Março de 2007
Vampiros, prostituição e corrupção da juventude
Por que Nossa Senhora Chora?

Vampiros, prostituição e corrupção da juventude


À medida que a Igreja Católica autêntica vai sendo posta de lado e perseguida, práticas demoníacas vão tomando seu lugar. E a imprensa as apresenta com toda a naturalidade.

Lorde A é o nome vampírico de um ilustrador e webdesigner de 29 anos. Lidera um movimento chamado Subcultura Vampyrica, que começa a ganhar espaço entre jovens paulistanos, misturando estilo gótico (os que se vestem de preto e freqüentam cemitérios à noite) com princípios pseudo-místicos.

Já constituíram o embrião de uma House — nome que se dá a uma espécie de templo de vampiros.

No altar, um espelho negro, desenhos de arquétipos de vampiros antigos, um baralho de tarô, espadas, velas roxas. Lorde fala algumas palavras em sânscrito, afirma usar conhecimentos de cabala pagã e trabalhar com energias, reciclando as negativas, fazendo o bem (cfr. “O Estado de S. Paulo”, 28-1-07).

Estátua para exaltar a prostituição

A prostituição sempre foi considerada uma infâmia. Mas em nossa época, todos os valores cristãos e naturais são derrubados, e em seu lugar se coloca o crime, o horror, a monstruosidade. Veja-se esta notícia:

“O distrito da luz vermelha de Amsterdã (Holanda) terá em breve uma estátua em honra às prostitutas ao redor do mundo. A estátua, do artista Els Rijerse, será revelada no final de março, informou a agência de notícias holandesa ANP. A ANP publicou que a escultura, feita de bronze, mostra uma mulher olhando confiante para o mundo” (Yahoo, 20-1-07).

Corrompendo a juventude

O governo favorecerá a corrupção moral ao implantar máquinas de preservativos em escolas públicas, a partir de 2008

Os Ministérios da Saúde e da Educação do Brasil pretendem implantar máquinas de preservativos em escolas públicas, a partir de 2008. Os alunos poderão retirar preservativos como se retira um refrigerante de uma máquina. É o favorecimento da corrupção moral instalado oficialmente, a pretexto de combater a AIDs e outras doenças (cfr. “O Estado de S. Paulo”, 1º/2/07)

Outrora se recomendava aos jovens a castidade. A virtude da pureza era a flor da juventude. Hoje essa flor murchou, e até o governo trabalha ativamente em favor desse murchamento. Como seria de desejar uma campanha nacional do clero católico contra essa corrupção da juventude! Entretanto, onde está essa campanha!? Como é possível que a Virgem das virgens não chore diante dessa abominação?

Mais ainda, o projeto criou também um concurso entre alunos dos Centros Federais de Educação Tecnológica (Cefets) para a construção de um protótipo da tal máquina, com um prêmio: R$ 50 mil para a escola vencedora. Premia-se quem construir esse gerador de pecados.

Atualmente, 17% das escolas públicas de ensino médio já recebem uma cota mensal de preservativos para serem distribuídos entre os alunos. Uma das metas do governo é que o número suba para 35% ainda neste ano, mesmo sem a imediata instalação das máquinas de preservativos. Hoje, cada estudante cadastrado recebe cerca de 30 preservativos por mês.

Diz o ex-ministro da Educação Cristovam Buarque: “Temo que isso estimule a iniciação sexual precoce dessas crianças”. Mais do que temor, isso deve causar indignação. Sebastião Batista, pai de um garoto de 13 anos, é contrário às máquinas nas escolas: “Isso já é constrangedor para um adulto, imagine para ele”, diz.

O mais sintomático da aberração a que chegamos está na posição tomada por um membro da Pastoral da Juventude, Janaina Firmino, em Ceres, interior de Goiás, que afirma: “Quanto mais o governo disponibilizar preservativos, fica mais fácil fazer a prevenção”. No entanto, segundo ela, na Pastoral “ainda não sentamos para conversar”. Será preciso que numa Pastoral da Igreja se converse sobre isso? Não existe a moral católica a condenar o uso de preservativos? Não existem os 10 Mandamentos a cumprir?