Revista Catolicismo
Busca Google dentro do Site:
« »
<<       Página       >>


(continuação)

Catolicismo dedica nesta edição matéria sobre o papel de São Pedro — o Príncipe dos Apóstolos — cuja festa se comemora no dia 29 de junho. Para ressaltar a sua extraordinária vocação de chefe supremo da Igreja, fazemos nossas as palavras dos Pequenos Bolandistas:

“Como poderíamos recusar um elogio àquele que o próprio Filho de Deus — que é a Verdade eterna — declarou bem-aventurado; e que o deixou em seu lugar quando retornou a seu Pai, a fim de tornar-se o sustentáculo e a pedra fundamental de sua Igreja?

“Segundo a explicação do sábio cardeal São Roberto Belarmino, dele foi dito pelo profeta Isaías que, para estabelecer mais solidamente o edifício de Sion, Nosso Senhor punha em seus fundamentos uma pedra experimentada, angular e preciosa, que seria ela mesma fundada sobre o primeiro e principal fundamento, quer dizer, sobre a sua adorável Pessoa.

“Foi a ele que Nosso Senhor mandou confirmar seus irmãos, e deu as chaves do reino dos céus; com uma autoridade tão grande de ligar e desligar, que a sentença de Pedro deve preceder a sentença de Deus; e tudo o que Pedro ligar ou desligar na Terra, é ao mesmo tempo ligado ou desligado nos Céus; e Deus lhe ordenou, enfim, apascentar todas as suas ovelhas e todos os seus cordeiros, sem que houvesse um só fora do seu rebanho.

“Tudo o que podemos dizer dele está muitíssimo abaixo dos seus méritos. Mas não nos é permitido, por isso, calar-nos e não instruir os fiéis a respeito de suas gloriosas ações e dos favores assinalados que ele recebeu do Senhor”.1

Pescador no Mar da Galileia

O Apóstolo Pedro nasceu em Betsaida, no nordeste do Mar da Galileia, e recebeu na circuncisão o nome de Simão. O nome Betsaida significa “casa ou lugar de pesca”2 em aramaico, a língua local. Ele tinha pelo menos um irmão, André, que se tornará também um dos Doze Apóstolos.

Naquela época a região era aberta à influência helênica, podendo-se supor que esse pescador de olhar atento tenha aprendido muito pela observação do que se passava ao seu redor. Simples e generoso, franco e reto, impulsivo e ardente, modesto e judicioso, ele possuía os dons distintivos do homem capaz de levar a bom termo uma obra difícil.3

Chegando à idade adulta, Simão e André seguiram a profissão do pai, tornando-se pescadores. Simão casou-se e mudou-se para Cafarnaum (cidade de Naum ou da consolação4), na Galileia, onde morava com a sogra e seu irmão André no início da pregação de Jesus, pelos anos 26 a 28.

É curioso que os evangelistas, mesmo mencionando a sogra de Simão, nada dizem de sua esposa, o que leva à suposição de que já fosse viúvo e continuasse morando com a sogra, versão que encontra apoio em algumas tradições antigas. Simão possuía um barco e trabalhava em sociedade com André. Às vezes uniam-se para a pesca com Tiago e João, filhos de Zebedeu.

O encontro com o Messias

Simão, André e João, atraídos como muitos de seus contemporâneos judeus pela pregação de João Batista, tornaram-se seus seguidores.

No meio em que Simão fora criado e crescera, a fé era ainda viva, e profunda a piedade. Na família, e posteriormente na sinagoga, Simão havia sido instruído sobre a história de Israel e adquirido as práticas da piedade tradicional. O fato de ter sido atraído pela pregação de João Batista é indício certo do fervor com o qual esperava a realização da grande esperança messiânica.5

Num dia em que o Batista pregava, estando presentes André e João, os emissários dos príncipes dos sacerdotes foram perguntar-lhe quem ele realmente era. Sem hesitar, o Precursor respondeu: “Eu não sou o Cristo”. Os sacerdotes e levitas insistiram em saber o que ele dizia de si mesmo, e obtiveram a resposta: “Eu sou a voz que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaías [...]. Eu batizo com água, mas no meio de vós está quem não conheceis. Esse é quem vem depois de mim, e eu não sou digno de lhe desatar a correia do calçado”.

No dia seguinte, Jesus passou por aquele lugar e o Precursor o apontou, dizendo: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. É deste que eu disse: depois de mim virá um homem que me é superior, porque existe antes de mim”. André e João O seguiram, e passaram o dia com Ele.

Ao regressar à sua casa, André procurou Simão e lhe disse: “Encontramos o Messias”. Pedro não duvidou da palavra do irmão, e quis também ir logo ao encontro do Salvador. Jesus fixou o olhar sobre ele, e disse: “Tu és Simão, filho de João, serás chamado Cefas [que quer dizer pedra]”. Antecipando o que depois lhe confiaria, Jesus mudou de modo muito significativo o nome de Simão. Cefas, em grego, significa apenas pedra, como alusão a uma rocha sólida sobre a qual se pode construir.6 Nome inusitado tanto para os judeus quanto para os gregos, envolvendo uma profecia.

Na história bíblica, somente em três ocasiões Deus mudou o nome próprio de alguém: quando Abrão se tornou Abraão; quando Jacó se tornou Israel; e quando Simão se tornou Pedro. Nos três casos a mudança foi proposital, sobretudo levando-se em conta a importância simbólica atribuída aos nomes em todo o Oriente.

Para Santo Atanásio, São Basílio, São João Crisóstomo, Santo Agostinho e São Jerônimo, entre outros, Jesus fez essa mudança para nos ensinar que esse Apóstolo seria, por si e pelos seus sucessores, o rochedo sobre o qual fundaria a Igreja, tornando-se a coluna da verdade.7 Os desígnios especiais do Salvador sobre Simão já eram claros nesse o primeiro encontro, e mais tarde Ele revelará o significado dessa mudança de nome.

Simão encontrou-se com Jesus e outros discípulos nas bodas de Caná, e ficou muito impressionado quando Jesus, atendendo ao pedido da Santíssima Virgem, operou o primeiro de seus milagres, mudando a água em vinho.

Pescador de homens

Algum tempo depois, quando Jesus caminhava pelas margens do Mar da Galileia, viu Simão e André

(continua)

Legendas:
- Letra capitular N representando São Pedro entronizado e, embaixo, a Libertação de São Pedro – Cenni di Francesco di Ser Cenni, 1380. Walters Art Museum, Baltimore (EUA).
- Cristo chama Pedro e André – Giovanni Antonio Decio, 1480. Coleção Particular, San Francisco (EUA).



Advertência

Este texto, reconhecido pelo processo OCR, não passou por revisão e pode conter erros de digitação.
Sua transcrição parcial ou total está autorizada, desde que seja citada a fonte e o texto conferido com o da imagem original.

Agradecemos desde já reportar-nos erros de digitação, através do
Fale conosco


CRÉDITOS
© Copyright 1951 -

Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.

Diretor
Paulo Corrêa de Brito Filho

Jornalista Responsável
Nelson Ramos Barreto
Registro na DRT/DF
sob o nº 3116

Administração
Rua Javaés, 681
1° Andar
Bairro Bom Retiro
CEP 01130-010
São Paulo- SP

SAC
(11) 3331 4522
(11) 3331-4790
(11) 2843-9487

Correspondência
Caixa Postal 707
CEP 01031-970
São Paulo-SP

E-mail:
catolicismo@terra.com.br

ISSN 0102-8502

 HOME 

EDIÇÃO POR

TOPO
 
+ZOOM
-ZOOM
 
HOME PAGE
HOME
 
IR AO TEXTO DA MATÉRIA
TEXTO