Junho de 2001
Fátima: um primeiro fulgor da contra-revolução da pureza
Ecos de Fátima


Fátima: um primeiro fulgor da contra-revolução da pureza

A primeira aparição do Anjo (que relatamos no boletim anterior) deixou nos três pastorinhos de Fátima uma impressão profunda. Após o Anjo ter desaparecido, relata a Irmã Lúcia:


“A atmosfera do sobrenatural, que nos envolveu, era tão intensa, que quase não nos dávamos conta da própria existência, por um grande espaço de tempo, permanecendo na posição em que nos tinha deixado [ajoelhados em terra e curvando a fronte até tocar o chão], repetindo sempre a mesmo oração [‘Meu Deus! Eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e Vos não amam’]. A presença de Deus sentia-se tão intensa e tão íntima, que nem mesmo entre nós nos atrevíamos a falar. No dia seguinte, sentíamos o espírito ainda envolvido por essa atmosfera, que só muito lentamente foi desaparecendo.

“Nesta aparição, nenhum pensou em falar, nem em recomendar o segredo. Ela de si o impôs. Era tão íntima, que não era fácil pronunciar sobre ela a menor palavra. Fez-nos talvez também maior impressão, por ser a primeira assim manifesta” (Antonio A. Borelli Machado, As Aparições e a Mensagem de Fátima).

Comentário do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira

Na realidade, a Irmã Lúcia conclui que a presença de Deus (Deus não apareceu, mas deixou sentir sua presença), a simples presença de Deus naquelas crianças — entretanto muito criancinhas, e portanto ignorantes de tudo quanto é um pouco mais desenvolvido de nossa Religião — produziu um tal efeito, que elas compreenderam que era para não contar a ninguém, se bem que a aparição não lhes tenha recomendado o segredo. Não recomendou, mas fez muito mais do que recomendar. Impôs? De algum modo, sim.

Elas não conseguiriam falar, porque a presença de Deus estava de tal maneira marcando as suas almas, que elas entendiam que sobre essa presença não se fala com ninguém. Mais ainda: o que está dado a entender é que, se sobre isto as três crianças falaram umas com as outras, falaram muito pouquinho. A voz do silêncio era o melhor comentário para aquilo que se tinha passado.

Era um primeiro fulgor. Do quê? Contra a revolução da feiúra, do hediondo, do pecado, era [um primeiro fulgor da] contra-revolução da castidade, a contra-revolução da pureza, a contra-revolução de tudo que é transparente para Deus, e através do que a luz de Deus se comunica aos homens.

Haverá coisa mais bela, mais convidativa do que isto, para formar o espírito num sentido contrário à Revolução que estamos presenciando atualmente, a Revolução Cultural? (Plinio Corrêa de Oliveira, palestra para Correspondentes da TFP em 5-6-1994).

Escrevem nossos Participantes

Nossa Senhora falou comigo — Pedi a Nossa Senhora de Fátima que Ela me desse um teto para morar com minha família, pois eu não podia mais continuar do jeito que estava, morando de favores. Eu pedia que me desse a graça de comprar uma casa, mas eu ganhava muito pouco, e sabia que para eu conseguir isso era só através de uma graça. Numa sexta-feira, após eu e minha esposa termos rezado o terço, como fazemos todos os dias, fui dormir. E em uma visão Nossa Senhora falou comigo: olha, filho, o que você me pediu eu estou dando; ao amanhecer, você vai ficar sabendo de uma casa que está à venda, e esta vai ser sua. Nossa Senhora ainda me disse: vai ser com muita dificuldade. E tudo aconteceu como Ela falou! Ao sair, de manhã, fui na casa de um amigo e ele me disse: olha, José, aquela casa está à venda. Eu fui e conversei com a dona, e ela me mostrou a casa, que estava alugada. Eu pensei: não é para mim, não, minha Mãe. E Ela me disse: é esta que Eu estou te dando, mas lembre-se que vai ser com dificuldade, não vai ser fácil. Negociamos e eu comprei a casa, marcamos a data para mudar. Mas o inquilino não saiu, tive que procurar casa para eles. Eles me disseram que se não arrumasse uma casa para eles, não sairiam. Eu não cansei de pedir a Nossa Senhora, e então consegui uma casa para eles e entreguei as chaves nas mãos deles. Mas ele disse que eu tinha de ajudar a fazer a mudança deles, se não, eles não sairiam. Ajudei a eles, e assim encerrou-se o sofrimento. Dia 19 de março fez um ano que estou morando na minha casa. Agradeço a você, Marcos Luiz Garcia, que fez com que esta bênção entrasse em minha casa (JGL, Minas Gerais).

Receber a imagem de Nossa Senhora foi a maior honra de minha vida — Vi que era chegada minha vez de receber a imagem de Nossa Senhora de Fátima em minha casa. Espero que Nossa Senhora de Fátima me ensine a amar como Ela. Que este amor faça crescer em mim a confiança em Deus. Cada pessoa fez um pedido e todos participaram das orações. Fiquei surpresa comigo mesma, porque orava como uma criança, foi uma emoção e muita alegria. As pessoas que foram convidadas se emocionaram. Foi tudo muito lindo! Os Peregrinos que trouxeram a imagem de Nossa Senhora foram atenciosos e simpáticos. Meus agradecimentos por esta alegria, e espero que vocês lembrem de mim mais uma vez, quando a imagem de Nossa Senhora vier outra vez à minha cidade. Foi a maior honra de minha vida (ADM, Rio de Janeiro).

Gosto muito desta obra — Querido amigo Marcos Luiz Garcia, é com muita alegria que eu te escrevo esta pequena carta, só para lhe dizer que eu gosto muito desta obra, sinto-me muito feliz em fazer parte desta Campanha “Vinde Nossa Senhora de Fátima, não tardeis!”. Sr. Marcos, fiquei muito alegre de o Sr. me convidar para fazer parte da Aliança de Fátima. Vou contar um pequeno testemunho. O carro vinha em alta velocidade e o motorista perdeu o jeito de dirigir as marchas e não passava. O carro virou umas três vezes. Uma mulher quebrou um braço, outra teve alguns ferimentos no rosto, e eu não tive nada. No momento em que saímos, agradeci a Deus e disse: foi Maria Santíssima que me segurou, para que eu não ferisse nem uma unha. Sr. Marcos, muito obrigado pelo calendário (DJS, Bahia).

Morri e voltei a mim — No dia 2 de fevereiro, em meu sítio, fui acometido de um derrame cerebral e socorrido no Hospital São Cristóvão, em São Paulo. Fiquei internado por 9 dias. Recebi alta, porém, no momento de sair sofri outro derrame muito mais forte. Levado para a U.T.I., fiquei em coma por 48 horas. Fui novamente transferido para o quarto, permanecendo mais 8 dias. Aí tive flebite no braço esquerdo. Voltei para o meu sítio, e depois de 6 dias precisei voltar ao hospital, pois fui acometido de trombose na perna direita, ficando mais 6 dias internado. Eu era, e agora sou outra vez, um homem forte aos 65 anos, e tive que passar de uma hora para outra por todos esses sofrimentos. Eu estava vivo, morri, e após 48 horas voltei a mim. Nesse período de minha doença, minha esposa colocou minha camisa e o terço sobre a nossa cama, e chorando pedia a Nossa Senhora de Fátima para que não deixasse eu morrer. E se Ela atendesse aquele pedido, escreveria para o coordenador da Campanha para divulgar este milagre alcançado através de Nossa Senhora de Fátima. Após 2 meses de sofrimento, graças a Jesus e Nossa Senhora de Fátima, estou curado e sem nenhuma seqüela (UL, São Paulo).

Pedido de orações aos participantes da Campanha — Quero alcançar uma graça: conseguir ganhar um dinheiro e comprar uma casa para morar com meus filhos e minha esposa. Peça a Nossa Senhora de Fátima que olhe para este pobre coitado, que sempre a tenho como minha padroeira (EJP, Distrito Federal).



Por que Nossa Senhora chora?

Depois do aborto e da eutanásia, as drogas

  Como todos os horrores do mundo moderno, também o uso de drogas vai sendo legalizado aos poucos. Depois da Suíça, Alemanha, Espanha e Holanda, agora a Austrália está inaugurando o primeiro centro legal do país para consumo de drogas, na zona de prostituição da capital Sydney. As Irmãs da Misericórdia, uma ordem de freiras católicas, iria gerenciar o local, mas foram impedidas por ordem vinda do Vaticano. O pretexto é oferecer um ambiente higiênico e seguro, onde os dependentes de heroína possam injetar a droga em si mesmos e recuperar os sentidos antes de saírem para a rua. O centro de consumo de heroína terá uma fileira de cabines de metal, uma sala para ressuscitação e uma área de ventilação.

Depois do aborto, da eutanásia e outras formas de assassinato, o mundo moderno vai legalizando também as drogas. E o mais incrível é que freiras católicas estivessem dispostas a colaborar para essa abominação, sendo necessária uma ordem direta da Santa Sé para que não o fizessem. Em que situação está o mundo! Em que situação está a Igreja! Como é atual a Mensagem de Fátima!

Freiras em “sintonia” com rockeiros

Catorze freiras da Congregação das Irmãs Carmelitas Mensageiras do Espírito Santo freqüentam, há 2 meses, a EMT, Escola de Música e Tecnologia, notório reduto de roqueiros paulistanos. Elas montaram uma banda em 1997, chamada Ministério Chama Viva, e visam agora aprimorar o canto e as técnicas instrumentais. A banda tem um baixo, uma guitarra, um teclado, uma bateria e dois violões. A guitarrista, irmã Anne Eleanor Gomes, divide os vocais com as irmãs Sandra Bandeira, Edilene Moreira e Flávia Melo. O repertório inclui sucessos dos padres cantores e composições das próprias carmelitas. Os estilos passeiam do baião e do samba às baladas. Em cena, exibem coreografia repleta de saltos, acenos e volteios. Não descartam gravar um disco nem aparecer na televisão. Antes das apresentações elas rezam, e não raro misturam às orações uma série de frases incompreensíveis. “É a língua dos anjos, que repetimos por inspiração do Espírito Santo, afirma a madre. As freiras estão em sintonia com “o clima” da escola, opina o guitarrista Wander Taffo, um dos sócios da EMT e ex integrante do Made in Brazil, Joelho de Porco, Gang 90 e outras célebres bandas de rock.

Como isso tudo é diferente da imagem tradicional da freira dos Conventos Carmelitas, de Santa Teresinha do Menino Jesus, por exemplo! Que juízo faria dessa congregação das Irmãs Carmelitas Mensageiras do Espírito Santo a grande Santa Teresa de Jesus, reformadora do Carmelo no século XVI?

Volta ao canibalismo

Em Ribeirão Preto (SP), durante uma  rebelião em 29 de março último, presos assassinaram dois outros colegas, deceparam-lhes as cabeças e as mãos. De uma das vítimas, arrancaram o coração e o comeram assado.

É a volta ao canibalismo, existente entre os índios pagãos na época do Descobrimento do Brasil. Por enquanto é nas prisões, daqui a pouco poderá ir sendo legalizado, como na caso das drogas. Tais práticas parecem associadas ao satanismo, que vai invadindo esta nossa sociedade neopagã cada vez mais distante de Jesus Cristo e de Nossa Senhora. Contra isso nada dizem os defensores dos direitos humanos, tão prontos a criticar os policiais.

Libertinagem afeta adolescentes

O estudo Situação da Saúde do Adolescente no Estado do Rio de Janeiro, elaborado por equipe da Secretaria Estadual de Saúde, mostra um aumento assustador de mães e avós jovens. No período de 1993 a 1998: 1) o número de partos entre mulheres de 20 a 29 anos caiu 5%; 2) na faixa de 15 a 19 anos, cresceu de 20%; 3) na fai­xa de 10 a 14 anos, cresceu 54%!

Ou seja, toda essa libertinagem sexual incentivada pela TV, pela propaganda dos preservativos etc. está levando à formação de uma legião de mães-meninas, imaturas, entregues precocemente aos vícios sexuais de toda espécie e sem marido que as ampare. Como estranhar que cresçam a criminalidade, a insegurança, as doenças?

1 | 2 Continua