fonte e o texto conferido com o da imagem original.

Agradecemos desde já reportar-nos erros de digitação, através do
Fale conosco


CRÉDITOS
© Copyright 1951 -

Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.

Diretor
Paulo Corrêa de Brito Filho

Jornalista Responsável
Nelson Ramos Barreto
Registro na DRT/DF
sob o nº 3116

Administração
Rua Javaés, 681
1° Andar
Bairro Bom Retiro
CEP 01130-010
São Paulo- SP

SAC
(11) 3331 4522
(11) 3331-4790
(11) 2843-9487

Correspondência
Caixa Postal 707
CEP 01031-970
São Paulo-SP

E-mail:
catolicismo@terra.com.br

ISSN 0102-8502

 HOME 
 
TOPO
+ZOOM
-ZOOM
Home Page
HOME
Ir ao texto da matéria
TEXTO