Setembro de 2005
“Fátima, a grande esperança”
Discernindo, comentando, agindo

“Fátima, a grande esperança”

As advertências de Nossa Senhora anunciadas em 1917 vão se cumprindo; os castigos previstos pairam sobre o mundo; por um movimento da graça de Deus, há um clamor pelo triunfo do Imaculado Coração de Maria.

·         Cid Alencastro

Plinio Corrêa de Oliveira afirmou que as aparições de Fátima foram o maior acontecimento do século XX. Em seqüência a essa afirmação, tudo está a indicar que o grande acontecimento deste início do século XXI será a realização plena da profecia comunicada por Nossa Senhora durante tais aparições.

De fato, o que vemos de todos os lados senão a concretização paulatina dos castigos anunciados na Cova da Iria? Guerras, convulsões e ameaças de guerras se multiplicam. Guerrilhas e germens de guerrilha atuam em diversas nações: as FARC na Colômbia, o MST no Brasil, os piqueteiros na Argentina, movimentos ditos indigenistas no Equador e na Bolívia, são exemplos. O terrorismo internacional alastra-se e é visto até com indulgência por certa mídia.

Os erros doutrinários, que encontraram guarida e germinaram na Rússia soviética, hoje espalham-se pelo mundo todo. É a luta de classes, o igualitarismo, a investida contra a propriedade privada, insuflados até por governos.

A imoralidade galopante não só não arrefeceu com a epidemia de AIDS, como até encontrou nela motivo para mais se disseminar e aprofundar. Desde o nudismo das modas, passando pelo amor livre e pela intensificação da prática do aborto, até as piores formas de homossexualismo, como é o caso da pedofilia, vão alcançando ressonância cada vez mais favorável no mundo atual.

O furacão Katrina, prenúncio dos castigos de Fátima?

Ato blasfemo nas ruas de Nova Orleans, em 2 de agosto último
Tudo isso parece dizer-nos que está próxima a conclusão final e terrível desses castigos previstos por Nossa Senhora em Fátima: se os homens “não deixarem de ofender a Deus, [Ele] vai punir o mundo de seus crimes, por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre”. Nossa Senhora recomendou insistentemente que se fizesse penitência. Onde está essa penitência?

É, pois, necessário ver as coisas de frente. Conforme advertia Plinio Corrêa de Oliveira, “há uma trama colossal para derrubar nos fiéis a convicção de que o mundo moderno é mau, de que vai receber o castigo de Deus, de que a Mensagem se cumprirá em razão do pecado. Tudo isto não se crerá mais. No momento em que não crerem e em que o demônio der gargalhadas, dizendo 'desta vez nós logramos Aquela em cima, cujo nome não ousamos pro­nunciar', Ela fará conhecer que jamais deixou de pisar a cabeça da Serpente”.(1)

O tsunami, de 26 de dezembro de 2004, terá sido um prenúncio daquilo que ainda vem?

E o furacão Katrina, que devastou Nova Orleans — cidade onde a famosa imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima milagrosamente verteu lágrimas em 1972 —, não foi um providencial sinal dos castigos anunciados em 1917? (na próxima edição Catolicismo tratará dessa catástrofe).

Reações sadias começam a despontar

         
Nova Orleans submersa em 30 de agosto
É verdade também que aqui e acolá, com destaque para os Estados Unidos e marcada influência no Brasil, vão surgindo movimentos de reação sadia na opinião pública, antes inexistentes ou de pouca vitalidade, e agora portadores de muita esperança. Como explicá-los?

          Vemos, por exemplo, o crescente desejo de moralização dos costumes na nação norte-americana, que redundou na derrota esmagadora do assim chamado “casamento” homossexual em todos os plebiscitos ali realizados; e na proliferação do amor à castidade entre significativo número de jovens.

          Ao mesmo tempo em que, no mundo todo, vai ressurgindo um sentimento religioso, ainda vago, mas que pode vir a orientar-se para uma autêntica conversão, em oposição ao materialismo crasso e vulgar, difundido a pretexto de ciência especialmente desde o final do século XIX.

          É igualmente notório o desligamento de grande parte da opinião pública mundial do trem frenético da esquerdização, há tempos conduzido pelos que se rotulam progressistas, esquerdistas, socialistas, avançados, modernos.

          Trata-se por vezes de movimentos de reação minoritários e desconexos entre si. Mas chama a atenção o fato de nascerem e se desenvolverem apesar do terreno pouco propício, como é o caos contemporâneo, e de se apresentarem com decisão e galhardia, sobretudo com vontade de lutar e de crescer.

Clamor pela realização plena da Mensagem de Fátima

         
Também a existência dessa reação sadia fala a favor da realização plena da Mensagem de Fátima. Pois é claro que tal reação, a se avolumar por uma ação da graça de Deus que a inspira, não poderá ser tolerada pelas estruturas entranhadamente revolucionárias do mundo contemporâneo, que abarcam, infelizmente, até setores incalculavelmente vastos e importantes da Santa Igreja Católica.

          Já atualmente, como estão as coisas? Em muitos lugares, “perseguido e punido pela lei é o médico católico que se recusa a praticar um aborto; perseguido e punido pela lei o católico que afirma, como ensina o catecismo, que a prática da homossexualidade é um pecado contra a natureza; perseguido e punido pela lei o professor ou o diretor de escola católica que se negue a ensinar a libertinagem sexual no seu estabelecimento; perseguidos os sacerdotes que se recusem a violar o segredo de confissão; perseguidos os católicos que, isolados ou reunidos em associações, queiram fazer ouvir sua voz na sociedade como eco do Magistério da Igreja… sem falar dos numerosos países em que, hoje, é derramado abundantemente o sangue dos cristãos pelo martírio”.(2)

          Um possível embate de ordem moral e religiosa, que vise extirpar definitivamente das almas aquilo que de são e sagrado vai nelas germinando, não se pode consumar sem uma interferência da Providência Divina para proteger os que são seus. Daí a pergunta que aparece no horizonte próximo: a presente reação não prepara já os espíritos para secundarem e prolongarem o momento, glorioso entre todos, em que deve triunfar o Coração Imaculado de Maria, conforme foi previsto em Fátima?

*     *     *

Tais reflexões insistentemente me vieram ao espírito ao ler o admirável livro Fátima, a grande esperança, de meu amigo Marcos Luiz Garcia, grande conhecedor das aparições e da Mensagem da Cova da Iria. A todos recomendo sua leitura.

_________ 

Notas:

1. Palestra pronunciada em 20-1-1990.

2. Benoît Bemelmans, Fátima, mensagem de tragédia e de esperança, Catolicismo, setembro/2000.