Janeiro de 2017
Galeria do palácio de Schönbrunn - requinte, etiqueta e sacrifício
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Ambientes, Costumes e Civilizações

Nesta galeria do Palácio de Schönbrunn, em Viena, percebe-se o esplendor do estilo Ancien Régime. Ela reflete alguma inspiração na famosa Galeria dos Espelhos do castelo de Versailles.

Ao longo da galeria, frente a frente, janelas e espelhos multiplicam as luzes. O teto é ilustrado com quadros de grandes pintores.

Os lustres delicados têm solenidade e dignidade. Nota-se o caráter festivo da galeria, que é dado pela mistura de duas cores extremamente luminosas: o dourado e o branco. As luzes também são distribuídas por arandelas, de modo que durante o dia a galeria fica muito luminosa e à noite ela resplandece com mil fogos.

O que se realizava nessa galeria? Não era apenas um local de passagem, mas também do que se poderia chamar “sala dos passos perdidos”. Ou seja, pessoas da Corte que tivessem de tratar algum assunto, sobretudo no inverno europeu muito frio, andavam de um lado para outro muito à vontade, comodamente, de modo confortável. Assim, se via grande número de pessoas — numa espécie de ponto de encontro — conversando enquanto andavam, ou sentadas em banquetas, dispostas ao longo de toda a galeria.

Mas também nessa galeria realizavam-se festas esplêndidas e bailes com minuetos. Nela, às vezes, ocorriam recepções de embaixadores. Então podemos imaginar um tecido riquíssimo preso à parede, tendo em frente os tronos do Imperador e da Imperatriz. Presentes, junto aos tronos, pessoas do corpo diplomático, ministros, altos dignitários do Estado, da nobreza, pessoas da alta sociedade de Viena.

Nesse contexto, podemos também imaginar entrarem na galeria moças que iriam começar a frequentar a Corte ou senhoras recém-casadas que, embora já fossem conhecidas, apresentavam-se mais uma vez na condição de esposa de tal nobre. Assim, era preciso entrar caminhando de movo amável e risonho desde o fundo da galeria até se aproximar do Imperador e da Imperatriz. Faziam-se três reverências — no início da galeria, no meio e no fim. Todas as reverências tinham que ser realizadas de modo profundo e com muita dignidade, sendo observadas minuciosamente pelos presentes.

Com esses exemplos, pode-se perceber que não era fácil a vida de Corte naquela época. Exigia-se muito requinte, cumprimento da etiqueta e sacrifício na vida junto ao Imperador.

__________________________________________________________________

Excertos da conferência proferida pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira em 10 de fevereiro de 1973. Sem revisão do autor.

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão