AMBIENTES, COSTUMES, CIVILIZAÇÕES

Santa Teresinha

Infância espiritual e naturalidade

Plinio Corrêa de Oliveira

(Excertos da conferência proferida pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira em 11 de novembro de 1968. Essa transcrição não passou pela revisão do autor.)

A concepção moderna do traje é fundamentalmente falsa, porque joga com a ideia de naturalidade. O homem tem de fato duas formas de naturalidade. A primeira é quando sua natureza está entregue a todos os seus instintos — é o estado ruim da natureza, que tende para a barbárie. A segunda é quando sua natureza está educada pela civilização. Adquirindo assim o hábito de se mortificar, ele se instala até mesmo em situações desagradáveis, mas de um modo tão natural que até se poderia dizer espontâneo.

Este quadro de Santa Teresinha é um monumento, que exemplifica bem a segunda forma de naturalidade. Observem que é quase impossível uma naturalidade maior. É uma criança inteiramente à vontade dentro de seu traje. De tal maneira à vontade, que se tem a impressão de que nem percebe o próprio corpo, e está apenas meditando. Toda a vida dela está no olhar. Mas notem que sua leveza, sua graça, seus movimentos infantis têm toda a expansão que se pode desejar de uma criança.

Notem também que é uma menina da pequena burguesia. Seu pai, Monsieur Martin, era um joalheiro de Alençon, pequena cidade francesa. Os pais deram a Santa Teresinha uma educação muito estrita, como se pode ver no porte dela: ereta, não tem nada de mole. A aparência de seu corpo é de suma compostura. Numa criança, isso significa o triunfo da segunda forma de naturalidade, numa menina que está perfeitamente bem nessa situação. Assim se compreende como é uma mentira o mito do “conforto” nudista, largado e escarrapachado.

Existe para o homem um ponto de equilíbrio muito mais verdadeiro, que é o espiritual. Dessa forma — excluindo outras considerações a que esta foto se presta — ela é um documento sociológico de primeiríssima, mostra a autenticidade da infância numa concepção que não é a de uma criança de anúncio de dentifrício, boba, cretina, que não pensa. Vemos nesse quadro a concepção da infância espiritual profundamente meditativa, precoce, embora inteiramente infantil. E com toda a naturalidade.

Que impressão teria Santa Teresinha se visse uma criança moderna? Ficaria chocada, por ver a natureza humana no seu escarrapachado, no seu desgovernado, segundo seus instintos. 

LEGENDA:
- Santa Teresinha com 8 anos.