Catolicismo - Acervo
Busca Google dentro do Site:
« »
<<       Página       >>


(continuação)

verdadeiro. Seriam inexistentes o conhecimento absoluto e a verdade absoluta, isto é, independente das condições subjetivas de quem os conheceu.

De acordo com o pensamento lógico, duas afirmações contraditórias não podem ser verdadeiras ao mesmo tempo, o que na prática se denomina senso de contradição. Quem não seja alienado mental sabe que um hipopótamo não é um avestruz, por exemplo. Mas o relativista radical afirma que uma pessoa pode entender de uma forma, e outro de outra forma.

Expandindo-se para além da esfera filosófica, o relativismo penetrou em outros campos, como o moral e o religioso. Pode-se afirmar que ele domina a mentalidade contemporânea, e a consequência é a perda do senso de contradição. O senso de contradição só existe em nós quando aceitamos a existência de verdades que se impõem pela própria realidade. Por incrível que pareça, o relativista se considera dono da verdade, ao mesmo tempo que nega a existência da verdade. Para ele, a verdade absoluta é que não existem verdades absolutas. Haja contradição!...

Negação dos preceitos morais

Se não há distinção entre verdade e erro, entre bem e mal, não há matéria para o senso de contradição, e uma decorrência da falta desse senso são posições antagônicas coexistindo nas almas. Leis morais transcendentes, por exemplo, deveriam se impor a todos os seres humano, mas o relativismo nega a existência de tais leis. Daí a aceitação e incentivo ao hedonismo, liberando para todos o prazer pessoal e egoísta, ao invés de cultivar valores superiores como a obediência a Deus e o amor ao próximo. Usufruir o prazer tornou-se a finalidade da vida, ao contrário de amar e servir a Deus.

A influência do relativismo na esfera religiosa resulta na afirmação de que todas as religiões são boas (dá no mesmo afirmar que todas são ruins), uma espécie de consenso no ecumenismo moderno, e é preciso aceitar todas as pessoas do jeito que elas são. No campo moral, o resultado é a negação dos preceitos morais, ou pelo menos daqueles que mais importunam os libertinos, ecumenistas e relativistas.

Abominável ofensa a Deus

Nesse estado se encontra a mentalidade moderna, e dela participam muitos católicos. Afirma-se a existência de Deus por meio de palavras, mas ela é negada nas obras. Fica-se indiferente diante de tantos pecados, blasfêmias e profanações, como se ninguém estivesse sendo ofendido com tudo isso. Quando tomam alguma posição, as pessoas o fazem pela metade: alguém se diz católico, mas em seguida tolera a heresia; defende um ponto da moral, mas nega outro em seguida. Ao negar a existência de uma verdade absoluta, em última análise o relativista nega a existência de um Deus verdadeiro e imutável. Um modo de fazê-lo consiste em simular uma atitude de indiferença, como quem diz: “Deus não faz bem nem mal”.

A verdade e o erro são aceitos, como se não houvesse oposição entre ambos. Mas o Apocalipse é implacável com essa posição de pessoas que parecem adeptas da que foi denominada “igreja de Laodiceia”: “Conheço as tuas obras: não és nem frio nem quente; oxalá fosses frio ou quente”. E depois de assim definir bem tais pessoas, define melhor ainda o que lhes acontecerá: “... mas, como és morno, nem frio nem quente, vou vomitar-te” (Apoc. 3, 15-16). É bom nos precavermos...

Retorno à casa paterna

E Deus, como fica? Nada menos do que destronado, expulso do universo que Ele mesmo criou. Vê seus filhos indiferentes à sua existência, nessa coexistência pacífica entre o bem e o mal, entre a verdade e o erro. Quão imensa é a dor de um pai expulso de sua casa pela própria família! Um Pai que é a Inocência e a Verdade encarnadas para a Redenção dos homens! Assim se encontra Deus no mundo de hoje.

Essa mentalidade relativista impregnou de tal forma as almas, que a reversão desse quadro só será possível por meio de um imenso e merecido castigo, seguido de completo arrependimento e de uma prodigiosa graça de Nossa Senhora. Não se pode colocar vinho novo num odre velho, antes de esvaziá-lo e extinguir o odor do vinho velho. Assim também, é necessário nos desapegarmos da mentalidade nefasta de nosso século, antes de sermos vivificados pela graça extraordinária de uma grande conversão.

Como fazê-lo? Como nos desapegarmos dessa mentalidade? Por meio da quebra de tudo aquilo que nos mantém atrelados a esse estado de coisas.

Uma longa doença prepara o moribundo, naturalmente apegado à vida terrena, para a noção clara de que comparecerá diante de Deus. Não será a situação caótica de nossos dias comparável a uma enfermidade fatal, que nos deve preparar para comparecermos diante de Deus? Não será ela o prenúncio de um novo mundo que deverá nascer das ruínas deste em que vivemos? A própria Mãe de Deus nos alertou em Fátima para o enorme castigo que cairia sobre o mundo, se ele não se convertesse.

Para além dos catastróficos dias que virão, há a promessa da vitória. E é com os olhos nessa promessa da Santíssima Virgem que, esperançosos, devemos atravessar esses dias terríveis que nos conduzirão de volta Àquele que é “o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6).

Legendas:
- O relativismo moral de Henrique VIII teve como consequências o repúdio de sua legítima esposa, a ruptura com Roma e o nascimento da herética igreja da Inglaterra. (Primeiro encontro de Henrique VIII com Ana Bolena – Daniel Maclise (1806–1870). British Institution, Londres.)
- Violenta manifestação esquerdista profana igreja no centro de Santiago do Chile e retira de seu interior, sem nenhuma reação dos presentes, um antigo Crucifixo, que é brutal e sacrilegamente golpeado, atirado ao chão e quebrado.



Advertência

Este texto, reconhecido pelo processo OCR, não passou por revisão e pode conter erros de digitação.
Sua transcrição parcial ou total está autorizada, desde que seja citada a fonte e o texto conferido com o da imagem original.

Agradecemos desde já reportar-nos erros de digitação, através do
Fale conosco


CRÉDITOS
© Copyright 1951 -

Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.

Diretor
Paulo Corrêa de Brito Filho

Jornalista Responsável
Nelson Ramos Barreto
Registro na DRT/DF
sob o nº 3116

Administração
Rua Javaés, 681
1° Andar
Bairro Bom Retiro
CEP 01130-010
São Paulo- SP

SAC
(11) 3331 4522
(11) 3331-4790
(11) 2843-9487

Correspondência
Caixa Postal 707
CEP 01031-970
São Paulo-SP

E-mail:
catolicismo@terra.com.br

ISSN 0102-8502

 HOME 
 
TOPO
+ZOOM
-ZOOM
Home Page
HOME
Ir ao texto da matéria
TEXTO