Junho de 2002
Uruguai rompe corajosamente com Cuba//Reféns da violência Urbana//
A Realidade Concisamente
Presidente Jorge Battle

Uruguai rompe corajosamente com Cuba

Fidel Castro verberou vários países da América Latina que apoiaram uma resolução da ONU, patrocinada pelo Uruguai, sobre os direitos humanos em Cuba, em 19 de março último. A aprovação da resolução, por 23 votos contra 21, provocou a costumeira reação irada do ditador cubano, o qual acusou o presidente do Uruguai, Jorge Battle, de "abjeto judas" e "serviçal dos EUA".

É digno de aplauso o ato histórico e corajoso do Uruguai, de romper relações diplomáticas com Cuba comunista, em virtude das injúrias lançadas por Castro contra o Chefe de Estado uruguaio.

Na referida votação, é lamentável — ressalta com acerto a Agência Cubdest — a posição assumida pelo Brasil, que se absteve de votar. Omissão inadmissível em assunto de tal relevância.

Ministro Celso Mello (STF)

MST derrotado no Supremo

Oito dos dez ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) consideraram constitucional a medida provisória (MP 2183 de 21/8/01) que proíbe por dois anos a vistoria, para fins de Reforma Agrária, de imóveis rurais invadidos.

Aos líderes do MST e do PT (partido que propôs a ação de inconstitucionalidade derrotada no STF), lembrou o ministro Celso de Mello, segundo notícia do "Jornal do Brasil" de 5/4/02: "Vivemos num Estado de Direito que impede injustas agressões à propriedade. O acesso à terra e a solução dos conflitos sociais são fundamentais. No entanto, ninguém pode se arrogar o direito de violar a lei por motivação política ou ideológica".

Reféns da violência urbana

Somos prisioneiros. Vivemos enclausurados, com medo da guerra" — diz uma senhora de 39 anos. O desabafo, que poderia ser de alguém atormentado pelos conflitos no Oriente Médio, no Afeganistão ou na Colômbia, é de uma moradora de Vila Isabel, que passou 17 anos fora do Rio e há três meses voltou para a zona norte da cidade.

Mãe de três filhos menores e professora especializada em Ciências Sociais, ela imaginava que, num edifício com segurança, estaria a salvo do terror do tráfico de drogas. Mas, de seu prédio cercado por favelas, com vista para o Morro dos Macacos, ouve e vê freqüentemente cenas de guerra.

"Perdemos nossa liberdade. O direito de ir e vir não é mais respeitado" — declarou ela ao "Jornal do Brasil" (10/4/02). A professora tentou saber pelo telefone 190 o que acontecia, mas "o policial só pediu que orasse por ele".

Monstruosidade em escola

Ravaillac — nome do assassino do rei Henrique IV, em 1610 — é o nome de um periódico estudantil do Liceu Henrique IV, um dos mais famosos de Paris. O boletim publicou uma capa onde cinco alunos de ambos os sexos posam nus, com as partes sexuais cobertas com uma faixa, que pode ser maliciosamente destacada. No artigo exorta-se os jovens alunos a praticarem o sadismo mais brutal e a libertarem-se de qualquer preconceito, abandonando-se aos instintos, à homossexualidade, à prostituição.

Quando jovens alunos seguem essa orientação monstruosa, o que dizer dos adultos de amanhã? E, note-se, as leis hoje em dia obrigam os pais a pôr os alunos nas escolas. Para aprender isso!?

Agora ficou chique usar objetos com aparência de velhos

Importado da Europa e dos Estados Unidos, o gosto pelo couro envelhecido dominou as coleções de grifes importantes. Na década de 80, a atração eram os jeans novos com aparência de velhos, apelidados stone washsed.

A mania da coisa envelhecida artificialmente ultrapassou a fronteira do guarda-roupa: além dos sapatos e do casaco arranhado, as pessoas já podem até comprar móveis de couro manchados de café ou de molho de tomate. Faz parte da loucura do mundo contemporâneo, e é um pecado contra a virtude da sabedoria.

Como diferenciar a peça envelhecida durante sua fabricação, de outra que envelheceu aos poucos, com o uso constante? O segredo está no acabamento.

Se a moda se tornar irresistível, aí vai uma sugestão de bom senso: em vez de gastar fortunas em peças com aparência de velhas, é melhor desenterrar do armário a bolsa da vovó. É mais razoável, mais natural, além de ficar mais barato.

Tal é a pujança da agricultura brasileira que, apesar das invasões do MST, ela é considerada a "âncora verde" da economia nacional

No ENEM, "pérolas" de língua portuguesa

Na última prova do ENEM (Exame Nacional de Ensino Médio), verificou-se o despreparo e a ignorância de alunos que concluíram o 2º grau e estão prestes a ingressar nas universidades. Vejamos algumas "pérolas" colhidas nas provas de redação em que o tema era ecologia. Em uma delas, o desflorestamento parece extremamente generalizado: "o maior problema da floresta Amazonas é o desmatamento de peixes". Em outra, "são o desmatamento de animais" que "precisam acabar". Seja como for, a destruição do meio ambiente é "um problema de muita gravidez". Mesmo porque "os lagos são formados pelas bacias esferográficas".

Mas, no meio de tantas "pedras preciosas", podemos eleger como lema do ambientalismo a seguinte frase: "Não preserve apenas o meio ambiente, mas sim todo ele". Sem dúvida, a tarefa dos professores de português não é nada fácil.

BREVES RELIGIOSAS

Apoio de bispos às invasões do MST

Participando da 40ª Assembléia da CNBB, em Indaiatuba, os bispos D. Mauro Morelli ( Duque de Caxias - RJ), D. Tomás Balduino (emérito de Goiás - GO) e D. Erwin Krautler (Prelado de Xingu - PA) fizeram declarações à imprensa, em abril último, aprovando escancaradamente as invasões de terra que estão sendo realizadas pelo MST no Brasil inteiro. Esse é, infelizmente, mais um episódio de molde a aumentar a perplexidade existente no espírito de tantos fiéis. De que adiantaram as diretrizes de João Paulo II contra as invasões de terra, dadas aos Bispos brasileiros da Regional SUL-I, em 21 de março de 1995)?

Bomba terrorista em igreja na Colômbia: 119 mortos

Em 3 de maio passado, terroristas — ao que tudo indica, pertencentes às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) — lançaram um botijão de gás cheio de explosivos em uma igreja católica no município de Bojayá, Departamento de Chocó, a 580 quilômetros ao norte de Bogotá. No interior do templo, pessoas se resguardavam dos combates entre guerrilheiros comunistas das FARC e paramilitares. Segundo o prefeito da cidade, Ariel Palacios, 119 pessoas morreram e 80 ficaram feridas na igreja, tendo o povoado sido totalmente destruído.

Esse atentado brutal e sanguinário constitui uma comprovação a mais do ódio anticatólico que guerrilheiros marxistas votam à Santa Igreja.