Catolicismo - Acervo
Busca Google dentro do Site:
« »
<<       Página       >>


REALIDADE CONCISAMENTE

Líderes do comércio de órgãos humanos são acolhidos no Vaticano

A Pontifícia Academia das Ciências Sociais, cujo chanceler é Dom Marcelo Sánchez Sorondo, bispo muito próximo do Papa Francisco, voltou a promover um encontro com a China sobre o tráfico de órgãos humanos. Só um jornal comunista chinês noticiou o evento, concentrando-se em analisar os reflexos desse tráfico no acordo que Pequim deseja fazer com a Santa Sé para controlar a Igreja Católica. Cientistas da Doctors Against Forced Organ Harvesting (DAFOH) enviaram uma carta à Academia Pontifícia, mostrando que esse monstruoso comércio prossegue, chefiado por Huang Jiefu, acolhido agora como interlocutor pela Ostpolitik da Santa Sé. Os signatários pedem à Academia Pontifícia que modere seus julgamentos enquanto o inumano sistema chinês não mudar.

Legenda: Dom Marcelo Sánchez Sorondo


Putin reabilita o maior assassino do século XX

Bustos de Stalin vêm sendo erguidos nas cidades russas por iniciativa da Sociedade Russa de História Militar, fundada pelo presidente Putin. Muitos russos lembram que Stalin mandou fuzilar cruelmente, confinou em campos de concentração, matou de fome ou deportou para a Sibéria cerca de 20 milhões de pessoas. Em fevereiro, Putin louvou o “devotamento” do escritor Alexandre Prokhanov, grande bardo de Stalin, e condenou “a demonização excessiva de Stalin, que é um modo de atacar a União Soviética e a Rússia”. Lev Goudkov, do centro Levada de opinião pública, comentou que “o poder russo conjuga a mitificação do passado soviético com uma justificação velada de seus próprios crimes”.


Perigos e tendências no convívio com animais

Em 1969, o cineasta Noel Marshall filmou Roar, para mostrar que o domínio dos homens causaria danos aos animais. O “herói” do filme violava as leis, vivendo em casa com 132 leões, tigres, chitas e panteras. Cerca de cem funcionários saíram feridos durante a filmagem, e o filme foi um fracasso. Marshall nunca mais voltou a filmar, e confessou: “Acreditávamos que, criando nossos filhos e esses animais sob o mesmo teto, minimizaríamos os ataques. Mas foi uma insensatez, e espanta-me que ninguém tenha morrido”. Ao invés de aprender com a experiência, e com o resultado decididamente negativo, o filme virou “artefato cultural de adoração” do ambientalismo radical que continua pregando possível um convívio idílico entre homens e animais.


Em mais de 200 cidades, argentinos dizem NÃO ao aborto

Aproximadamente dois milhões de argentinos de 204 cidades das 24 províncias (estados) manifestaram-se contra os projetos de despenalização do aborto. Em Buenos Aires, o amplo espaço reservado ao ato foi insuficiente para conter a multidão; em Córdoba compareceram mais de 60.000 pessoas; e em Santa Fé, por volta de 40.000. O público composto por famílias católicas levava cartazes expressivos como “Aborto legal ou ilegal é assassinato”. Sacerdotes presentes declararam que a Conferência Episcopal deu ordem ao clero para não comparecer, e sobretudo para não fazer uso da palavra nem dar a bênção. Fato análogo ocorreu na Itália, por ocasião das manifestações contra o “casamento” homossexual. Deve-se temer que a abstenção do Episcopado, seguindo as orientações de Roma, desanime a resistência ao aborto e permita a aprovação de algum projeto favorável à prática abortiva.


Livro apócrifo confirma o dilúvio universal

O Museu de Israel, em Jerusalém, exibiu pela primeira vez um livro apócrifo do Gênesis, decifrado num dos pergaminhos encontrados em Qumran, região do Mar Morto. Segundo o conservador Adolfo Roitman, “é sem dúvida uma cópia muito antiga de um texto original. A caligrafia da escrita está feita com muito esmero, sem erros, e naquela época isso só era possível tendo o copista diante de si o documento que ia copiar”. O pergaminho narra na primeira pessoa o fim do dilúvio universal, como sendo do próprio Noé essa narrativa da história. Fica assim ratificado o essencial do relato bíblico a respeito do dilúvio, confirmando-o como fato histórico.


CO2 multiplica produção hortigranjeira até na Antártica

Cientistas da base alemã Neumayer Station III colheram 3,6 quilos de alface, 18 pepinos e 70 rabanetes numa estufa de alta tecnologia, enquanto a temperatura exterior era abaixo de 20ºC. No Centro Aeroespacial da Alemanha (DLR), esperam colher semanalmente entre quatro e cinco quilos de frutas e vegetais, inclusive morangos, usando o cultivo hidropônico. O aumento da proporção de CO2 no ar estimulou o crescimento dos vegetais. Este efeito benéfico do dióxido de carbono desnorteou os ambientalistas, inimigos cegos ou ideológicos do CO2, que apresentam como o grande vilão da vida no planeta.



Advertência

Este texto, reconhecido pelo processo OCR, não passou por revisão e pode conter erros de digitação.
Sua transcrição parcial ou total está autorizada, desde que seja citada a fonte e o texto conferido com o da imagem original.

Agradecemos desde já reportar-nos erros de digitação, através do
Fale conosco


CRÉDITOS
© Copyright 1951 -

Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.

Diretor
Paulo Corrêa de Brito Filho

Jornalista Responsável
Nelson Ramos Barreto
Registro na DRT/DF
sob o nº 3116

Administração
Rua Javaés, 681
1° Andar
Bairro Bom Retiro
CEP 01130-010
São Paulo- SP

SAC
(11) 3331 4522
(11) 3331-4790
(11) 2843-9487

Correspondência
Caixa Postal 707
CEP 01031-970
São Paulo-SP

E-mail:
catolicismo@terra.com.br

ISSN 0102-8502

 HOME 
 
TOPO
+ZOOM
-ZOOM
Home Page
HOME
Ir ao texto da matéria
TEXTO