Novembro de 2004
Novas gerações: cansadas de propaganda sexual
A Realidade Concisamente

 

Demagogia e utopismo em escala universal

Os presidentes Chirac e Lula
N
a reunião de líderes mundiais pela Ação contra a fome e a pobreza, em Nova York, o presidente Lula fez um apelo contra esses males, enquanto no Brasil o Fome Zero não decola e o Bolsa-Família esbanja verbas. A mídia americana não lhe concedeu espaço. Mais repercussão conseguiu o presidente da França, Jacques Chirac. Ele quis ser o herói da sessão, apregoando um imposto internacional contra a pobreza. De fato, a origem da idéia nem é dele, mas de ATTAC — grupo esquerdista ultra-radical de tendência anarquista.

Em Paris, a taxa Chirac, como ficou conhecida, foi considerada extravagante e demagógica. Extravagante porque um presidente que se diz de direita adotou uma bandeira da ultra-esquerda. Demagógica porque, nas condições atuais, é irrealizável. Mas já se delineia no horizonte um Leviatã de mais impostos, mais controles, mais organismos intervindo na vida dos cidadãos, tudo isso em nível mundial. Como quem pagará a conta são os cidadãos, isso resultará, no fundo, em mais empobrecimento. Tudo gerido por uma imensa e vaga estrutura burocrática, fácil presa da corrupção, que não resolverá efetivamente os problemas apontados, reais ou imaginários.

Bom senso joga “obra de arte” moderna no lixo

Gustav Metzger: autor da pseudo-"obra de arte"
Tate Gallery
N
uma exposição de arte moderna na Tate Gallery, de Londres, uma das peças principais tinha o extravagante nome de Recreação da Primeira Demonstração Pública da Arte Autodestrutiva. Consistia num saco de lixo transparente cheio de jornais, papelão e outros pedaços de papel, junto a um lençol de nylon borrifado com ácido, além de uma escultura de metal sobre uma mesa. Essa “obra de arte” sumiu. Depois de muita procura, afinal descobriu-se a responsável: uma pobre faxineira de bom senso e sem más intenções achou que fosse lixo, e a jogou fora. O autor — o alemão Gustav Metzger — não teve muito trabalho em fazer outra, que agora é coberta às noites para protegê-la do bom senso e... da boa limpeza!

*     *     *

Sim, trabalho escravo existe, mas na China vermelha

Laogai: fábricas-prisão chinesas
M
aus tratos, ofensas verbais, horas extras excessivas, deduções ilegais, ausência de extintores de incêndio, banheiros imundos, iluminação inadequada, funcionários que não recebem pensão, nem licença de saúde, nem seguro-desemprego ou assistência médica proporcionada, chegando a casos de dois meses de trabalho sem nenhuma folga. Estas são algumas das conclusões de um inquérito-surpresa na China comunista, realizado pela Fair Labor Association em 39 fábricas das empresas Nike, Reebok e Adidas. O inquérito não incluiu os campos de concentração — fábricas do governo de Pequim onde o trabalho, este sim, é verdadeiramente escravo!

Tais características bem poderiam ser consideradas análogas às do trabalho escravo. Entretanto, como tudo isso acontece na China comunista, ninguém protesta: nem causa preocupação à “esquerda católica” tão preocupada com o “trabalho escravo” no agronegócio brasileiro. E o Brasil continua importando em quantidades colossais o fruto do trabalho desses pobres chineses!

*     *     *

Ontem o marxismo; hoje o islamismo

O cantor de rock Cat Stevens
E
m 21 de setembro, o vôo 919 da United Airlines de Londres a Washington foi desviado para Bangor, EUA, por causa do passageiro Yusuf Islam, que acabou sendo deportado para a Grã Bretanha. Yusuf Islam é o nome do milionário cantor de rock Cat Stevens, “convertido” para o maometanismo e suspeito de financiar o movimento terrorista palestino Hamas e também o xeque Abdel-Rahman, condenado pelo primeiro atentado contra o World Trade Center em 1993. A ditadura dos aiatolás aprovou a venda dos seus CDs no Irã. Após o 11 de setembro, Cat Stevens assumiu ambíguas posições ecumênicas e pacifistas.

Outrora os líderes da Revolução Cultural adotavam o marxismo. Hoje, preferem o islamismo para alcançar o mesmo fim, que é destruir o que ainda resta de Civilização Cristã.

*     *     *

Novas gerações: cansadas de propaganda sexual

A empresa britânica HeadLightVision advertiu os seus clientes que os jovens das cidades estão “entediados” com publicidade de apelo sexual. Revelada pelo influente “Financial Times”, de Londres, a pesquisa concluiu que os jovens estão “em busca da sua inocência”, através de “valores familiares e de noivado”. Os clássicos jogos de tabuleiro e as estampas dos contos tradicionais estão em alta.

Eis mais um sintoma do fastio que a Revolução Cultural vem causando na juventude atual, da qual uma importante parcela propende cada vez mais para o conservadorismo.

*     *     *

Suicídio: flagelo de países afetados pelo comunismo

A cada 40 segundos há um suicídio no mundo: cerca de 800.000 por ano. E os números não param de crescer. Em termos percentuais, o tétrico recorde é dos países que ainda sofrem os efeitos de décadas do jugo comunista. Na Rússia, por exemplo, no ano 2000 suicidaram-se 38 pessoas a cada 100.000. Em números absolutos, a China comunista está na frente: 195.000 pessoas por ano, com sinistro destaque dos suicídios femininos. Os dados foram divulgados por José Bertolote, especialista em saúde mental da Organização Mundial da Saúde.

Breves Religiosas

Terço: arma espiritual usada por soldados

Alunas da Saint Mary
O
s alunos da escola paroquial de Saint Mary (Annapolis, EUA) confeccionaram novo modelo de terço de Nossa Senhora, fiel à boa tradição. É o Ranger Rosary, criado para os Ranger, tropa de elite do exército americano.

Ele é ideal para “as condições de combate de nossos soldados”, disse o Pe. Pat Travers, capelão da base aérea de Kirkuk (Iraque). O terço é feito com fio de pára-quedas. As contas e o crucifixo são de material ultra-duro e leve. As cores se adaptam melhor à camuflagem dos uniformes do que modelos mais frágeis, de cor pastel, rosa ou azul. “Quase todos os capelães militares os usam”, explicou o sargento Frank Ristaino. Para ele, o terço é um dos instrumentos dos guerreiros modernos, junto com metralhadoras, granadas e botas de combate.

O terço Ranger Rosary para as tropas norte-americanas no Iraque
Membros da Legião de Maria orientam os alunos da Saint Mary e as escolas e associações paroquiais, que já enviaram 15.000 terços para as tropas em missão. O Pe. Bill Devine viu os terços Ranger pendurados em veículos, tanques e quartéis no Iraque, e soldados usam-nos até no pescoço: “Eles lembram constantemente o poder da intercessão e proteção de Nossa Senhora sobre aqueles jovens”.