Beata Jacinta de Fátima Centenário de nascimento
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Comemoração

Beata Jacinta de Fátima 

Centenário de nascimento

 

Por seu ardente desejo de reparação dos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria, a vidente Jacinta de Fátima correspondeu ao sentido medular da mais profética das aparições marianas. Comemorando o centenário do seu nascimento, invoquemos a sua poderosa intercessão.

· Tomás Agostinho Corrêa

Ao criar cada alma, Deus lhe designa uma missão específica que ela deverá cumprir, ajudada pela graça. Algumas — a maioria? a minoria? (a Igreja não se pronunciou a respeito) — atuam em sentido contrário à própria missão, e ao fim da vida, se chegaram até o pecado mortal e não se arrependem, são condenadas ao inferno. Muitas outras ficam a meio caminho, e após a morte, no Purgatório, deverão purificar-se da incorrespondência às graças recebidas, antes de serem levadas para o Céu.

Ao que tudo indica, apenas uma minoria corresponde plenamente à graça, depois de uma luta que não exclui as debilidades decorrentes do pecado original: são os santos, que são logo levados para o Paraíso celeste, podendo até passar algum tempo no Purgatório, para se purificarem dos últimos vestígios de pecado. A Igreja os apresenta como modelos e intercessores dos que estão in via – isto é, neste mundo – labutando por encontrar seu caminho para o Céu; ou, ao contrário, procurando subtrair-se ao chamado de Deus, fugindo d’Ele ou, pior ainda, levantando-se soberbamente contra Ele e tentando arrastar consigo outras almas para o inferno.

O Criador não aparece a cada homem para indicar-lhe sua missão, salvo casos excepcionais como o de São Paulo, derrubando-o do cavalo no caminho de Damasco. Para a grande maioria dos homens, Deus indica a respectiva missão pelos acontecimentos da vida, seus gostos, inclinações e apetências boas, inspirações recebidas, de tal forma que a alma atenta aos movimentos bons da graça no seu interior, ou aos fatos que lhe sucedem, encaminha-se mais ou menos conscientemente para o fim que Deus lhe designou (ou, pelo contrário, recusa essa vocação e dela se afasta).

Analisada à luz destas considerações de índole teológica, a vida da beata Jacinta Marto — cujo centenário de nascimento celebramos no dia 11 deste mês de março — é exemplo da alma que despertou para a sua vocação, não só por ter visto Nossa Senhora, mas também pela compreensão do sentido medular da mensagem de Fátima: a necessidade de rezar pela conversão dos pecadores e oferecer reparação pelos seus pecados, que ofendem a Deus e ferem o Coração Imaculado de Maria. Ela compreendeu que, como os pecados estão continuamente crescendo em número e gravidade, e se essa penitência não for feita, desabarão sobre a humanidade os tremendos castigos anunciados por Nossa Senhora no chamado “segredo de Fátima”.

Alguns fatos da vida de Jacinta mostrarão ao leitor como ela levou a sério essa advertência, compenetrou-se de sua missão e imolou-se pela conversão dos pecadores.

Jacinta é carregada depois de uma das aparições, para ser protegida da multidão

Firmeza de Jacinta propiciou a continuidade das aparições

Como se sabe, a mãe de Lúcia não acreditava na realidade das aparições. Queria obrigá-la a desmentir que tivesse visto Nossa Senhora, não poupando para isso (como contou depois a própria Irmã Lúcia) “carinhos, ameaças, nem mesmo o cabo da vassoura” (I Memória, p. 32 — ver Bibliografia no fim do artigo). Levou-a ao prior da freguesia de Fátima, o qual, mantendo uma atitude de reserva, interrogou-a com amenidade, mas ao fim levantou a hipótese de que poderia “ser um engano do demônio” (II Memória, p. 68).

A hipótese desencadeou compreensível tormenta na alma de Lúcia, que começou a hesitar sobre a conveniência de se apresentar de novo no local das aparições. Ao manifestar a seus primos a dúvida em que se debatia, Jacinta logo a desfez com uma encantadora lógica infantil: “Não é o demônio, não! O demônio dizem que é muito feio e que está debaixo da terra, no inferno; e aquela Senhora é tão bonita, e nós vimo-La subir ao Céu” (II Memória, p. 68).

Isso apaziguou um tanto a alma de Lúcia, mas a dúvida persistia. Esmoreceu nela o entusiasmo inicial pela prática do sacrifício e da mortificação. Assim, na véspera da terceira aparição (13 de julho de 1917) resolveu não voltar mais à Cova da Iria (local das aparições). Chamou então Jacinta e Francisco, e informou-os de sua resolução. Eles responderam: “Nós vamos. Aquela Senhora mandou-nos lá ir” (II Memória, p. 69). E Jacinta pôs-se a chorar, por Lúcia não querer ir.

No dia seguinte, Lúcia sentiu-se de repente impelida a ir, por uma força superior à qual não resistiu. Pôs-se a caminho, passando antes pela casa dos primos. Encontrou-os no quarto, de joelhos ao pé da cama, a chorar.

— “Então, vocês não vão? – perguntou Lúcia.

Sem ti, não nos atrevemos a ir. Anda, vem!

Já cá vou” – respondeu Lúcia (cfr. II Memória, p. 70).

E puseram-se alegres a caminho...

Já na aparição de 13 de junho, algo semelhante ocorrera: Lúcia fraquejava diante dos “afagos” da mãe, e a firmeza de Jacinta e Francisco vencera as relutâncias da vidente mais velha das aparições.

 

Seriedade e lógica em tirar as conseqüências

Antes das aparições de Nossa Senhora, os três videntes tinham a recomendação dos pais de rezar o terço, mas “despachavam” a oração de maneira mais rápida, para irem logo brincar: pronunciavam apenas as primeiras palavras, Padre-Nosso (como se dizia então o que hoje corresponde ao Pai-Nosso) e Ave-Maria. No dia seguinte à primeira aparição, depois de soltar as ovelhas na Cova da Iria, Jacinta sentou-se pensativa numa pedra. Lúcia disse:

— “Jacinta, anda a brincar.

— Hoje não quero brincar.

— Por que não queres brincar?

— Porque estou a pensar. Aquela Senhora nos disse para rezarmos o terço e fazermos sacrifícios pela conversão dos pecadores. Agora, quando rezarmos o terço, temos que rezar a Ave-Maria e o Padre-Nosso inteiros. E os sacrifícios, como os havemos de fazer?” (I Memória, pp. 29-30).

Fora Jacinta a primeira a compreender que essa não era uma maneira séria de rezar o terço, e tirou logo a conseqüência.

Foi também a primeira a procurar os meios de fazer sacrifícios: a primeira idéia que lhe ocorreu foi distribuir a merenda do almoço para umas crianças de uma localidade próxima, chamada Moita, que esmolavam nas aldeias vizinhas. Ao vê-las, Jacinta disse: “Demos a nossa merenda àqueles pobrezinhos, pela conversão dos pecadores” (I Memória, p. 31). E correu a levá-la.

Felizes, as referidas crianças pobres procuravam encontrar os videntes e passaram a esperá-los pelo caminho. E Jacinta, logo que as via, corria a levar-lhes tudo que não lhe fizesse falta.

Naturalmente, no fim da tarde sentiam fome. Conta a Irmã Lúcia: “Havia ali algumas azinheiras e carvalhos. A bolota estava ainda bastante verde, no entanto disse-lhe [à Jacinta] que podíamos comer dela. O Francisco subiu numa azinheira para encher os bolsos, mas a Jacinta lembrou-se de que podíamos comer das dos carvalhos, para fazer o sacrifício de comer a amarga. E lá saboreamos, naquela tarde, aquele ‘delicioso’ manjar. A Jacinta tomou este por um dos seus sacrifícios habituais. Colhia as bolotas dos carvalhos ou a azeitona das oliveiras. Um dia eu disse-lhe:

— Jacinta, não comas isso, que amarga muito.

— Pois é por amargar que como, para converter os pecadores” (I Memória, p. 31).

Outro sacrifício foi o da sede. Um dia, a mãe de Lúcia mandou-a levar o rebanho numa pastagem muito distante, que uma amiga lhe havia oferecido. Era um dia escaldante de verão. Lá chegados, a sede fazia-se sentir. A narração é da Irmã Lúcia: 

A princípio oferecíamos o sacrifício com generosidade, pela conversão dos pecadores, mas, passada a hora do meio-dia, não se resistia. Propus então aos meus companheiros ir a um lugar que ficava perto, pedir um pouco d’água. Aceitaram a proposta, e lá fui bater à porta de uma velhinha que, ao dar-me uma infusa com água, me deu também um bocado de pão, que aceitei com reconhecimento e corri a distribuir com meus companheiros. Em seguida, dei a infusa ao Francisco e disse que bebesse.

— Não quero beber – respondeu.

— Por quê?

— Quero sofrer pela conversão dos pecadores.

— Bebe tu, Jacinta.

— Também quero oferecer o sacrifício pelos pecadores.

Deitei então a água na concavidade de uma pedra, para que a bebessem as ovelhas, e fui levar a infusa à dona” (I Memória, pp. 31-32).

Os exemplos poderiam ser multiplicados, porque tinham adquirido o costume de, de vez em quando, oferecer a Deus o sacrifício de passar nove dias ou até um mês sem beber.

1 | 2 | 3 Continua
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão