Catolicismo n° 811, julho de 2018
Revista Catolicismo
Busca Google dentro do Site:
« »
<<       Página       >>


VIDAS DE SANTOS

Santa Maria Goretti

Uma história de amor de Deus, perdão e arrependimento

Plinio Maria Solimeo

No dia 24 de junho de 1950, o Papa Pio XII deparou-se com um problema singular: a canonização de Maria Goretti deveria ser celebrada na Basílica de São Pedro, mas cerca de 500 mil pessoas afluíram à cerimônia, ultrapassando em muito a capacidade do templo — era a maior concentração na história de Roma até então. A solução foi celebrá-la do lado de fora, pela primeira vez em uma canonização.

O que levou tanta gente a afluir para essa canonização? Possivelmente foram os pormenores da vida e morte de Maria Goretti, que maravilharam a Itália e todo o mundo católico. Uma menina de apenas onze anos preferiu morrer a pecar; a sua atitude acabou convertendo o próprio assassino, que se tornou religioso; a mãe da vítima o perdoou, e recebeu a Sagrada Comunhão ao lado dele. Tudo isto traduz uma coerência na fé e na piedade, muito rara em nossos dias.

Muita pobreza e muita virtude

Terceira das seis crianças de uma família empobrecida, Maria Goretti nasceu em Corinaldo (Itália), no ano de 1890. Em 1899, a família de Luís Goretti mudou-se para Le Ferriere di Conca, a 40 milhas de Roma, trocando o trabalho agrícola pela situação de meeiros. Os Goretti passaram a compartilhar com os Serenelli — um viúvo de nome Giovanni e seu filho Alessandro — um prédio abandonado da propriedade, ocupando estes últimos o andar superior, enquanto os Goretti ficavam no andar térreo.

Tanto uns quanto outros tiravam seu sustento do árduo trabalho no campo, cuja terra era muito pobre, meio pantanosa, infectada de insetos e muito dura de trabalhar. No ano seguinte, Luís Goretti foi picado por um inseto transmissor da malária, falecendo onze dias depois.

Maria, então com nove anos, era a mais velha dos irmãos; e Assunta, sua mãe, colocou-a em seu lugar nos afazeres domésticos, a fim de substituir o marido no trabalho do campo. Ela passou a cozinhar, fazer limpeza, lavar roupa e cuidar dos irmãos. Também cozinhava e cuidava da limpeza do andar dos Serenelli.

Não era vaidosa

Longe de se lamentar por um estado tão penoso, Maria Goretti era uma fonte de encorajamento para a mãe, a quem assegurava que Jesus Cristo as ajudaria em suas necessidades. Era uma criança piedosa, ia à Missa sempre que podia, aprendeu o Catecismo e recebeu a Primeira Comunhão com grande respeito, na festa de Corpus Christi de 1901. Apesar de todos os trabalhos e cuidados, crescia em graça e sabedoria diante de Deus e dos homens.

Assunta diria mais tarde a respeito da filha: "Não era vaidosa, não ambicionava vestidos novos. Procurava que os irmãozinhos estivessem cobertos e compostos, e ela própria guardava grande modéstia. Aborrecia palavras e conversas contrárias à honestidade."

Depois de convertido, Alessandro declarou: "Seguindo as pegadas da mãe, era modesta, usava vestidos compridos, fugia de certas moças levianas, não se fixava em jornais ou revistas com gravuras indecentes. Era verdadeiramente um anjo, inocente como uma pomba, e tão piedosa, tão boa, tão serviçal em casa: era uma moça modelo."

Martírio pela pureza

Alessandro, pelo contrário, era um rapaz rude, sem nenhuma formação religiosa. Sua mãe tinha morrido num hospital psiquiátrico quando ele ainda era bebê, e seu pai era alcoólatra, sendo ele próprio dado à bebida. Era muito impuro, e fazia propostas indecentes a Maria quando esta se encontrava só. Ela detestava o procedimento vil e as sugestões torpes do rapaz, e sempre lhe retorquia: "Não, nunca, isso é pecado! Deus o proíbe, e iríamos para o inferno".

Por que a menina não contava à mãe as investidas lúbricas do rapaz? De um lado, por não querer preocupá-la; de outro, porque Alessandro ajudava sua mãe nos trabalhos mais difíceis do campo. E também porque, se o fizesse, a família não teria para onde ir. Preferia então calar-se e confiar em Deus.

No dia 5 de julho de 1902, enquanto Maria costurava uma camisa de Alessandro e cuidava de uma irmã menor, ele apareceu sob um pretexto qualquer, entrou na cozinha e fechou a porta. Aproximou-se com uma peça de ferro pontiaguda e ameaçou-a de morte, caso ela não cedesse aos seus desejos impuros. Maria gritou: "Não! Isso é pecado! Deus não o quer!" Quando ele quis forçá-la, ela reagiu e lutou com ele, dizendo que preferia morrer a pecar. Furioso, Alessandro a perfurou nove vezes com a peça de ferro. No meio da aflição e das dores, a mártir continuou a recompor seus vestidos, resguardando sua pureza.

Julgando-a morta, o algoz se retirou. Maria conseguiu entreabrir a porta e gritar para o pai de Alessandro. O assassino então voltou e desferiu contra seu peito mais cinco punhaladas. Depois fechou a porta e saiu, deixando prostrada sobre uma poça de sangue a inocente vítima de 11 anos, que gemia: "Meu Deus! Meu Deus! Mãezinha, mãezinha".

Teresita — uma de suas irmãs, ainda de berço — começou então a chorar desesperadamente, fazendo

(continua)

Legendas:
- Única foto conhecida da santa, tirada em 1902.
- Relíquia de Santa Maria Goretti.



Advertência

Este texto, reconhecido pelo processo OCR, não passou por revisão e pode conter erros de digitação.
Sua transcrição parcial ou total está autorizada, desde que seja citada a fonte e o texto conferido com o da imagem original.

Agradecemos desde já reportar-nos erros de digitação, através do
Fale conosco


CRÉDITOS
© Copyright 1951 -

Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.

Diretor
Paulo Corrêa de Brito Filho

Jornalista Responsável
Nelson Ramos Barreto
Registro na DRT/DF
sob o nº 3116

Administração
Rua Javaés, 681
1° Andar
Bairro Bom Retiro
CEP 01130-010
São Paulo- SP

SAC
(11) 3331 4522
(11) 3331-4790
(11) 2843-9487

Correspondência
Caixa Postal 707
CEP 01031-970
São Paulo-SP

E-mail:
catolicismo@terra.com.br

ISSN 0102-8502

 HOME 

EDIÇÃO POR

TOPO
 
+ZOOM
-ZOOM
 
HOME PAGE
HOME
 
IR AO TEXTO DA MATÉRIA
TEXTO