Novembro de 2005
Embaixador junto a Deus
Correspondência

Embaixador junto a Deus

O mundo, sobretudo o que eu chamo de “o mundo católico de verdade”, há uma década perdeu o estimadíssimo Dr. Plinio. Entretanto esse mundo agora pode contar com um embaixador no alto dos Céus. A pregação dos princípios dele está viva, e a prova disso é que tal pregação causa até hoje aborrecimento nas forças ocultas que tramam contra a fé católica. Uma trama que tenta apagar o restinho de fé, o restinho da chama que ilumina o mundo católico, o restinho do tecido social que persevera fiel. Por manter vivo o pensamento de Dr. Plinio, eu agradeço muito e muito a vocês, não deixando apagar em nossos corações a lembrança desse grande homem de tanta fé e de tanta coragem. Ainda que com perigo de vida, ele, o cavaleiro leal, teve a coragem de enfrentar os inimigos da Santa Igreja, a coragem até de expiar por ela, se fosse preciso, ele estava disposto. São apenas algumas simples palavras para registrar nossos agradecimentos nesta data inesquecível.

(A.N.R.V. — PB)

Mestre do catolicismo

De ponta a ponta a revista de outubro está excelente. Extraordinários os artigos sobre o saudoso mestre do catolicismo, o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira. Muito especialmente a entrevista, o artigo sobre a plena fidelidade de nosso mestre à Santa Madre Igreja e a respeito dele enquanto tendo um modo de agir peculiar, em contemplação ao mesmo tempo. Muito oportuno também o artigo contrário ao desarmamento. Vamos em frente no bom combate desta marcha vitoriosa, porque Deus será vitorioso sempre. Logo, seus filhos não serão derrotados! A obra de nosso mestre é deveras monumental e não será derrotada!

(N.P.S.F. — SP)

Grandes horizontes

Abriram muito meus horizontes a respeito das considerações da luta dos católicos no século XX, bem como dos agitados dias em que vivemos, as matérias ancoradas na vida pública e na vida particular do Prof. Plinio. Quero comprar mais 2 exemplares da revista de outubro (nº 658).

(M.U.N — RJ)

Na luta de sempre

Sempre leio a revista Catolicismo através da Internet, e me agrada muitíssimo. Felicito-os por continuar na luta. Nunca tinha desfrutado tanto de uma seção como agora, neste mês de outubro, com a entrevista de Dr. Luiz sobre o Dr. Plinio. Fiquei encantado, foi para mim uma graça.

(R.D.M. — Colômbia)

Graças a Nossa Senhora

A revista deste mês, dedicada a Dr. Plinio Corrêa de Oliveira, ficou realmente mais bonita do que eu esperava no mês do falecimento de Dr. Plinio. Os autores e toda a equipe organizadora estão de parabéns!

Na revista de setembro, gostei dos artigos doutrinários combatendo a revolução, mas queria fazer uma referência a um de que gostei especialmente. Foi o artigo de Dr. Plinio Vidigal Xavier da Silveira comentando a crise da reforma agrária e do governo Lula. Estou de acordo em tudo. Esse governo está deixando a desejar, e não sei aonde vamos parar se Nossa Senhora Aparecida não interferir logo, pois, como diz um outro artigo na mesma edição, “cubanizar” o Brasil está difícil graças a Ela.

Também achei muito expressivo o artigo em que o título se refere ao "resto que voltará". É muito significativo esse artigo em meio a tantas provações que a Santa Igreja vem passando. E até mesmo a tão estimada TFP. Realmente esse artigo veio do céu.

(H.P.M.N. — RJ)

Milagroso aviso

Gostei demais do artigo a respeito da tragédia ocorrida em Nova Orleans e a respeito do aviso de Nossa Senhora. Acredito muito nisso, pois sou devota dessa Mãe tão linda e bondosa que está tentando, de todas as formas, segurar o braço de seu Filho. Porém, parece que a humanidade ainda não aprendeu a discernir os avisos mandados do alto, e continua na mais retumbante dissolução de costumes, jamais vista. Vou procurar divulgar essa mensagem a todos os meus conhecidos, para que se previnam e possam alertar outras pessoas menos avisadas.

(R.M. — MG)

NÃO à criminalidade

Parabéns a Catolicismo por se posicionar frontalmente contra a proibição da venda de armas e munição ao cidadão de bem. Penso que, além do direito de defesa, há que se considerar o seguinte: se o SIM vencer, os traficantes serão beneficiados com enormes lucros, pois deterão, na ilegalidade, o monopólio do comércio de armas. Teremos mais violência, devido à disputa por pontos de revenda. Haverá, ainda, mais aliciamento de menores, mais balas perdidas e maior corrupção policial.

(J.A.M.L. — RJ)

Uma flor ao tigre...

Nesses últimos dias, tenho lido muito sobre a polêmica do desarmamento. Em minha “caixa postal” de e-mail, tenho recebido uns 10 todos os dias. O que é sinal do interesse geral em debater e em não aceitar a imposição da mídia, do clero da esquerda, junto com as estrelinhas pacifistas da Globo, que obedecem àquela emissora de TV sem saberem sequer o que estão dizendo. Para mim, ser pacificista com o criminoso é o mesmo que oferecer uma flor ao tigre faminto, na esperança de que este não o devore... Vai nessa?!

Mas a maior parte dos artigos que recebo não tem muito conteúdo. Entretanto, de todos artigos que li até agora, o que encontrei com mais conteúdo foi o do Coronel da PM Jairo Paes de Lira, publicado no Catolicismo deste mês [outubro], intitulado “Desarmamento das pessoas de bem: afronta ao Direito Natural”. O ilustre coronel coloca brilhantemente que esse desarmamento será somente do cidadão honesto, e não do criminoso.

Mas para mim foi um presente o texto que o coronel tirou do catecismo, falando da legitimidade da defesa por meio até de armas de fogo. É um texto escondido, que os padres deveriam pregar nas portas das igrejas, ler nos sermões, mas só os tenho visto distribuindo folhetos pedindo para votar a favor do desarmamento, até em sermões eles estão tentando persuadir os católicos a votarem pelo “sim”, portanto contrariando o próprio catecismo romano. Contrariando o próprio Jesus, que usou arma daquele tempo, que era o chicote. Com essa arma ele expulsou aqueles que faziam negócios no templo.

Para que os católicos não fossem enganados por esses padres de esquerda da Igreja, mandei o artigo do coronel, em negrito o referido texto do catecismo, para toda minha lista de e-mails, e pedindo a todos que o repassassem. É claro que queremos a paz, mas para ter paz é preciso impedir a ação daqueles que promovem o crime. Por isso é que Jesus disse: “Não vim trazer a paz, mas a espada” (São Mateus,10, 34). Para ter paz, foi preciso usar a espada.

Vamos ver no que vai dar, mas todos os católicos deveriam dizer “não” ao desarmamento, para imitar a Jesus que usou o chicote e a espada.

(C.N.H. — ES)

A CNBB a grande perdedora

O desatino da CNBB e dos bispos e sacerdotes ligados a ela, que ficam pregando — melhor seria dizer “martelando” — assuntos alheios à sua esfera (como os sociais e econômicos), e silenciando os assuntos próprios da Igreja (refiro-me aos religiosos e morais), é a principal causa da perdição das ovelhas para os pastores evangélicos.

Isto ficou muito patenteado nestes dias pré-referendo sobre a questão do desarmamento. A CNBB se meteu de cabeça neste assunto e ignorou as questões morais importantes nestes mesmos dias, como a questão do aborto, que quase foi aprovado, se não fossem algumas reações de leigos. Por que eles não se meteram também de cabeça para alertar os católicos contra o aborto?

Quase todas as igrejas, certamente por ordem da CNBB, ficaram se encarregando de recolher armas de fogo e do convencimento dos fiéis católicos a votar pelo “sim”, insistindo até demais (pela proibição do comércio de armas). Graças a Deus, aqueles que são realmente fiéis e realmente católicos percebem que tal posição dos bispos da CNBB não está de acordo com a posição católica. É uma posição pessoal deles, não a posição oficial da igreja. E não sendo um dogma da Igreja, os católicos não ficam obrigados a votar pelo “sim”. Podem votar pelo “não” para manter a fidelidade ao que ensina o próprio catecismo. É melhor obedecer à teologia do catecismo que obedecer à teologia da libertação. Até me pergunto: a insistência da CNBB em desarmar a população não visaria facilitar as invasões do MST? Porque, desse jeito, os “mstistas” poderiam invadir sem encontrar resistência dos proprietários.

Se o “sim” ganhar, as ovelhas ficarão desarmadas (sem meios de exercer a legítima defesa) e os lobos bem armados. Se o “não” vencer, a grande perdedora no referendo será a própria CNBB, pois meteu-se de cabeça em defesa de um erro. Sim, um erro, porque agiram para desarmar as ovelhas, deixando-as indefesas à mercê dos lobos.

(N.P.E.P. — PA)

Incoerência

Concordo com a posição de Catolicismo contra o desarmamento, porque o governo não faz nada para impedir que os criminosos adquiram armas e faz tudo para desarmar aqueles que têm arma apenas para defenderem-se a si próprios, sua família e/ou propriedade.

(P.E.N. — SC)