Dezembro de 2006
Lições de meio século de resistência anticomunista
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Internacional

Lições de meio século de resistência anticomunista

Hungria 1956–2006. 50 anos após o glorioso levante anticomunista, o povo húngaro ainda luta por se libertar dos resquícios de socialismo e de comunismo.

Luis Dufaur

Quem vê a foto, poderia ser levado a imaginar, sobretuto se ela fosse em preto e branco, que retrata uma cena de 1956. Não! Ela é deste ano de 2006: numa avenida de Budapeste, um vetusto tanque soviético T-34 avançou envolto em gás lacrimogêneo até ser detido pela polícia. Sobre ele, jovens manifestantes bradavam “56, 56!” e slogans anticomunistas, agitando bandeiras que ostentavam o brasão da Grande Hungria, com a coroa de Santo Estêvão.

O gesto foi duplamente simbólico. De um lado, representou a ufana lembrança que guarda o povo húngaro do glorioso levante anticomunista de 1956, afogado em sangue pelo exército russo. Mostrou também quanto esse povo tem viva consciência de que o comunismo não é um fantasma do passado, mas que em seu país, como no resto da Europa Oriental, é ativo e perigoso. Até domina o Parlamento de Budapeste!

Premiê Ferenc Gyurcsany, do Partido Socialista (ex-Partido Comunista)

“Temos de queimar o comunismo”, bradava um estudante que, como muitos outros, acampou dias a fio nas praças húngaras pedindo a queda do governo socialista. O atual descontentamento teve como estopim declarações do premiê Ferenc Gyurcsany, do Partido Socialista (ex-Partido Comunista). Ele referiu-se ao país com insultos dos mais injuriosos, e confessou cinicamente em reunião partidária retransmitida pela rádio: “Nós mentimos de manhã à noite [para o povo]. Fizemos tudo em segredo, para que não publicassem nada antes das eleições”. Ultrajada e ludibriada, a Hungria clamou pelo afastamento do governo socialo-comunista e o derrotou estrondosamente em recentes eleições municipais. Mas, contra toda a evidência dos fatos e os mais comezinhos princípios da moral, tal governo se recusa a desistir de seu péssimo intento de consolidar o socialismo.

Para o descontentamento anticomunista deste ano ainda pesa o fato de que, na Rússia, o velho esquema do império soviético está se reconstituindo velozmente, em novos moldes. Vai ficando menos improvável a perspectiva de a Rússia de Putin e seus colegas da ex-KGB tentar submeter mais uma vez a Europa Oriental.

Heroísmo do Cardeal Mindszenty marca a Hungria

O Cardeal Mindszenty sai da prisão comunista, em outubro de 1956

O 50º aniversário da insurreição anticomunista húngara traz à memória a figura do heróico arcebispo de Ezstergom e primaz da Hungria, o Cardeal Joseph Mindszenty. Em 1956 ele foi retirado do cárcere e o país inteiro vibrou, recebendo a bênção desse herói da fé e da pátria.

Quando os blindados comunistas retomaram Budapeste, o Cardeal refugiou-se na embaixada norte-americana. Ali começou uma outra fase de seu calvário moral.

Não podendo deitar a mão sobre ele, o comunismo desejava expulsá-lo do país e colocar à frente do episcopado húngaro um prelado disposto a coexistir com o regime ateu, e assim perpetuar a opressão sobre a Igreja e a nação. Para isso, os comunistas apostaram na única força que poderia remover o valoroso purpurado: a diplomacia vaticana, engajada em diálogo com o Kremlin, conduzida pelo então Mons. Agostino Casaroli, elevado posteriormente ao cardinalato. Era o reinado de Paulo VI.

Monsenhor Casaroli

Em suas memórias, o Cardeal Casaroli nos apresenta o primaz húngaro “com a tranqüila segurança de quem se sente investido de uma dignidade solidamente radicada na História e no direito, embora menosprezada. Com o rosto branco iluminado pelo fogo de dois olhos de aço, o cardeal veio em nossa direção! Desde o trágico processo de 1949 ele pareceu a mim, como a tantos milhões de católicos e não católicos, quase a personificação de uma indômita grandeza de alma, irredutível face ao direito renegado e à dignidade humana pisoteada”.(1)

Nesse encontro, como nos que se seguiriam, o cardeal-herói recusou a pressão de Mons. Casaroli para abandonar a Hungria e fustigou o prelado vaticano por compactuar com o comunismo. Na despedida, o príncipe primaz convidou o visitante a repartir sua magra refeição. Mons. Casaroli deu uma desculpa, e o gigante da resistência anticomunista aludiu — conta o próprio Mons. Casaroli — a “uma preferência minha pela mais suculenta mesa comunista... Esta queixa ou insinuação de uma certa preferência para os patrões co­munis­tas da Hungria haveria de aparecer outras vezes nas minhas sucessivas conversações”.(2)

“Disposto a se deixar despedaçar antes que se dobrar — acrescentou Mons. Casaroli — ele dava a impressão de uma lâmina de aço inflexível, pronta ao choque sem exclusão de golpes, com uma realidade igualmente determinada a não se deixar dobrar. [...] Parecia clara a sua convicção de que seria inútil tratar com os comunistas para obter qualquer melhoramento, que não fosse apenas aparente, das condições da Igreja na Hungria. [...] A conclusão lógica não podia ser senão um irremovível ‘Delenda Cartha­go!’: não havia outra estrada para ajudar –– seja o povo, seja a Igreja –– senão a eliminação do regime comunista. O cardeal não calava esta sua inquebrantável convicção e não deixava de exprimir um juízo muito severo sobre o Ocidente. Sobre os Estados Unidos, mais concretamente: estes haviam tido no fim da grande guerra a supremacia militar, graças também à posse da arma nuclear; mas haviam consentido que a URSS impusesse seu império político-militar e ideológico sobre muitas partes da Europa”.(3)

Lições do cinqüentenário, mas não só para a Hungria...

Tanques russos ameaçam húngaros
Cena do levante anticomunista húngaro de 1956

Hoje, quando no Leste europeu se adensam pesados presságios de um retorno do comunismo sob novas formas, a grandeza moral da gesta do grande Cardeal adquire uma dimensão profética. Ela projeta um admirável modelo de conduta a imitar na eventual adversidade.

É perplexitante, mas o comunismo não foi julgado numa Nüremberg — o que continua indispensável. Os crimes do comunismo permanecem impunes. Antigos sequazes seus estão livres e agindo, muitos até com assento em parlamentos. Dos ambientes católicos, impregnados do espírito de coexistência e colaboração com o comunismo, não vieram palavras confessando terem sido ludibriados pelos marxistas. Não abandonaram o mal, para cuja vitória colaboravam, e não voltaram as costas para os inimigos da Santa Igreja que cruelmente os enganaram.

Outra cena do levante anticomunista

Entretanto, na medida em que o descontentamento anticomunista toma corpo nas ruas — e não só da Hungria —, parece avizinhar-se o dia em que os povos clamarão por uma Nüremberg em relação ao comunismo e cobrarão essas espantosas e inexplicáveis omissões e colaborações de certos ambientes católicos.






______________

Notas:

1. Agostino Casaroli, Il martirio della pazienza, Einaudi, Torino, col. Gli struzzi nº 520, 2000, Comandos completospp. 48-52.

2. Id., ibid.

3. Id., pp. 52-55.

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão