Novembro de 2006
Rock: inviável à catolicidade
Correspondência

Mestre de nossa língua


Parabenizo o jornalista Armando Alexandre dos Santos pelo artigo sobre o estilo de redação do intelectual brasileiro Prof. Plinio Corrêa de Oliveira. Pelo estilo de escrever de uma pessoa podemos conhecer bem sua psicologia, e com esse artigo “lemos”, por assim dizer, a grandiosidade da alma, da personalidade e da mentalidade do ilustre professor. Realmente, em 1995 o Brasil perdeu um gigante da intelectualidade, um dos maiores mestres de nossa língua. Difícil surgir um semelhante que possa igualar tão excepcional capacidade de expressão. Graças a Deus, além do que tenho lido sobre nosso mestre na revista Catolicismo, procurando o nome Plinio Corrêa de Oliveira na Internet, encontrei o site http://www.pliniocorreadeoliveira.info, no qual temos uma enorme variedade de temas de sua lavra. Manifesto-lhes minha gratidão por prestar-me o favor, um grande privilégio, de poder conhecer um tão grande homem, com o qual não tive o prazer de estar. INFELIZMENTE!

(E.C.N. — PE)

Aprazíveis surpresas

O Dr. Plinio visto por seu lado de escritor e jornalista, eis aí um enfoque que passava-me meio despercebido, acostumado como eu estava a estudar o Dr. Plinio por outros aspectos tão sortidos. Catolicismo sempre me surpreende a cada mês. No mês passado foi com as mensagens de Nossa Senhora de La Salette, agora neste mês com esse enfoque novo em outros talentos de Dr. Plinio. O que será no próximo? Fico à espera de novas surpresas, sempre aprazíveis, que os Srs. oferecem aos leitores.

(L.N.E. — SP)

Visão simbólica das coisas

A entrevista às págs. 22, 23, 24 e 25 com o engenheiro Dr. Lindenberg despertou em mim um forte desejo de conhecer mais a biografia de Plinio Corrêa de Oliveira. Sobretudo o que conta o Dr. Lindenberg sobre a visão simbólica das coisas criadas por Deus. Certamente foi uma grande felicidade ele ter podido privar com um convívio familiar com Dr. Plinio, certamente uma vida cultural muito acima do comum dos mortais. Deixo-lhes o meu e-mail para avisar-me imediatamente, se possível, de novas publicações sobre a vida de Plinio Corrêa de Oliveira.

(B.N.N. — RJ)

Insurreição Pernambucana

Como procuram nos enganar os historiadores nacionais! Pelo menos os de nosso tempo. Nos livros de História do Brasil, somente desaprende-se a real história de nossa Pátria, como no caso da narração feita por José Maria dos Santos na revista deste mês [outubro] sobre os heróis da Insurreição Pernambucana. No que (des)aprendemos na escola, os heróis são apresentados como sendo os holandeses, e os nossos heróis como sendo bandidos. Uma inversão da realidade, onde o “mocinho” é o bandido e o “bandido” é o herói. Em meus livros dos tempos colegiais, o que narram é que os holandeses nos trouxeram o progresso. Veja só que falsidade. Os holandeses são elogiados, mas eles invadiram nosso território para nos roubar e nos tornar corruPTos. O que podemos fazer para impedir que nossos historiadores fujam da realidade dos fatos, e os obrigue a serem fiéis à realidade? Se não se conseguir isso, toda uma geração ficará com um conhecimento falseado de nossa história.

(U.F.P. — BA)

A Palavra do Sacerdote

Vos escrevo [ao Cônego José Luiz Villac] no intuito de vos parabenizar pelas vossas excelentes e santas respostas às inúmeras questões deste amado e abandonado povo brasileiro. “Abandonado”, me permito dizer, pois é isso que sinto e que vejo cada vez que leio e/ou escuto algum dos “novos sacerdotes frutos do Concílio” falar aos fiéis “ainda” católicos do Brasil. Como o Prof. Plinio, eu continuarei a pedir a Nossa Senhora Mãe e Rainha do Brasil para que mais do que nunca reine nesse nosso tão amado Brasil. Sem esquecer de pedir que Nossa Senhora vos dê muitos e muitos anos de vida e saúde, para que nunca vos faltem forças para continuar esta santa e importante missão.

(D.D.P. — Itália)

Rock: inviável à catolicidade

Queria deixar-lhes meu testemunho da importância da resposta do Cônego José Luiz Villac. Respondeu-me a mim pessoalmente, como respondeu também a meus filhos e outros jovens que questionavam o problema das músicas novas na Igreja. A questão do rock como inviável à catolicidade precisa ser muito divulgada. Se me permitir, vou enviar perguntas sobre esta questão.

(P.G.C.F. — RS)

Videntes de La Salette

Li a matéria sobre La Salette no número de Catolicismo de setembro. Já tinha lido alguma coisa a respeito em outras revistas, mas uma curiosidade que ainda não consegui solucionar é sobre o destino que tiveram os dois videntes depois dos fatos ocorridos até a morte deles, coisa que em relação a outros videntes é bem mais documentado. Será que o senhor poderia me relatar, se possível?

(J.C.R. — MG)


Nota da redação:
Vide resposta à carta acima na epígrafe La Salette dessa edição


Fábula: “Código Da Vinci”

Em primeiro lugar, gostaria de parabenizá-lo [Sr. Benoît Bemelmans] pelo brilhante artigo "Como escrever uma fábula que fisgue o leitor". Acredito sinceramente que foi atingido o âmago da questão no caso do sucesso do "Código da Vinci". Por isso, fui impelido a lhe escrever esta mensagem, devido à pertinência e, principalmente, à sinceridade de seus comentários. Inclusive, acredito que a sinceridade é a principal virtude do ser humano, tanto que, antes de lhe fazer meus comentários mais sinceros, gostaria de citar uma lição do brasileiríssimo Malba Tahan (ou Júlio César de Mello e Souza), mediante a qual ele apresenta, com o brilhantismo que sempre lhe foi peculiar, a origem morfológica e o conceito da palavra "sinceridade": “Sincera [...] é uma palavra doce e confiável”.

(A.S.C. — BA)

Ideário cristão

Tenho a revista Catolicismo como a representante mais digna do ideário cristão. As outras revistas católicas, tidas como tais, que conheço fazem uma mistura muito grande com uma evangelização que mais confunde do que preserva a pureza do ensinamento de Cristo e da Igreja. Para não contundir outras religiões, tais revistas têm um texto parecido com os de outras religiões, e o resultado é que deixam o católico meio perdido entre a verdade e o erro. E isso acaba levando as pessoas ao erro completo, e nunca à verdade. Os outros órgãos de imprensa católicos precisam ser mais definidos e perder esse medo de contundir as falsas religiões. Acho que é por isso que muitos católicos acabam tomando o rumo triste ao mudar de religião. Para evitar esse abandono da Igreja, eu peço que a nossa revista Catolicismo faça uma campanha para evitar que fiéis tomem esse rumo triste que não leva à salvação.

(U.G.S. — SE)

Virgindade, uma honra

Gosto muito de ouvir falar sobre virgindade porque cá em Angola, nalgumas tribos, ela constitui uma grande honra tanto para a menina como para a própria família.

(C.C. — Lubango, Angola)

Catedrais: um Céu na Terra

A propósito da matéria de capa de agosto último, sobre a riqueza e pomposidade das igrejas e catedrais católicas, envio-lhe um trecho esclarecedor de São Pedro Julião Eymard:

“Não basta à Igreja atestar sua fé pela adoração; acrescenta-lhe ainda as honras públicas e pomposas. As maravilhosas basílicas significam sua fé no Santíssimo Sacramento. Ela não quis edificar túmulos, mas sim templos, um Céu na terra, onde seu Salvador, seu Deus, encontrasse um trono digno dele.

Por uma atenção ciosa e delicada, a Igreja regula minuciosamente o culto da Eucaristia; não confia a ninguém o cuidado de honrar seu divino Esposo, pois em se tratando de Jesus Cristo realmente presente, tudo é grande, importante, divino.

E o que houver de puro na natureza, de precioso no mundo será consagrado ao serviço real de Jesus. No culto católico tudo se refere a esse mistério, tudo possui um sentido espiritual e celeste; tudo tem uma virtude, tudo encerra uma graça.

Quão recolhida se torna a alma na solidão, no silêncio do templo! Havíamos de exclamar: ‘Aqui há mais que Salomão, mais que um Anjo!’ É verdade. Jesus Cristo, em cuja presença todo joelho se dobra no Céu, na terra e nos infernos, aí está e aí toda grandeza se eclipsa, toda santidade se humilha, se aniquila. Jesus Cristo aí está!”

(C.B. — PR)

Socialismo e o comunismo

Vejo que o mal avança pela moleza dos bons pastores, que diante do altar de Deus juraram defender o rebanho de Cristo. Que pastores são estes, que vêem o Brasil sendo destruído e não fazem nada? Nesta época de eleição, nenhum pastor sai para pedir que as ovelhas não votem na esquerda. Pelo contrário, ficam calados ou motivam para votar em candidatos da esquerda. Tanto o comunismo como o socialismo são incompatíveis com a doutrina católica, quer por sua concepção do universo e do homem, quer ainda porque atinge duas instituições que são pilares da civilização cristã, isto é, a propriedade e a família. Hoje em dia, há aplicações do socialismo muito variadas, que vão do rubro carregado do ''socialismo marxista'' até o róseo muito diluído, quase branco, do ''socialismo cristão'', ou ''socialismo católico'', ou mesmo ecológico. Não é raro encontrarmos reivindicando o rótulo socialista para as suas idéias, quer comunistas declarados, quer esquerdistas bem menos radicais, quer enfim burgueses sem tendências políticas ou sociais definidas, mas de índole tranqüila e de sensibilidade humanitária e ecológica algum tanto colorida de influência cristã. A toda esta gama de pessoas, a afirmação de que o socialismo e o comunismo são condenados pela Igreja Católica Apostólica Romana pode causar espanto, mas de fato o são, conforme inúmeros documentos dos Papas.

(M.F.L. — CE)