AÇÃO CONTRA-REVOLUCIONÁRIA

"Foi bom nos sentirmos novamente católicos!"

William Gosset

Cerca de seiscentos católicos norte-americanos se reuniram no dia 9 de junho em frente ao Metropolitan Museum, na Quinta Avenida de Nova York, em um ato de protesto e reparação contra a exposição denominada Corpos celestes, moda e imaginação católica. A exposição continha símbolos e objetos sagrados, como rosários e cruzes, enfeitando modelos vestidas de forma indecente. Havia também caricaturas de paramentos sagrados, tais como os de bispo, transformados em camisola.

Estes e outros exemplos causaram profunda indignação entre os católicos, que avaliaram a exposição como uma zombaria contra a Igreja. A ofensa foi ainda mais grave devido à cooperação de autoridades do Vaticano, que emprestaram mais de 50 paramentos e objetos para serem expostos. O cardeal Timothy Dolan, Arcebispo de Nova York, compareceu à abertura da exposição, na qual celebridades, cantores e figuras públicas se exibiram em modas extremamente imorais.

Catolicismo noticiou o evento no seu número de julho/2018. O protesto foi organizado pela Sociedade Americana de Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP) e por sua campanha America Needs Fatima, coincidindo com a festa do Imaculado Coração de Maria.

Católicos de Nova York, Pensilvânia, Nova Jersey e de outros estados se posicionaram diante do famoso museu, onde rezaram o terço em reparação pelas blasfêmias que foram ali expostas e entoaram cânticos marianos. Os cânticos eram acompanhados por gaitas de fole e tambores.

Muitos transeuntes perguntaram o que estava acontecendo, e alguns se juntaram aos manifestantes na recitação do terço. O protesto praticamente lotou o quarteirão diante do Metropolitan, com manifestantes segurando cartazes onde se podia ler: Católicos leigos fazem reparação pela exposição blasfema 'Corpos celestes'; e ainda: Cardeal Dolan: misturar pecado e santidade é um sacrilégio.

Entre os manifestantes estavam 27 jovens vindos de Herndon, na Pensilvânia, onde participavam de um curso da TFP denominado Chamado à Cavalaria. Eles aproveitaram esta oportunidade para pôr em ação os princípios da cavalaria católica, em defesa da honra da Santa Igreja, ultrajada pela blasfema exposição.

Um voluntário da TFP, William Siebenmorgan, declarou: "Pertencer à Igreja militante significa que, como católicos, devemos lutar e defender a Igreja a qualquer momento e em qualquer lugar onde Ela estiver sendo atacada. Foi impressionante ver no protesto vários católicos levarem a sério essa obrigação. É por isso que estamos aqui, para consolar Nosso Senhor Jesus Cristo e sua Mãe Santíssima, e proclamar que esta exposição é intolerável e inaceitável".

Uma senhora, que participou do protesto com alegria, resumiu a atitude de todos os presentes com esta exclamação: "Foi bom nos sentirmos novamente católicos!".