Fevereiro de 2017
A realidade concisamente
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
A Realidade Concisamente

Oceanos subterrâneos desmentem pânico

Pesquisadores de Illinois (EUA) descobriram oceanos sob a superfície da Terra, um deles a mais de mil quilômetros de profundidade. “Se tal oceano não se encontrasse nessa profundidade, ficaríamos submersos. Isso implica uma reserva de água no planeta muito maior do que se pensava antes”, explicou Steve Jacobsen, da Northwestern University. A presença desses oceanos foi revelada por um diamante brasileiro, ejetado no passado na região do Mato Grosso por um vulcão. O pânico de a água doce acabar foi forjado pelo ecologismo radical para impor pelo terror teses comuno-anarquistas contra a civilização.

 

Putin: “A Rússia não tem fronteira alguma”

Miroslav, de nove anos, decorou os limites de todos os países do mundo e foi levado ante o presidente da Rússia, Vladimir Putin. Este lhe perguntou num auditório até onde iam as fronteiras da Rússia. A criança respondeu: “O Estreito de Bering, nas bordas com os EUA”. Em público, Putin “corrigiu” a criança dizendo: “As fronteiras da Rússia não terminam em parte alguma”. A 1.092 quilômetros de distância, em Kaliningrado, os soldados de Putin montavam os sistemas de mísseis S-400 e Iskander, capazes de levar bombas atômicas. A Rússia “se prepara para uma guerra totalmente diferente da que imagina o Ocidente”, comentou o analista Gustav Gressel, do European Council of Foreign Relations.

 

 

Imagem de Cristo fica ilesa em incêndio no Chile

Em janeiro, um incêndio devastou a paróquia Cristo Rei, em Rancágua (Chile), consumindo paramentos, livros litúrgicos e equipamentos. A cúpula e o teto desabaram. Mas um fato deixou pasmos os bombeiros e os simples fiéis: a imagem de Cristo Rei e a frase “Salve Cristo, Rei do Universo” ficaram intactas na parede do presbitério. Nosso Senhor patenteou em Rancágua que Ele é o Rei todo-poderoso contra quem nada podem as chamas mais terríveis. Ensinamento valiosíssimo em nossa quadra histórica, em que as mais diversas modalidades de “incêndios” tentam destruir famílias, sociedades e a própria estrutura monárquica da Igreja.

 

 

 

Chineses desejam abandonar tratamento igualitário

O tratamento igualitário de “camarada” vai desaparecendo na China. Assim, a Secretaria de Transporte Municipal de Pequim recomendou a motoristas e cobradores não usar o termo “camarada”. Nos ônibus, devem-se usar “senhoras” e “senhores”, e “amiguinhos” para as crianças; “alunos” se estão indo à escola e “estudantes” para os maiorzinhos. Para estrangeiros vale “jovem senhorita”, “bela senhora”, “distinto senhor”, e até “mestre”; ouve-se ainda a expressão francesa “madame”. Para os idosos, “mestre ancião”. A exceção é para os saudosistas da luta de classes comunista, saudados como “velhos camaradas”. O termo virou na última década sinônimo de homossexual e os mais jovens sentem-se ofendidos quando tratados desse modo. É como se a revolução homossexual fosse a mais autêntica continuadora da revolução comunista, com a qual os chineses nada querem saber e por isso procuram abandonar a prática igualitária.

 

Aquecimento e esfriamento global não dependem do homem

Dois cientistas que são líderes no estudo do clima, os Drs. David Russell Legates, da Universidade de Delaware, e Willie Soon, do Harvard-Smithsonian, explicaram em vídeo que o aquecimento global — se de fato existe — deve-se a ciclos naturais alheios ao homem, dependentes do astro- rei, o Sol. Por isso, segundo eles, o aquecimento e o esfriamento da Terra “não podem ser contidos”. O homem não pode mudá-los e o mais inteligente é adaptar-se. Legates e Soon exemplificam com a medieval Groenlândia (literalmente “terra verde”), hoje coberta pelo gelo. Ativistas, políticos de esquerda e o alarmismo midiático espalham pânicos para promover uma agenda “anticonsumista” miserabilista nos moldes da aplicada pelo “socialismo do século XXI” que empurra a Venezuela para a miséria geral.

 

Alemanha: criminosos imigrantes zombam da Justiça

Rainer Wendt, chefe do sindicato da polícia alemã, queixou-se de que a Justiça de seu país libera os bandidos provenientes da África logo depois de praticarem crimes. Esses criminosos agem de acordo com as normas religiosas ensinadas no Corão, livro máximo dos muçulmanos, que ordena os islâmicos não respeitar leis de qualquer outro povo ou religião, explicou o especialista Robert Spencer. “Eles desprezam o nosso país e riem de nossa justiça”, sublinhou Wendt. Segundo ele, a polícia “faz tudo o que pode”, mas “se não pode haver uma prisão preventiva, se ninguém é enviado à prisão ou deportado, a polícia prende, os bandidos são soltos logo” e voltam à ilegalidade, de nada adianta. Ele citou o “Relatório de Casablanca”, que identificou 2.244 criminosos migrantes norte-africanos que agem em Düsseldorf. Nas outras grandes cidades alemãs os números são semelhantes.

 

 

Álcool mata milhares numa Rússia sem religião

O vício do alcoolismo dizima a população russa há séculos. A Igreja Ortodoxa Russa deveria ensinar a moral, mas nada faz e muitos de seus hierarcas são conhecidos pelo homérico abuso do álcool. Tampouco fez nada o comunismo soviético, que usou a vodca para avassalar o povo. Putin, tido como moralista e cristão, também dá livre curso a esse vício. No Natal, 71 alcoólatras de Irkutsk, na Sibéria, morreram bebendo um óleo para banho contendo metanol, na falta de vodca. A vitória contra o vício só pode ser obtida com o auxílio da graça divina, da qual a Igreja Católica é a única dispensadora. Mas a igreja cismática, conhecida como “ortodoxa”, associada aos ex-agentes da KGB que tiranizam o país, a hostiliza. Com líderes ditos cristãos como esses, a infeliz população russa continuará diminuindo com mortes precoces, abortos e outros vícios abomináveis.

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão