Setembro de 2005
O nobre francês
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Ambientes, Costumes e Civilizações

O nobre francês

Coragem, gentileza, distinção e beleza de gestos

·         Plinio Corrêa de Oliveira

     O nobre francês rivaliza em coragem com os mais corajosos dentre os fidalgos europeus. Sem embargo conserva uma gentileza, uma distinção, uma beleza de gestos que indicam o requinte de sua educação e da civilização que o formou.

          Forte e ao mesmo tempo requintadamente civilizado, ele é o mais gentil, o mais amável na guerra como na paz; o mais brilhante na indumentária, tanto na guerra como no salão de festas; o mais cortês, o mais atencioso, até mesmo com prisioneiros de alta categoria que porventura tenha feito durante o combate.

Um exemplo histórico.

      
Francisco I - Jean Clouet, (séc. XVI)
    Francisco I, Rei da França (1494–1547), depois de perder na Itália em 1525 a batalha de Pavia, foi preso pelas tropas espanholas. Antes de ser entregue ao exército do Imperador Carlos V (1500–1558), escreveu uma carta à sua mãe, na qual dizia: “Madame, tout est perdu hormis honneur. François”.

          De modo respeitoso e elegante ele se dirige à própria mãe com o tratamento de Senhora. Depois acrescenta “tudo está perdido exceto a honra”. Ou seja, quando a honra não está perdida, não se perdeu nada.

          Carlos V, em vez de receber Francisco I com honras reais, mandou colocá-lo numa horrível prisão com a intenção de forçá-lo a assinar um tratado marcadamente favorável ao Império.

         
Carlos V, Tiziano, (séc. XVI)
Libertado, Francisco I saiu da prisão com a altaneria de um sol que nasce, demonstrando uma dignidade de pasmar.

          Tempos depois, recebe ele uma carta de Carlos V explicando que precisava atravessar o território francês e solicitando-lhe a garantia de que não seria preso nem sofreria qualquer lesão de seus direitos.

          Qual a atitude de Francisco I?

         Ele poderia ter concedido um salvo-conduto a Carlos V com a intenção traiçoeira de aprisioná-lo e de encerrá-lo numa masmorra. Ou abertamente ameaçado: Não vos deixo passar; se entrardes em meu território, prender-vos-ei e vos colocarei numa enxovia semelhante àquela em que Vossa Majestade me lançou.

        
Francisco I aprisionado por Carlos V na Torre de los Lujanes, Madri
O monarca francês, pelo contrário, deu ao Imperador todas as garantias desejadas. Recebeu-o com festas esplêndidas, acompanhou-o num trecho de sua viagem, e por fim despediu-se dele com elegância e cortesia.

         É um modo de ser verdadeiramente senhor e nobre.

__________________________________

Excertos da conferência proferida pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, em 1º de maio de 1993. Sem revisão do autor.

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão