Agosto de 2005
Precursor da fecundação in vitro se arrepende
A Realidade Concisamente

Lobos vorazes protegidos pelo ecologismo

O
ministro francês do Ambiente permitiu que se abatessem alguns lobos, para tranqüilizar os pastores da Sabóia. Desde que a Convenção de Berna, bafejada pelo ecologismo, declarou os lobos “espécie protegida”, eles se multiplicaram a ponto de dizimarem os rebanhos. Sempre mais numerosos, os lobos devoram as ovelhas às dezenas, segundo o diário parisiense “Le Figaro”. Como na fábula de La Fontaine, a convivência pacífica entre lobos e ovelhas acabou muito mal. Mas o fanatismo ecologista rejeita o bom senso, e como conseqüência as vítimas são as ovelhas... Têm pena dos lobos, mas não das ovelhas. Símbolo da atuação dos defensores dos chamados “direitos humanos”.

* * *

Precursor da fecundação in vitro se arrepende

Laboratório de fecundação in vitro
O
Prof. Orazio Piccinni, um dos precursores da fecundação in vitro, agora prega o fim dessa prática, segundo a agência “Corrispondenza Romana”. Afirmou que ela exige “o sacrifício premeditado de muitas vidas humanas. De fato, cerca de 90% dos embriões produzidos em laboratório são imolados, para se obter uma criança a qualquer preço”. A mídia e certo establishment, que antes incensavam o médico, passaram agora, após a sua sensata mudança, a marginalizá-lo e até hostilizá-lo.

Pequim reprime crescentes protestos

China: operários juram fidelidade à empresa
M
ais de um milhão de chineses renunciaram quase simultaneamente ao Partido Comunista e à Liga dos Jovens Pioneiros. Este êxodo em massa é apenas um sinal das convulsões internas na China comunista, segundo Accuracy in Media, associação especializada nas deturpações da imprensa ocidental. A reação da ditadura de Pequim foi radicalizar a repressão, numa proporção que assustou até o esquerdizante diário "New York Times".

Evolucionistas americanos fogem de discussão científica

Nos EUA, 48% da população julgam que um Ser inteligente é o autor da Criação, enquanto só 28% acreditam no evolucionismo. John Wachholoz, professor de ciências em Salina, Kansas, deplorou que quando disserta sobre a evolução os alunos “enfiam a cabeça no banco e fingem não entender nenhuma palavra do que lhes é dito”. No estado de Kansas, as autoridades patrocinaram um debate entre cientistas sobre a inclusão do evolucionismo no currículo escolar. Entretanto os darwinistas não tiveram coragem de se apresentar ao debate. Do outro lado, os criacionistas convocaram uma vintena de cientistas para sustentar sua tese na discussão. Convém lembrar que o criacionismo está atestado no livro do Gênesis, na Sagrada Escritura.

11.669 prefeitos franceses repudiam “casamento” homossexual

Na França, 11.669 prefeitos franceses assinaram apelo contra o “casamento” homossexual. Eles “desaprovam todo projeto de casamento entre pessoas do mesmo sexo” e “contestam o envolvimento do prefeito numa celebração desse tipo”. Num apelo ao primeiro-ministro da França, os prefeitos reafirmaram que “o casamento, para nós, consiste verdadeiramente no engajamento de um homem e de uma mulher, visando fundar um lar”, e que “isto é parte fundamental no edifício social de nosso país”.

850.000 espanhóis contra o diálogo entre socialistas e ETA

M
ais de 850.000 espanhóis protestaram nas ruas de Madri contra o diálogo —a bem dizer, concessão— que o governo socialista de Zapatero vem mantendo com a organização terrorista basca ETA. O ato foi convocado pela Associação das Vítimas do Terrorismo. O povo bradava “Zapatero embusteiro”, “Não se dialoga”, “Negociação no meu nome, NÃO”. As autoridades socialistas ausentaram-se da manifestação escandalosamente, segundo os jornais madrilenos. Simultaneamente, o partido ilegal Aribatasuna — fachada dos terroristas da ETA — promoveu marcha em Bilbao de apoio ao diálogo desejado pelo governo socialista.

* * *

Mais uma fuga do “paraíso” castrista

A partida de voleibol da Liga Mundial entre a Itália e Cuba ia começar, mas Xavier Augusto González Pantón, o capitão do time cubano, não apareceu. Ele havia fugido disfarçado do hotel, e pediu asilo político às autoridades italianas. “Na minha terra os direitos humanos são palavras vazias, faltam liberdades elementares”, declarou ele, segundo “Il Corriere della Sera”, de Milão. É apenas mais um caso da hemorragia de fugitivos da ilha-prisão, que entretanto atrai alguns petistas brasileiros como se fosse um novo paraíso.

ONU: fracasso no combate à AIDS baseado em métodos antinaturais

Kofi Annan: conferência contra a AIDS
O
secretário-geral da ONU, Kofi Annan, reconheceu que o combate à Aids articulado por essa organização —baseado, aliás, essencialmente em métodos antinaturais e imorais, como o uso de preservativos— constitui um fracasso. A meta de reduzir em 25% os novos casos de infecção nos jovens não será cumprida em 2005, embora se pretenda aplicar 8bilhões de dólares para esse fim. Segundo Annan, o aumento da Aids em 2004 foi o mais alto já registrado: 3,1 milhões de mortes e 4,9 milhões de novos contágios. Apesar das evidências em contrário, autoridades em todo o mundo negam-se a reconhecer o óbvio: a única solução segura para combater a terrível pandemia é a prática da Lei de Deus.

* * *

Breves Religiosas

Itália: vitória católica contra a fecundação in vitro

A imensa maioria do eleitorado católico na Itália anulou, por ocasião de um plebiscito, a tentativa de ampliar a lei de fecundações artificiais contrárias à moral católica. A extrema esquerda pleiteou a consulta popular com o intuito de liberalizar amplamente essa lei, que é a mais restritiva da Europa (embora também contrarie a moral católica). Apenas 26% dos eleitores apresentaram-se para votar, tendo o plebiscito fracassado por falta de quorum.

Suíça: voto protestante aprova “casamento” homossexual

Catedral católica de Lugano
O
voto protestante foi decisivo para que a Suíça aprovasse em referendo o “casamento” homossexual, ou Pacto Civil de Solidariedade (PAC), que equivale a um casamento civil, segundo a agência “Zenit”. A Federação das igrejas reformadas empenhou-se na aprovação desse contrato antinatural. Os católicos votaram pelo “não”. Dos sete cantões que recusaram a proposta, seis foram os que têm maioria católica, como o de Lugano, de língua italiana.