Julho de 2016
Em Roma, importante manifestação contra o aborto
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Ação Contra-Revolucionária - 4

Em Roma, importante manifestação contra o aborto

      Samuele Maniscalco

 

Roma – Proclamando em alta voz NÃO ao aborto,realizou-se na manhã de domingo, 8 de maio, em Roma, a sexta edição da Marcha Nacional pela Vida e defesa dos princípios não negociáveis. Abriram o cortejo S. Emcia. Cardeal Raymond Leo Burke, Patrono da Soberana Ordem Militar de Malta, S. Exa. Mons.Luigi Negri, Arcebispo de Ferrara (primeiro bispo italiano a participar deste evento), e S. Exa. Mons. Athanasius Schneider,Bispo-auxiliar de Astana, Cazaquistão.

No coração da Cristandade, milhares de pessoas com centenas de faixas e bandeiras das respectivas associações ocuparam as ruas para fazerem ouvir sua voz. Estavam também presentes numerosos sacerdotes e seminaristas, a maioria deles de batina, como também numerosas religiosas de várias congregações.

Iniciada na Praça Bocca della Verità, a 300 metros do Circo Máximo — em cuja arena inúmeros mártires preferiram enfrentar as feras a repudiar a Fé Cristã —, a manifestação terminou na Praça de São Pedro, onde o Papa Francisco, após a oração do Regina Coeli, dirigiu, de passagem, brevíssima saudação aos milhares de participantes presentes.

Virginia Coda Nunziante, porta-voz nacional para a Marcha pela Vida, relembrou em seu discurso de abertura a cifra do massacre causado pela legalização do aborto na Itália.

"Nestes 38 anos, em hospitais italianos foram mortas mais de 5 milhões e 700 mil crianças. Hoje falamos em cerca de 100 mil abortos por ano, uma criança morta a cada 5 minutos e meio. Mas ninguém quer contabilizar estes números [...] Um assassinato repetido cinco milhões de vezes não se torna um direito, porque os direitos não surgem da dependência ao mal: torna-se um genocídio. Como podemos permanecer em silêncio diante de tal genocídio?”

Ostentando suas características capas vermelhas e estandartes auri-rubros com o leão rompante, cerca de 40 sócios e cooperadores de TFPs da Europa e dos Estados Unidos participaram da marcha, a qual contou também com a presença de um jovem da TFP escocesa vestindo o tradicional kilt, que executava músicas tradicionais em sua gaita de fole. Muitos transeuntes se fizeram fotografar ao lado dele. Estiveram ainda presentes à marcha, apoiada este ano por 114 associações estrangeiras de 29 países,delegados de várias associações coirmãs de TFPs, que fazem parte da vasta família de almas inspirada por Plinio Corrêa de Oliveira.

À vista do quadro dantesco do aborto, reveste-se de grande mérito a iniciativa da instituição Ordo Iuris, da Polônia, iniciativa da TFP daquele país, que elaborou o texto de um projeto — logo assumido pelo partido da maioria Direito e Justiça — visando abolir toda e qualquer forma de aborto em território polonês.

Entre as autoridades eclesiásticas que expressaram seu total apoio à iniciativa, cumpre citar o Cardeal Gerhard Ludwig Müller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé; o Cardeal George Pell, Prefeito da Secretaria de Assuntos Econômicos da Santa Sé; o Cardeal Robert Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e o Arcebispo Paul Richard Gallagher, Secretário para as Relações com os Estados.

Nos dias anteriores à Marcha, em dois congressos separados, importantes personalidades do mundo eclesiástico e civil fizeram ouvir a sua voz.

No Hotel Columbus, na Via della conciliazione, durante o simpósio internacional Rome Life Forum patrocinado pela associaçãoinglesa Voice of the Family, destacados oradores de todo o mundo tornaram possível entender e interpretar temas de maior atualidade eclesial.

Limitamo-nos apenas a mencionar a intervenção de S.E. Dom Athanasius Schneider, que realçou como a revolta contra a Lei divina e a Lei natural, que atingiu hoje dimensões apocalípticas, é o resultado de um relativismo contra o qual já advertiram o Concílio Vaticano I (1869-1870), São Pio X e Pio XII. O restabelecimento da prática da Lei natural e moral é a condição para a restauração da civilização cristã.

No simpósio “Pela vida sem compromisso”, promovido este ano por Human Life International e a associação italianaComitê Verdade e Vida no auditório da Libera Università Maria Santissima Assunta (LUMSA) em Roma, S. Exa. Dom Luigi Negri, no seu discurso de encerramento, definiu a situação atual como um "confronto radical e, de alguma forma definitiva, entre a concepção secularista da vida e a cristã".

O próximo evento para a Itália, sempre em Roma, já foi definido: 13 maio 2017, com a sétima edição da Marcha pela Vida. Uma data não acidental, pois coincidirá com o centenário das aparições de Fátima.

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão