Maio de 2006
A Praça de São Pedro
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Ambientes, Costumes e Civilizações

A Praça de São Pedro

Símbolo das chaves dos Reinos do Céu e da Terra


Plinio Corrêa de Oliveira

Nesta ilustração vemos a fachada da Basílica de São Pedro — a loggia, frontispício triangular com as colunas que o sustentam. Na frente da Basílica, encontra-se a famosa praça de São Pedro. A glória do Santo é afirmada nisso, mas também a do Papado, porque os Papas são sucessores de Pedro.

Bem no meio da praça, chama a atenção um obelisco, agulha de pedra muito alta, coberta de inscrições egípcias. Os faraós mandavam erigir obeliscos narrando os fatos do reinado deles, ou coisas do gênero. O Egito foi a mais gloriosa das nações antigas, e a Grécia formou grande parte de sua cultura aproveitando elementos da cultura egípcia. Os romanos, por sua vez, inspiraram-se em larga medida na cultura da Grécia. Assim, um obelisco no centro daquela praça tem muito significado. No alto do obelisco foi colocada uma cruz, simbolizando assim o triunfo da Santa Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo sobre o mundo inteiro.





Visão aérea da praça e da Basílica de São Pedro
A idéia que preside o conjunto da praça e da Basílica de São Pedro é a representação de uma chave. É muito significativa, e merece registro, essa idéia de apresentar a praça e a Basílica em forma de chave, lembrando as chaves do Apóstolo São Pedro –– a chave dos Céus e a da Terra –– o poder exercido no Reino do Céu e, indiretamente, no Reino da Terra!

Habitualmente, no dia de Corpus Christi, o Papa realiza na praça a procissão com o Santíssimo Sacramento. Partindo do altar do Ssmo. Sacramento, ele sai do lado da Basílica, dá a volta e retorna do outro lado. Uma multidão dentro da praça e grande número de fiéis nos edifícios próximos acompanham o itinerário da procissão, ao som dos extraordinários sinos da Basílica.













_______________________________________________________________________

Excertos da conferência proferida pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, em 11 de novembro de 1988. Sem revisão do autor.

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão