REALIDADE CONCISAMENTE

Devido a manobras russas, a Suécia prepara-se para a guerra

O governo sueco enviou um folheto a todos os lares do país, contendo conselhos para o caso de guerra ou catástrofe natural. A Rússia não é citada, mas foi a primeira que veio aos espíritos, pois os suecos temem um ataque de Moscou à OTAN. O temor foi reavivado pela incursão de um submarino no arquipélago de Estocolmo e por numerosas violações do espaço aéreo sueco por bombardeiros russos. A Suécia restabeleceu o serviço militar obrigatório e voltou a guarnecer a ilha de Gotland, alvo provável em caso de ataque moscovita no Báltico.

Ditadura chinesa sob o rótulo de "crédito social"

A China classificará a reputação dos seus cidadãos através do "crédito social", atribuindo-lhes uma nota de procedimento variável de 350 a 950 pontos. Nessa qualificação estará embutido um sistema de repressão para punir os críticos do regime nas redes sociais. A pontuação máxima dará direito a sala VIP em aeroportos, e os de pontuação mínima pagarão o dobro pelo aluguel de bicicletas. Somente em 2017, cerca de 6,15 milhões de chineses foram excluídos dos transportes públicos mais cômodos ou velozes devido a notas baixas. O objetivo do governo é "restringir os movimentos dos que não são confiáveis". Estes terão suas liberdades básicas cerceadas, sem acesso a órgãos de defesa. O Partido Comunista Chinês está criando uma raça de párias selecionada por meio de computadores, deixando os adeptos da igualdade social desnorteados com essa novidade "igualitária".

Cientista falsário aclama o Papa como "herói dos climatólogos"

Michael E. Mann [foto] provocou um dos maiores escândalos da história da ciência, ao forjar o gráfico do taco de hóquei – um quadro indicando como as temperaturas globais na Terra teriam mudado no último milênio. Cientistas idôneos comprovaram a fraude e qualificaram o gráfico como "ciência infame". Muitos dos colaboradores de Mann na fraude deixaram seus cargos e responderam perante a Justiça ou em inquéritos administrativos. Vinte anos depois, entrevistado sobre o futuro das esquerdas, Mann respondeu que, por seu ativo apoio às causas ambientalistas, "o Papa é o herói de nós, climatólogos".

Mudança de paradigma levaria a Igreja a uma ecologia anticristã?

A Igreja Católica jamais poderá reformar sua visão do mundo, porque esta foi revelada por Deus. Tampouco poderá reconstruir sua ética à luz do pensamento ecológico, pois ela se baseia nos Mandamentos. Porém, a mudança de paradigma no atual pontificado parece acatar a ideia de que tal "reconstrução" é possível. Tanto parece ser assim, que chefes das multinacionais do petróleo se reuniram a portas fechadas com o Papa Francisco e altas figuras do Vaticano. Nessa ocasião, sites italianos lembraram a condição imposta pelo macrocapitalista Steven C. Rockefeller [foto] para aceitar a mudança de paradigma do Pontífice: "As religiões devem reconstruir sua visão do mundo e da ética à luz do pensamento ecológico".

Na China, perseguição a todo símbolo cristão

Com escavadeiras e martelos pneumáticos, funcionários socialistas de Henan, berço da civilização chinesa, demoliram uma Via Sacra na trilha que conduz ao santuário de Nossa Senhora do Carmo, o mais antigo da China, situado em Tianjiajing. A perseguição aos cristãos inclui a destruição de túmulos e igrejas, a proibição aos menores de comparecerem às missas e a prisão de sacerdotes. Fala-se que o Partido Comunista quer "reescrever a Bíblia", a exemplo do que fez a "Teologia da Libertação" na América Latina. Enquanto isso, circulam anúncios de um acordo entre Pequim e o Vaticano.

Moscou recorre ao Papa contra o apostolado católico

Uma delegação do Patriarcado de Moscou — de confissão ortodoxa, criado pelo comunista Stalin — foi recebida pelo Papa Francisco. No entanto, os católicos de rito greco-católico reconhecem o Patriarcado de Kiev como única liderança para toda a Rússia. Em 1643, assim o Papa Urbano VIII havia definido a posição da Igreja: "Por meio de vós, meus ucranianos, eu espero converter o Oriente". Mas o Papa Francisco afirmou em sua saudação aos moscovitas que "na Rússia só há um patriarcado: o de vocês. Esta é hoje a atitude da Santa Sé". A posição do Papa Francisco soou como uma punhalada nos católicos, que reconhecem como patriarca o Arcebispo-mor de Kiev, capital da Ucrânia. A preocupação do patriarcado ortodoxo submisso a Putin provém do medo de que o povo russo se converta à Igreja de rito greco-católico.