Junho de 2004
O cupolone da Basílica de São Pedro
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Ambientes, Costumes e Civilizações

O cupolone da Basílica de São Pedro

Glorificação festiva da Santa Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo

Plinio Corrêa de Oliveira

O cupolone é a cúpula principal da Basílica de São Pedro em Roma. Em cima figura uma espécie de mirante, e no alto uma esfera dourada sobre a qual há uma cruz.

Para usar uma expressão que é por demais doméstica, mas serve para expressar o que se quer, o cupolone é separado em gomos; em outros termos, estrias grandes de pedra, todas elas de uma simetria perfeita, meio azuladas, de um azulado que tende ao prateado, um tanto propenso a refletir o céu. O cupolone é tão grande, que debaixo dele poder-se-ia edificar um prédio, se não me engano, um pouco mais alto do que o edifício Martinelli de São Paulo.

Quando queremos compreender a razão de ser de uma pessoa, não devemos analisá-la apenas pela impressão que causa devido à sua atuação. Mas devemos imaginar como ficariam as coisas caso ela morresse, estivesse ausente ou não existisse. O mesmo princípio aplica-se para a razão de ser de outros seres. Assim, consideremos as cúpulas pequenas que ladeiam o cupolone.  Que função estética exercem essas duas cúpulas menores? Alguém dirá: constituem um enfeite. Entretanto, essa resposta não responde a pergunta. A indagação é: por que isto enfeita? Imaginemos que não existissem as duas cúpulas pequenas. Não teríamos a impressão de que o cupolone esmagaria a Basílica? Na ótica humana, as duas cúpulas menores como que suportam “psicologicamente” o peso do cupolone e ajudam a tornar leve uma coisa que, sem elas, tornar-se-ia pesada demais.  Essa é a razão de ser das cupulazinhas.

*     *     *

O Cupolone da Basílica de São Pedro é o pedestal da Santa Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. É a glorificação festiva da Santa Cruz do Divino Redentor. 

____________________________________________________

Excertos da conferência proferida pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira em 11 de novembro de 1988. Sem revisão do autor.

 

 

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão