Fevereiro de 1998
Em Jaú, uma histórica e artística igreja Matriz
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Brasil Real

Em Jaú, uma histórica e artística igreja Matriz

Luiz Nazareno de Assumpção Filho

 
A Matriz do Patrocínio está situada no largo que leva o nome da Padrieira da cidade

Jaú (SP) foi sempre uma cidade acentuadamente religiosa.

Sua fundação ocorreu em 15 de agosto de 1853, festa da Assunção de Nossa Senhora, tendo como Padroeira Nossa Senhora do Patrocínio, cuja imagem primitiva lá chegou nesse mesmo dia, trazida de Itú.

De início, a futura Matriz de Nossa Senhora do Patrocínio era um pequeno e modesto templo, construído pelo sistema de taipa de pilão, que continha uma capela-mor muito exígua e baixa. O Padre Antonio Pires Guerreiro demoliu-a em 1888 (35 anos após a fundação da cidade), para construir uma nova igreja com paredes de tijolos. Sete anos depois, em 1895, esta foi também derrubada, para ser edificada a atual igreja.

No dia 24 de novembro de 1895 foi lançada a pedra fundamental do novo templo. Essa data é considerada o marco inicial da atual Matriz. Daí a comemoração de seu centenário em 1995.

Na mencionada solenidade, após a bênção da primeira pedra, foi esta colocada na entrada da porta principal. Em sua concavidade foram depositadas a ata da cerimônia, cartões de visitas de pessoas presentes ao evento, jornais de São Paulo, um número do jornal "Correio de Jaú" e várias moedas. Em seguida, o então Juiz de Direito da Comarca, Dr. José Soriano de Souza Filho, tomando um martelo enfeitado, deu algumas batidas simbólicas, completando a cerimônia inaugural.

A velha igreja de taipa ficou ainda funcionando no adro (terreno em frente ou em volta de uma igreja) da atual.

A planta da nova igreja apresenta o templo em forma de cruz, com 40 metros de comprimento por 19 de largura, sendo a altura da torre de 60 metros.

Foi ela inaugurada oficiosamente no dia 9 de julho de 1901, com grande festividade, apesar de não estar totalmente concluída. Isto só ocorreu 4 anos depois, em 1905, sendo a inauguração oficial no dia 15 de outubro daquele ano.

A Matriz de Nossa Senhora do Patrocínio é um dos prédios de Jaú que mais chama a atenção, não só por seu valor arquitetônico, mas também por seu significado histórico e religioso. Assemelha-se mais a uma catedral do que a uma simples igreja.

Sua arquitetura é de estilo gótico, bem caracterizado pelas abóbodas em forma de ogivas, pela divisão em nave central e duas laterais e pelos vitrais bastante decorados.

Na passagem do século, as famílias Moraes Navarro e Almeida Prado doaram à Matriz do Patrocínio vitrais que ainda se encontram no templo. A doação oficial ocorreu no dia 9 de junho de 1901, tendo sido confeccionados sob encomenda. Em 1982 a mesma firma alemã que os construiu restaurou-os, pois já estavam desgastados pelo tempo.

No dia 14 de outubro de 1905, véspera da inauguração oficial, foi colocada a cruz no alto da torre da Matriz do Patrocínio. Ela pesa 340 quilos, tem 4,5 metros de altura e 3,5 metros de largura. Era iluminada por lâmpadas especiais, o que na época constituia novidade no país.

Internamente, o teto, as paredes e os painéis foram pintados pelos artistas Orestes Sarcelli e Carlos de Servi, em 1921. Em 1964 os painéis foram restaurados, tendo sido mudadas as gravuras pelo famoso casal Makk, o que conferiu à igreja um majestoso aspecto interno.

Os lustres foram doados pela família Chammas, em 1953. E os púlpitos, que ladeiam o altar-mor, foram encomendados pelos Srs. José de Almeida Leme do Prado e Joaquim Ferreira do Amaral. Ambos contrataram o escultor Marino Del Favero para executar o serviço.

O órgão do templo, que apresenta muitos recursos, foi construído em 1914 na Alemanha e montado nesse mesmo ano na Matriz por um técnico alemão. Em 27 de junho 1991 o instrumento foi apresentado ao público pelo grande organista José Luiz Aquino, que se exibiu em belíssimo concerto.

Ladeando todo o prédio há uma mureta trabalhada em arcos. Na fachada lateral eleva-se a torre, bastante alta, com quatro relógios, um de cada lado, e sinos em seus quatro cantos.

Os sinos, que até hoje batem as horas e meias horas, foram confeccionados pelos irmãos Bellini, do Rio Grande do Sul, tendo chegado a Jaú em outubro de 1953. São eles em número de cinco, pesando respectivamente, em ordem crescente, 350, 650, 870 quilos, uma e três toneladas. Este último tem a função de marcar as horas certas.

A igreja Matriz é muito freqüentada pelos fiéis que fazem visitas ao Santíssimo Sacramento e vão pedir graças à gloriosa Padroeira.

Considerada como um dos pontos turísticos de Jaú, a bela Matriz não sofreu desde então alterações na sua arquitetura e decoração. Imponente, destaca-se no meio do largo que leva o nome da Padroeira da cidade, Nossa Senhora do Patrocínio.

___________________

Fonte de referência:

Católicos perplexos, Marco Antonio de Souza, projeto pós-graduação em História do Brasil na Universidade do Sagrado Coração (USC) de Bauru (SP), 1997.

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão