Novembro de 2006
Vida e morte dos videntes de La Salette
La Salette

Vida e morte dos videntes de La Salette

Após a publicação de artigo sobre o segredo de La Salette, em nossa edição de setembro último, vários leitores manifestaram o desejo de conhecer mais detalhes sobre a vida e o destino final dos dois videntes, Maximin e Mélanie

Luis Dufaur

Aldeia de La Salette por volta de 1860

Por vezes pode-se julgar que a vida de quem viu Nossa Senhora seja um Céu na Terra. No caso de Mélanie e Maximin, suas vidas foram cheias de manifestações de predileção divina, sem dúvida. Mas também padeceram muito, perseguidos pelo ódio diabólico e pela atuação de associações anticatólicas revolucionárias. É doloroso constatá-lo, também de sacerdotes, bispos e até cardeais que professavam idéias, como as do liberalismo, que a Santíssima Virgem apontou como uma das causas da cólera de Deus (vide Catolicismo, setembro/2006).

Eis alguns exemplos. Em 1853, o Pe. C. J. Déléon, sacerdote em interdito, publicou sem autorização eclesiástica dois volumes atribuindo a aparição a uma montagem de uma piedosa senhorita, Constance Saint-Ferréol de Lamerlière, que teria ludibriado as crianças. O mirabolante livro foi condenado pela Igreja, e Constance pediu à Justiça que seu nome fosse tirado do escrito. O pedido foi recusado sem explicações em todas as instâncias judiciárias. Por isso, para o Judiciário francês, La Salette foi uma fraude religiosa.(1)

O Cardeal Louis de Bonald, primaz da França e líder liberal, chegou a escrever que a aparição fora uma falcatrua visando explorar comercialmente a água da fonte que Nossa Senhora fez brotar no local da aparição. Após ser flagrado fornecendo informações falsas — para dizer pouco — à Santa Sé sobre o caso, o Cardeal silenciou, mas suas insinuações e negações envenenaram o ambiente católico contra a aparição e os videntes.(2)

Narradores da visão


Nos anos subseqüentes à aparição, as duas crianças repetiram incansavelmente a mensagem pública de Nossa Senhora aos peregrinos que iam a La Salette. Tinham as reações típicas da idade, mas se transformavam na hora de contar a milagrosa aparição.

Não faltaram incrédulos ou mal-intencionados que tentaram pegá-los em contradição. Nas respostas dos videntes transparecia de tal maneira o sobrenatural, que todos ficavam num misto de desconcerto e admiração.

Um caso arquetípico deu-se com o Padre Dupanloup, líder liberal francês que posteriormente, como bispo de Orleans, foi um dos chefes da oposição à proclamação do dogma da infalibilidade papal durante o Concílio Vaticano I. O Pe. Dupanloup passou alguns dias com Maximin, tentando que o menino lhe revelasse o segredo. Até colocou sobre a mesa uma pilha de moedas de ouro — coisa que deslumbrou a Maximin, pois, sendo de família miserável, jamais vira algo assim — e lhas ofereceu em troca da violação do compromisso com Nossa Senhora. O pretexto foi tirar da indigência a ele e à sua família. A reação de Maximin foi de uma tal integridade, que o Pe. Dupanloup saiu confundido: "Eu senti que a dignidade da criança era maior que a minha”.(3)

Calvário de Maximin

Última foto de Maximin

Maximin entrou no seminário diocesano, onde primou por sua seriedade e piedade. O bispo de Grenoble, Mons. Ginoulhiac, acérrimo opositor da aparição, impôs-lhe como condição para ser ordenado não mais falar do caso e silenciar o segredo que Nossa Senhora lhe pedira para divulgar. Maximin respondeu em carta: “Se Sua Excia. Mons. Ginoulhiac tem a intenção de me paralisar antecipadamente, de não me deixar nem agir, nem falar nem escrever, quando a minha missão de apóstolo de La Salette me tornará obrigatório fazê-lo, pense antes de me dar sua opinião. Uma tal intenção no meu superior seria um sinal positivo de eu não ter vocação. Deus não iria me dar uma vocação sacerdotal diametralmente oposta à vocação que me vem de Maria: a de difundir em todo lugar e sempre, segundo as circunstâncias, suas advertências a seu povo. Eu não teria então outra coisa a fazer senão ingressar na nova milícia religiosa que combate voluntariamente e sem empecilhos, mas também por sua conta e risco, sem engajar em nada a responsabilidade dos pastores”.(4)

Maximin teve que deixar o seminário. Procurou estudar e trabalhar em Paris e em Le Havre. Mas aonde ia, seguia-o um amontoado de maledicências e hostilidades de origem anticatólica ou eclesiástica liberal. Espalhou-se ser ele inculto, estúpido, instável, bêbado e dissoluto. Mons. Ginoulhiac escreveu ao anticatólico Ministro de Culto, afirmando que se tratava de um “mentiroso” que tinha sido necessário expulsar do seminário.(5) O vigário de Saint Germain l'Auxerrois — famosa igreja de Paris — escreveu um libreto acusando-o de viver em concubinato com sua mãe adotiva!(6)

Um fato banal serviu de pretexto para a maledicência opor São João Maria Vianney a Maximin e La Salette. O próprio Cura d'Ars dissipou as murmurações em carta ao bispo de Grenoble: “Tenho uma grande confiança em Nossa Senhora de La Salette; faço vir água da fonte; abençôo e distribuo grande quantidade de medalhas e imagens representando esse fato; distribuo pedacinhos da pedra sobre a qual a Santa Virgem teria sentado, levo um pedaço continuamente comigo e até o fiz pôr num relicário. Falo muito freqüentemente do fato na Igreja. Parece-me, Monsenhor, que há poucos sacerdotes em vossa diocese que tenham feito tanto quanto eu por La Salette”.(7)

Maximin transmitiu mensagens pessoais para personagens-chaves do tempo: ao conde de Chambord, pretendente legitimista à coroa da França, para dissuadi-lo de reinar; ao arcebispo de Paris, Mons. Darboy, a quem predisse que morreria fuzilado, como de fato o foi pelos revolucionários da comuna de Paris; a Napoleão III, advertindo-o de sua próxima queda caso abandonasse o Papa, como acabou acontecendo.

Maximin alistou-se nos zuavos pontifícios, mas a vida de caserna não correspondia a seu ideal. Em seus últimos anos de vida foi acolhido por uma família de Paris, até que esta perdeu a casa na revolução da comuna de 1870. Ele acabou dormindo ao relento e contraiu a doença que lhe provocou a morte.

Na mais extrema indigência, Maximin pediu a Mons. Ginoulhiac um lugar onde morrer dignamente. O prelado recusou o pedido. O bispo, “turiferário do regime",(8) tinha sido recompensado pelo governo com a Sé primacial de Lyon. Aliás, o Bem-aventurado Pio IX nunca concedeu a esse prelado a honra do cardinalato, que é concedida ex-oficio a todos os arcebispos de Lyon.

Na miséria, Maximin entregou sua alma a Deus em sua cidade natal de Corps, em 1º de março de 1875, aos 39 anos de idade. Deixou o exemplo de uma vida moral íntegra e de uma indomável determinação em fazer a vontade de Nossa Senhora acima da vontade dos homens. Seu coração foi depositado na basílica de La Salette, e seu corpo no pequeno cemitério de Corps.

O calvário de Mélanie

Mélanie com Santo Aníbal de França

Mélanie ingressou nas Irmãs da Providência em Corenc, diocese de Grenoble. Não quis fazer-se religiosa contemplativa, pois queria ter toda a liberdade para divulgar o segredo de La Salette. A comunidade ficou edificada com suas virtudes e dons sobrenaturais. Mélanie recebera os estigmas quando tinha quatro anos, e o Menino Jesus — a quem ela chamava “meu irmãozinho” — aparecia-lhe regularmente para aconselhá-la. As religiosas decidiram aceitar a sua profissão solene.

Mons. Ginoulhiac, porém, exigia-lhe que silenciasse para sempre a mensagem de La Salette e não divulgasse o segredo quando chegasse a data determinada pela Virgem Santíssima — 1858. Como Mélanie não aceitasse essa imposição, no dia de profissão o bispo a enviou para a abadia da Grande Chartreuse. Na volta, a vidente percebeu que suas companheiras tinham feito os votos, e que ela ficara de fora. Mons. Ginoulhiac aconselhou-a a ingressar no Carmelo de Darlington, na Inglaterra. Era um exílio, mas Mélanie aceitou em espírito de obediência.

Em Darlington, as carmelitas ficaram admiradas dos dons sobrenaturais incomuns de Mélanie, bem como pelo assédio que sofria por parte do demônio. Ela fez os votos com as ressalvas indispensáveis para garantir a divulgação do segredo.

Mélanie não sabia, mas Mons. Ginoulhiac ordenara ao diretor espiritual dela, sob pena de interdito, entregar a ele as cartas contendo matéria de consciência. Quando se aproximava a data de 1858, ela sentiu-se numa espécie de cárcere e enviou cartas às autoridades, até jogando-as por cima do muro da clausura. O fato foi muito explorado por seus inimigos, mas o bispo de Exham lhe outorgou as devidas licenças e o Papa Pio IX confirmou a exclaustração.

Voltou à França, mas nunca teve sossego, estando sempre submetida a pressões para não revelar a mensagem. Em 1858, como ordenara Nossa Senhora, ela enviou o segredo por inteiro ao Papa Pio IX. Além do mais, providenciou sua publicação em Marselha em 1860; e em Lecce (Itália), com imprimatur de Mons. Zola, em 1879. Ameaçada de excomunhão por bispos adversários de La Salette, Mélanie instalou-se no sul da Itália, onde alguns bispos a protegeram.

As incessantes mudanças de diocese, a que foi forçada, deram pretexto para maiores difamações. Dizia-se que ela era orgulhosa, egocêntrica, histérica, giróvaga, mistificadora, amasiada com padres, que fora surpreendida num prostíbulo, masoquista e anti-semita!

Na Itália, Mélanie foi co-fundadora das religiosas do Divino Zelo, que tem entre suas finalidades rezar pela vinda dos Apóstolos dos Últimos Tempos. O fundador — Santo Aníbal de França — foi seu diretor espiritual nos últimos anos de vida. Também na Itália, o Beato Giacomo Cusmano implorou o auxílio dela para fundar a Ordem dos Servos e Servas dos Pobres.

Mélanie faleceu em Altamura, província de Bari (Itália) –– sozinha num quarto, como tinha predito –– na noite de 14 para 15 de dezembro de 1904, com 72 anos de idade. Os vizinhos ouviram aquela noite um cântico de anjos que saía de seu apartamento. Santo Aníbal de França pronunciou ardoroso elogio fúnebre da vidente e de sua santidade nas catedrais de Altamura e Messina. Um ano depois, durante a trasladação de seus restos mortais, verificou-se que o corpo estava incorrupto. Numa segunda trasladação, já não o estava mais. Seu corpo venera-se em monumento fúnebre na capela do orfanato das religiosas do Divino Zelo, em Altamura.

Santo Aníbal de França preparou seu processo de beatificação, mas não pôde introduzi-lo pois foi chamado ao Céu. São Pedro Julião Eymard, fundador dos sacramentinos, morreu estreitando contra o peito uma imagem da aparição. O Papa São Pio X perguntou ao bispo que presidiu os funerais de Mélanie: “E nossa santa?”.(9)

Contraditados, antipatizados, difamados e perseguidos por alguns, mas apreciados, defendidos e protegidos por pessoas virtuosas e mesmo santas, Mélanie e Maximin entraram na iconografia católica aos pés de Nossa Senhora, nas inúmeras imagens de La Salette que se veneram em toda a Terra.

__________

Notas:

1. Jean Stern, La Salette — Documents authentiques, vol. 1, Desclée de Brouwer, 1980, pp. 27-28.

2. Jean Stern, La Salette — Documents authentiques, vol. 3, Cerf, Paris, 1991, pp. 35 ss.

3. Jean Stern, La Salette — Documents authentiques, vol. 2, Cerf, Paris, pp. 284 ss.

4. René Laurentin — Michel Corteville, Découverte du secret de La Salette, Fayard, Paris, 2002, p. 75.

5. Stern, op. cit., vol. 3, pp. 227-228.

6. Laurentin-Corteville, op. cit, p. 106.

7. Stern, op. cit, vol. 3, p. 161.

8. Laurentin-Corteville, op. cit., p. 27.

9. Laurentin-Corteville, op. cit., p. 139.