CAPA

Massacre da família imperial russa

100 anos de um crime monstruoso

Renato Murta de Vasconcelos

No dia 17 de julho de 1918, na esteira dos trágicos acontecimentos da Revolução Comunista, um crime monstruoso consumou a extinção do trono três vezes secular dos Romanov. Instituições, ambientes e costumes fabulosos, frutos do impulso da alma russa para o sublime, o esplendor e a magnificência, foram reduzidos a escombros.

Na calada da noite, num porão de uma casa perdida nos Urais da Rússia, uma saraivada de tiros, gemidos, golpes de baioneta. Ao cheiro da pólvora se junta o do sangue, que corre em profusão. Com esse bárbaro assassinato — ou "procedimento", segundo Jacó Jurovski, chefe dos assassinos — os bolcheviques puseram fim à vida de Nicolau II, de sua família e de alguns fiéis servidores.

O massacre da família imperial russa serviu de inspiração e modelo para todos os ditadores comunistas (sejam eles Lenine ou Stalin, Mao Tsé-Tung ou Pol Pot, Fidel Castro ou Maduro), que alegam agir "em nome do povo", "pelo bem do povo", em seu afã de estabelecer criminosamente uma sociedade antinatural, ateia e igualitária.1

Uma família que fez história

Até meados do século XIX, a Rússia parecia um imenso e vetusto palácio, com algumas partes esplêndidas, outras ameaçando ruir. Eram necessárias certas reformas, como as similares que poderiam ter sido feitas na França antes de 1789, mas sem destruir a magnífica construção erigida ao longo dos séculos.

Contemporâneo de Marx, que publicou seu manifesto comunista há exatos 170 anos, o Tzar Alexandre II decretara em 1862 o fim do regime de servidão, abrindo assim aos camponeses a possibilidade de assumir a condição de pequenos proprietários, deixando a de "assentados". Entretanto, à semelhança do que ocorreria mais tarde no Brasil com a libertação dos escravos, o término do regime de servidão na Rússia deu lugar a uma grande fermentação na população rural, constituindo um caldo de cultura para a insatisfação de grandes proprietários rurais, pertencentes à nobreza e às elites análogas, que perdiam assim mão-de-obra barata.

A par disso, os meios estudantis oriundos da pequena e média burguesia estavam encharcados de ideias revolucionárias, as quais se expressavam nos moderados pelo desejo de uma monarquia constitucional; e nos radicais, pela ânsia de instalar um governo anárquico.

(continua)

LEGENDAS:
- O Tzar Nicolau II com sua esposa Alexandra e seus filhos Olga, Maria, Anastasia, Alexei e Tatiana, em 1913.
- Escudo dos Romanov.