Outubro de 2004
Construção de castelo medieval: multidões afluem
A Realidade Concisamente

Construção de castelo medieval: multidões afluem

Em Guédelon, na França, está sendo erigido um pequeno castelo seguindo estritas normas de construção medievais. O objetivo é testar as teorias atuais sobre as técnicas arquitetônicas da Idade Média: as matérias-primas são extraídas das redondezas; não se usa cimento; não há caminhões, guindastes ou motores; cavalos e asnos da região fazem o transporte e a tração; os utensílios foram fabricados no local.

Os operários vestem roupas de época e aprenderam a talhar manualmente a pedra. Eles se consideram felizes trabalhando assim. Mas não só eles estão contentes. Desde que o canteiro foi aberto ao público em 1998, 700.000 pessoas, incluindo 80.000 crianças, já o visitaram. Só em 2003, foram 183.000 os visitantes. Com a renda das entradas, a despesa está coberta. O atrativo suscitado no público pela ordem medieval fez os organizadores incluírem outros elementos historicamente típicos.

Seria o caso de indagar: que construção moderna atrairia tanto público?

Americanos rejeitam o chamado “casamento” homossexual

Com escandaloso estardalhaço, a mídia mundial informou a realização de milhares de “casamentos” homossexuais, oficiados pela prefeitura de São Francisco, na Califórnia. Mas, de fato, tudo não passou de uma violação legal. A Suprema Corte californiana estabeleceu que o prefeito afrontou as leis estaduais, e que ele não tinha poderes para registrar tais “uniões”. Em conseqüência elas são nulas, não produzindo efeito legal.

Ainda nos EUA, 71% da população de Missouri aprovou em plebiscito que se incluísse na constituição estadual o princípio de que matrimônio é só entre homem e mulher. Outros plebiscitos derrotaram o “casamento” homossexual nos estados de Nebraska (67%), Havaí (69%), Alaska (70%) e Nevada (71%).

Porém, a ofensiva homossexual não arrefece, sendo vigorosamente apoiada pela mídia. E notícias contrárias, como as citadas acima, são sistematicamente sonegadas ao público em todo o mundo. 

Na Austrália: volta à sadia ordem familiar

Na Austrália, até líderes feministas radicais “estão começando a lamentar as obscuras conseqüências da liberdade sexual”, declarou o ministro da Saúde Tony Abbot. De fato, generaliza-se no público a idéia de que a prática do aborto foi danosa ao país. A matança dos inocentes atinge no país a cifra de 100 mil vítimas por ano.

Segundo o jornal “The Australian”, o ministro disse que “o legado de uma sociedade permissiva — famílias quebradas, doenças mentais — sugere que os antigos ‘tabus sociais’ tinham certa razão”. A Austrália acaba de aprovar lei que só aceita o matrimônio entre homem e mulher. Essa legislação exclui qualquer outro tipo de “união” e desconhece os “casamentos” antinaturais realizados no exterior.

Gruta onde possivelmente São João Batista viveu

O arqueólogo britânico Shimon Gibson descobriu uma gruta a oeste de Jerusalém. De acordo com a tradição, São João Batista teria morado, pregado e batizado naquele local. Na gruta há um entalhe típico da iconografia bizantina representando o Precursor do Messias. Até o século V, o lugar foi objeto de culto católico, segundo se deduziria das inscrições. Foram extraídos cerca de 250.000 fragmentos de valor arqueológico.

Caso seja confirmada, é sintomático que a preciosa descoberta tenha ocorrido nos dias de hoje. Pois há analogias entre a pregação de São João Batista e a mensagem de Nossa Senhora em Fátima, nos tempos atuais. O Precursor profetizou o fim de uma época e o início de nova, com a vinda iminente do Messias. Nossa Senhora anunciou em Fátima o fim calamitoso de nossa era de pecado e rejeição de Deus, e o início do reinado de seu Imaculado Coração.

Vestes tradicionais e moralizadas: anseio dos nigerianos

No Brasil observam-se modas imorais e vulgares, apresentadas como manifestação da cultura afro ou inspiradas na África. Porém, no mais populoso país africano, a Nigéria, as novas modas são recusadas e ganham terreno as vestimentas tradicionais, coloridas, originais e moralizadas.

Atendendo aos protestos dos fiéis, o Arcebispo de Lagos, capital do país, Cardeal Antônio Okogie, instruiu os sacerdotes para interditar nas igrejas “modas que promovem a luxúria e a imoralidade”. Segundo o “New York Times”, a maioria das mulheres nigerianas quer usar na casa de Deus roupas tradicionais do país, que consistem em coloridas blusas e vestidos longos, bem como elaborados véus de brocado ou tafetá. Os homens portam a tradicional vestimenta masculina nigeriana, espécie de ampla túnica bordada, constituída de leves brocados ou ternos ocidentais.

Alemanha: apologia do canibalismo em canção rock

Na Alemanha, macabra canção rock — inspirada na espantosa história do canibal de Rotemburgo, que esquartejou e deglutiu um cúmplice com requintes de sadismo — ocupa o segundo lugar na lista das mais vendidas.

A música foi criada pelo conjunto Rammstein, da parte ex-comunista da Alemanha. Segundo a revista “Der Spiegel”, o “sucesso” é uma amostra típica “do estado em que se encontra a indústria do entretenimento”. Parafraseando conhecido ditado popular, poder-se-ia dizer: “Dize-me o que cantas e dir-te-ei quem és”.

BREVES RELIGIOSAS

 
Igreja atingida por carro-bomba
Igrejas católicas atacadas por rebeldes iraquianos

Cinco igrejas católicas e o seminário de São Pedro foram bombardeados em Bagdá e Mossul (norte do Iraque). Os atentados ocorreram na saída das Missas, num domingo pela manhã. Morreram 13 pessoas, inclusive duas crianças, e mais de 50 ficaram feridas. Esses crimes praticados contra famílias indefesas patenteiam a verdadeira finalidade do terrorismo islâmico, todo ele atualmente eivado da doutrina marxista: extinguir a verdadeira Igreja de Deus. Os católicos no Iraque são 600.000, constituindo 2,4% da população. Muitos falam ainda o aramaico, língua empregada por Nosso Senhor Jesus Cristo. Mais de 40.000 católicos exilaram-se por causa do terror.

Quem, no Ocidente, se condói com os sofrimentos desses nossos irmãos na fé? Os tão apregoados “direitos humanos” não se aplicam a eles, só porque são católicos?