Junho de 2013
A Realidade Concisamente
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
A Realidade Concisamente

Vigília de 500.000 filipinos pede defesa efetiva da família

Mais de 40 organizações integradas por católicos filipinos realizaram na capital do país uma vigília com a participação de 500.000 pessoas a favor da vida e da família. O povo teme ser novamente enganado pelos políticos, que simulam defender a família e depois atuam de modo contrário ao que prometeram. O povo sente-se enganado pelo atual presidente Benigno Aquino e pelo Parlamento, responsáveis pela aprovação de uma Lei de Saúde Reprodutiva anti-vida. Os participantes da vigília prometeram só votar nos candidatos que se engajassem contra a referida lei e promovessem uma legislação a favor de Deus, da vida e da família. Os políticos pela “Saúde Reprodutiva” já preparam novos projetos favoráveis ao divórcio, ao “casamento” homossexual e à eutanásia — a panóplia anticristã bem conhecida dos promotores dos chamados “direitos humanos”, que atualmente constituem monstruosos “direitos da morte”.

 

FAO propõe comer insetos, e não carne normal

A
organização da ONU para a Agricultura e Alimentação (FAO) propôs reduzir a poluição planetária mediante o consumo de... insetos – besouros, gafanhotos, formigas – em vez de carne bovina e suína! Num relatório de 200 páginas divulgado em Roma, a FAO defendeu que comer insetos beneficia o meio ambiente, enquanto o gado consome demasiadamente vegetais e ração. O documento elogia os insetos porque estes se alimentam de “resíduos, lixo humano, compostagem e chorume animal”. A proposta chama-se Programa de Insetos Comestíveis, e também examina o uso alimentar de aranhas e escorpiões, embora não sejam insetos. Propostas como esta preanunciam o futuro almejado por pseudos-ecologistas — o de um mundo que renegou Jesus Cristo, sua Igreja e a civilização e por isso se degrada, acrescentamos nós.

 

Organização irlandesa recusa despenalização do aborto

A Irish Medical Association, principal organização nacional dos médicos da Irlanda, recusou a lei que despenaliza o aborto. Para o Dr. Sean O. Domhnaill, médico psiquiatra e membro do Life Institute (pró-vida), o voto dos médicos “significou um golpe importante na tentativa do governo. [...] Enquanto médicos, fomos formados para salvar vidas e a maioria dos médicos irlandeses quer continuar a prática de proteger a mãe e o filho durante a gravidez”. O Dr. Domhnaill sublinhou que uma abertura “limitada” do aborto precipitaria a sociedade rumo à matança irrestrita de inocentes.

 

Coreia do Norte: tapeações paranoicas inspiradas por Pequim

O
ditador comunista norte-coreano, Kim Jong-um, em meio a mil outras bravatas, ordenou preparar seus mísseis para atingir o continente americano e as bases dos EUA no Pacífico. Mas do que valem esses mísseis norte-coreanos? O Instituto Internacional para Estudos Estratégicos (IISS), de Londres, avaliou que “a utilidade militar desse arsenal seria muito limitada por causa da fraquíssima precisão daquelas engenhocas”. Os mísseis de médio alcance Hwasong-5 e 6, variantes de SCUDs soviéticos dos anos 70, têm uma margem de erro de pelo menos um quilômetro. A margem de erro do Nodong é de mais de 2,5 quilômetros. Os mísseis de longo alcance na realidade não vão além de modelos em elaboração que falharam em numerosos testes e não possuem um sistema capaz de guiar a pontaria. Depois das bravatas o ditador marxista silenciou, sem se preocupar com a honra, talvez após uma simples ordem proveniente de Pequim...

 

Climatólogo deixa a NASA e profetiza o fim da vida na Terra

O
climatólogo James Hansen abandonou o Instituto Goddard de Estudos Espaciais (GISS), da NASA, que presidia e de cujo cargo fazia estarrecedoras previsões climáticas. Mas “nestes últimos anos, ele esgotou suas ideias. Por vezes foi longe demais” – disse seu admirador, o climatólogo francês Jean Jouzel. Saindo da NASA, Hansen vaticinou que “se nós queimarmos todos os nossos combustíveis fósseis, certamente o nível dos mares subirá dezenas de metros... nós herdaremos o clima de Vênus, [...] os humanos não poderão sobreviver, [...]. A imagem da Terra será a de uma Antártida sem gelo e um planeta desolado sem habitantes”. Se essa não fosse a declaração de um “profeta” ambientalista, talvez Hansen tivesse sido transportado logo por uma ambulância. Mas não foi o caso. Pior do que problema psiquiátrico é sua ideologia neocomunista...

 

Assassinato em Moscou restabelece tensões da Guerra Fria

O
jurista russo Sergueï Magnitski morreu devido a torturas sofridas na prisão Butyrka, em Moscou, no ano 2009, enquanto denunciava a corrupção das estatais russas e as práticas criminosas da polícia contra empresas privadas. O caso repercutiu no Ocidente e o Congresso dos EUA publicou uma lista negra de 18 autoridades russas que teriam participado na morte do dissidente. Os bens dessas autoridades ficarão congelados nos EUA e quem comerciar com elas se expõe a sanções penais. Putin revidou proibindo a entrada em território russo de 18 americanos responsáveis pela prisão de Guantánamo, onde estão detidos terroristas islâmicos, bem como de americanos que condenaram o traficante de armas russo Viktor Bout. A vingança de Moscou constitui uma das medidas mais hostis em relação aos EUA desde o fim da Guerra Fria. 

 

 

    

 Breve Religiosa

Heroísmo de seminaristas chineses fieis ao Papado

Tomás Zhang, seminarista católico chinês no exílio, revelou que ele e oito companheiros “viveram, dormiram, alimentaram-se, estudaram e rezaram” durante um ano e meio, num só quarto de poucos metros quadrados, ocultando-se da polícia. Outro seminarista narrou que 30 vocacionados viveram numa gruta cavada pelos seminaristas maiores e que servia de capela, aula e refeitório, sem saberem quando a força policial comunista chegaria. A gruta (uma nova catacumba?) era fria e úmida, e o refúgio, a oração e o estudo. Sofriam dores de estômago devido à fome, mas se consolavam ouvindo histórias de resistência de sacerdotes que passaram pelos cárceres socialistas. “Quando Deus abençoa, o faz com uma cruz”, ensinavam eles. Certo dia a polícia prendeu alguns, tendo o reitor do seminário clandestino lhes ordenado fugir. Camponeses os acolheram, mas eles tinham de mudar incessantemente de local. Até hoje, conta ele, “os seminaristas de minha diocese continuam levando esse estilo de vida, fugindo de um canto para outro”. O seminarista julgou necessário expor sua experiência porque no Ocidente alardeia-se falsamente uma “abertura na China e até a melhoria das relações diplomáticas entre a Santa Sé e a China, como se nesta vigorasse liberdade religiosa”.

   

 

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão