HOME
Efemérides

Promessas do Sagrado Coração de Jesus

Devoção fundamental para os católicos realmente desejosos de se consagrar ao infinito amor de Deus e obter graças superabundantes. Máxime para os que se empenharem em propagar a devoção ao Divino Coração.

"Eis aqui o coração que tanto amou os homens, que não poupou nada até esgotar-se e consumir-se, para testemunhar-lhes seu amor"

Paulo Roberto Campos

O mês de junho é dedicado pela Igreja ao Sagrado Coração de Jesus.1 Sua festa — no dia 15 — visa honrar, e também reparar o adorável Coração pelos pecados cometidos, principalmente contra a Sagrada Eucaristia. No dia 7 da semana anterior comemora-se a solene festividade de Corpus Christi (vide seção “Corpus Christi”). Por sua vez, no dia 16 a Igreja celebra o Imaculado Coração de Maria, que na Paixão de Nosso Senhor consolou e reparou o Sagrado Coração de Jesus perfurado pela lança de Longinos — ato simbólico da ingratidão da humanidade em relação Àquele que morreu para nossa salvação.

Nesse sentido, é muito significativa a jaculatória da Ladainha do Sagrado Coração de Jesus: Coração de Jesus atravessado pela lança – Tende piedade de nós! Bem como a jaculatória da Ladainha do Imaculado Coração de Maria: Coração de Maria, acabrunhado de aflição durante a Paixão de Jesus Cristo – Rogai por nós!

Não poderíamos deixar assim de dedicar algumas páginas a tão admiráveis e preciosas celebrações da piedade católica, augurando que elas sirvam para incrementar nos corações dos leitores de Catolicismo uma particular devoção ao Sagrado Coração de Jesus, que tanto amou os homens. Cientes de que o melhor meio para a obtenção da plenitude dessa devoção é através daquela tributada ao Imaculado Coração de Maria. Devoções tão inseparáveis que São João Eudes as invocava no singular: “o Sagrado Coração de Jesus e Maria”.

A grande promessa do Sagrado Coração

No dia 16 de junho de 1675, aparecendo a Santa Margarida Maria Alacoque (1647-1690) no Convento da Visitação de Santa Maria, em Paray-le-Monial (França), e apontando para o Seu próprio coração, Nosso Senhor lhe disse:

“Eis aqui o Coração que tanto amou os homens, que não poupou nada até esgotar-se e consumir-se, para testemunhar-lhes seu amor; e, por reconhecimento, não recebe da maior parte deles senão ingratidões, por suas irreverências, sacrilégios e pelas indiferenças e desprezos que têm por Mim no Sacramento do amor. Mas o que Me é ainda mais penoso é que corações que Me são consagrados agem assim.

“Por isso, Eu te peço que a primeira sexta-feira depois da oitava do Santíssimo Sacramento seja dedicada a uma festa especial para honrar meu Coração, comungando-se neste dia e fazendo-Lhe um ato de reparação, em satisfação das ofensas recebidas durante o tempo que estive exposto nos altares. Eu te prometo também que meu Coração se dilatará para distribuir com abundância as influências de seu divino amor sobre aqueles que Lhe prestem culto e que procurem que este Lhe seja prestado”.2

Nosso Senhor prometeu a Santa Margarida Maria que concederia a graça da penitência final para todos aqueles que durante nove meses seguidos comungarem na primeira sexta-feira. Ou seja, não morrerão em pecado, recebendo a garantia da salvação eterna. Esta é conhecida como a “A Grande Promessa”,3 embora existam outras 11 admiráveis promessas.

As 12 Promessas aos devotos do Sagrado Coração

Reveladas a Santa Margarida Maria Alacoque, as 12 Promessas do Sagrado Coração de Jesus são profundamente tocantes e sublimes. Convém que sejam meditadas pelo leitor, pois maior incentivo para o progresso na virtude e aumento do desejo de salvação parece impossível.

1ª) Às pessoas consagradas ao meu Coração darei as graças necessárias para o seu estado;

2ª) Darei paz às suas famílias;

3ª) Eu as consolarei nas suas aflições;

4ª) Serei o seu amparo e seguro refúgio ao longo da vida e particularmente na hora da morte;

5ª) Derramarei bênçãos abundantes sobre os seus trabalhos diários;

6ª) Os pecadores encontrarão no meu Coração a fonte e o oceano infinito de misericórdia;

7ª) As almas tíbias tornar-se-ão fervorosas;

8ª) As almas fervorosas elevar-se-ão rapidamente a uma grande perfeição;

9ª) Abençoarei os lares onde a imagem do meu Sagrado Coração esteja exposta e seja honrada;

10ª) Darei aos sacerdotes a graça de mover os corações empedernidos;

11ª) As pessoas que propaguem esta devoção terão o seu nome inscrito no meu Coração e dali nunca será apagado;

12ª) E eu prometo [esta é conhecida como “a grande promessa”], no excesso de misericórdia do meu Coração, que o meu Amor Todo-Poderoso concederá a todos aqueles que comunguem nas nove primeiras sextas-feiras de cada mês de modo consecutivo, a graça da perseverança final, a salvação eterna.4

Consagração ao Sagrado Coração de Jesus

A primeira promessa sugere a consagração ao Sacratíssimo Coração de Jesus. Para aqueles que desejarem se consagrar, eis a fórmula composta por Santa Margarida Maria Alacoque:

“Eu, [mencionar o nome], dou e consagro ao Sagrado Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo minha pessoa e minha vida, minhas ações, penas e dores, não querendo servir-me de parte alguma de meu ser, senão para honrá-Lo, amá-Lo e glorificá-Lo.

É esta a minha vontade irrevogável: pertencer-Vos e fazer tudo por vosso amor, renunciando completamente ao que não for do vosso agrado.

Eu Vos tomo, pois, ó Sagrado Coração, por único objeto do meu amor, protetor de minha vida, segurança de minha salvação, remédio de minha fragilidade e inconstância, reparador de todos os meus defeitos e asilo seguro na hora da morte.

Sede, ó Coração de bondade, minha justificação para com Deus vosso Pai, afastai de mim os castigos de vossa justa cólera. Ó Coração de amor, ponho em Vós toda a minha confiança, pois tudo receio de minha fraqueza e malícia, mas tudo espero da vossa bondade.

Destruí em mim tudo o que vos possa desagradar ou resistir. Que o vosso puro amor se grave tão profundamente no meu coração, que eu não possa jamais vos esquecer, nem me separar de Vós.

Suplico-vos também, por vossa suma bondade, que o meu nome seja escrito em Vosso Coração, pois eu quero fazer consistir toda minha felicidade e minha glória em viver e morrer convosco na qualidade de vosso escravo. Assim seja!”

* * *

A oração acima é uma fórmula de consagração individual. Contudo, é muito aconselhável também a consagração das famílias ao Sagrado Coração de Jesus, bem como das instituições, cidades e até de países. Pois Lhe prestam assim um culto não apenas em particular, mas publicamente. Desse modo se reconhece perante o mundo inteiro a Soberana Realeza de Nosso Senhor Jesus Cristo. Um belo exemplo nesse sentido foi a “Consagração Cívica Nacional”, efetuada no Brasil nos idos de 1955. (vide quadro ao lado).

O “Detente” do Sagrado Coração de Jesus

Santa Margarida ostenta o primeiro desenho simbólico do Sagrado Coração de Jesus

“Detente” ou “Escudo” — popularmente conhecido como “bentinho” — é um distintivo (pequeno brasão como o da foto ao lado) com a imagem do Sagrado Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo circundado com a frase: Alto! O Coração de Jesus está comigo. Venha a nós o Vosso Reino! Trata-se de uma particular proteção contra todos os perigos. Proteção mais do que nunca necessária em nossos dias e que se estende a todos aqueles que portarem o “Detente”. Levando conosco esse distintivo, estamos como que constantemente reafirmando o que escreveu São Paulo Apóstolo em sua epístola aos Romanos: Se Deus está conosco, quem estará contra nós?

O hábito de portar o “Detente” nasceu e se espalhou a partir de uma carta de Santa Margarida Maria Alacoque (datada de 2 de março de 1686) à Madre Saumaise, sua Superiora: “Nosso Senhor deseja que a Senhora mande fazer uns escudos com a imagem de seu Sagrado Coração, a fim de que todos aqueles que queiram oferecer-Lhe uma homenagem, os coloquem em suas casas; e uns menores, para as pessoas levarem consigo”.5

Entre milhares de fatos prodigiosos, um caso recente (aliás, noticiado na edição anterior desta revista) demonstra a especial proteção oriunda do uso do “Detente”: Iván Castro Canovaca, soldado da Legião Espanhola em serviço no Afeganistão, foi mortalmente atingido por uma arma de fogo. Em razão dos ferimentos, os médicos julgaram que deveria ter morrido em pouco tempo. Mas sobreviveu. Iván levava consigo o “Detente”...

* * *

O Sagrado Coração parece ser a maior manifestação do desejo divino de renovar a sociedade e salvar todos os homens. É o que podemos concluir do exposto neste artigo. Confirmam-no também as incisivas palavras dirigidas pelo Bem-aventurado Papa Pio IX (1846-1878) ao fundador dos Missionários do Coração de Jesus, Padre Jules Chevalier: “A Igreja e a sociedade não têm outra esperança senão no Sagrado Coração de Jesus; é Ele que curará todos nossos males. Pregai e difundi por todas as partes a devoção ao Sagrado Coração, ela será a salvação para o mundo”.6

______________
Notas:
1. A festa do Sagrado Coração de Jesus foi aprovada pelo Papa Clemente XIII em 1765 para algumas dioceses. Depois foi estendida a toda a Igreja pelo Bem-aventurado Papa Pio IX, no dia 23 de agosto de 1856, com o decreto da Congregação dos Ritos. No começo do século XX, Leão XIII consagrou todo o gênero humano ao Sacratíssimo Coração de Jesus. Em 1928, Pio XI definiu a festa do Sagrado Coração como a característica de nossos tempos.
2. Sainte Marguerite Marie, Sa vie écrite par elle-même, Edições Saint Paul, Paris, 1947, pp. 70-71. Imprimatur de M. P. Georgius Petit, Bispo de Verdun.
3. É bom relembrar que não existe salvação automática. Para alcançar a salvação eterna, há necessidade também de não se transgredir os 10 Mandamentos da Lei de Deus.
4. Seria supérfluo dizer que para receber a Sagrada Eucaristia é indispensável estar em estado de graça. Caso não esteja, há necessidade de antes da comunhão confessar-se a fim de obter do sacerdote o perdão dos pecados.
5. http://www.corazones.org (Vida y Obras, de Santa Margarida Maria, vol. II, p. 306).
6. Pe. Jules Chevalier, Le Sacré-Coeur de Jésus, Retaux-Bray, Paris, 1886, p. 382.

Consagração Cívica Nacional ao Coração de Jesus

Congresso Eucarístico Internacional (1955)

O fato não é muito conhecido e nem divulgado: em nossa Pátria realizou-se um “Ato de Consagração Cívica Nacional do Brasil ao Sagrado Coração de Jesus”. Este solene ato — um reconhecimento público da realeza divina de Jesus Cristo — se deu por ocasião do encerramento do Congresso Eucarístico Internacional, ocorrido no Rio de Janeiro em 24 de julho de 1955. Assinada por 58 senadores, 250 deputados, 55 ministros do Supremo Tribunal, do Tribunal Superior do Trabalho, do Tribunal de Recursos, do Superior Tribunal Militar e por 60 vereadores do Distrito Federal, eis os termos desta consagração:

“Coração Eucarístico de Jesus, Coração do Homem-Deus, Coração de Cristo Rei, Salvador da humanidade, Senhor dos senhores, Juiz Supremo dos indivíduos e das Nações. Nós, como legítimos representantes do povo brasileiro, aqui vimos entregar-Vos os destinos de nossa Pátria, que Vos foi consagrada pelo Episcopado Nacional, em presença do Chefe do Governo, no alto do Corcovado.

“Neste momento culminante de nossa história, atendendo ao apelo de milhares de vozes, no mais alto plebiscito de Religião e patriotismo, vimos ratificar esta consagração ao Vosso Divino Coração.

“A Vós consagramos todos os Estados e Territórios do Brasil com suas riquezas naturais, suas empresas e realizações, suas riquezas materiais, seu patrimônio espiritual e moral.

“Reinai em nossos lares, santificando todas as famílias desde a mais abastada até as mais pobres.

“Reinai em todas as atividades dos homens. Sede a luz dos homens de estudo, a defesa da Pátria pelas Forças Armadas, a sapiência dos Legisladores, a justiça dos Magistrados, a orientação do Governo.

“Agradecemos as Vossas dadivosas bênçãos à nossa Pátria, e, reconhecendo nossos erros e ingratidões, pedimos Vosso perdão e misericórdia.

“Por Maria Santíssima, a Virgem Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, suplicamos Vossas bênçãos para felicidade do nosso Povo agora e sempre. Amém”.


-->