“O Código Da Vinci”: livro repleto de falsidades
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Correspondência

 

Ao Príncipe Dom Luiz

Magnífica a explanação feita por Vossa Alteza, na última edição do Catolicismo, dos motivos que levaram a humanidade ao caos em que vivemos. Consoladora, porém, é a esperança de que virá o triunfo do Imaculado Coração de Maria. Artigo muito elucidativo e brilhante. Parabéns a Vossa Alteza. Com todo apreço.

(I.R.S. — SP)

Civilização X primitivismo

A colocação exposta pelo Príncipe Dom Luiz na revista Catolicismo moveu meu coração por um mundo refeito das fealdades e baixezas incrustadas em nossa sociedade. Precisamos nos organizar para ajudar nossos contemporâneos a fazer as coisas como Deus estipulou. Dessa maneira a humanidade atingirá uma grandiosidade como nunca. Chegaremos a uma civilização brilhante. Contudo, se se continuar como estamos, violando tudo aquilo que foi estipulado pelo Criador (por exemplo, é uma violação à sabedoria o ato abortífero — a eliminação de uma vida criada por Deus é um ultraje a Ele), chegaremos a um primitivismo como nunca a História registrou.

(P.M.T.R. — RJ)

As primeiras vítimas

Regalou-me muito o artigo do Chefe da Casa Imperial do Brasil. Penso ter tido a honra de cumprimentá-lo em Curitiba; se não foi Dom Luiz, foi o irmão dele que conheci numa conferência, lá pelos anos 90.

Os devastadores efeitos da revolução contra a sabedoria têm crescido muito, e os jovens e as crianças são as primeiras vítimas, as mais prejudicadas. Nos colégios, muitas vezes, quando falam de sabedoria, dão uma noção falsa e a criança cresce com uma idéia equivocada do que é a sabedoria. Nela é inculcada a noção do sábio segundo o mundo (falsa sabedoria), mas não segundo Deus (a sabedoria eterna). Precisamos realmente combater essa tão daninha transgressão, difundida por tal revolução.

(W.C.I. — PR)

Sabedoria e loucura

Meus parabéns ao príncipe autor do estudo publicado por essa revista. Há sabedoria e sabedoria. Uma meramente humana, e outra que nos é comunicada pela graça de Deus. Esta pode proporcionar uma vida perfeita segundo o Evangelho. Enquanto a sabedoria mundana considera os bens deste mundo o fim supremo, isso é loucura e não sabedoria. A sabedoria virtuosa sabe subordinar os bens desta vida à posse da felicidade eterna no Céu.

(A.P.O. — MG)

Contra-Revolução cultural

A Revolução cultural, como a implantação de uma anti-cultura e contrariando a sabedoria de Deus, nunca tinha lido algo tão elucidativo como no artigo “Revolução Cultural: oposição radical à sabedoria”. Por isso agradeço a oportunidade que colocaram à minha disposição com esse artigo. Na área de Revolução cultural apenas conheço um pouco daquela operada na China na fase de Mao Tse-Tung, que quis à força reescrever a história daquela gigantesca nação, impondo uma igualdade injusta entre as classes sociais, liquidando as elites e aqueles que lhe faziam oposição.

Com o mencionado artigo publicado no Catolicismo, entendi de modo mais abrangente a questão da “Revolução cultural”. Para mim ficou claro o intento das forças secretas para apagar, por assim dizer, o primoroso quadro “pintado” por Deus com a criação da humanidade. As forças secretas sustentam a Revolução cultural para obstaculizar que a humanidade brilhe com as cores utilizadas por Deus e, pelo contrário, fazem tudo para deixar a humanidade sem cores, um mundo igualitário de uma única cor, porque as cores refletem a Deus. A nota anárquica que querem dar à nossa juventude é resultado disso. Gostaria de um outro artigo descrevendo a estratégia e as armas utilizadas pela chamada Revolução cultural para atingir seu objetivo. Desse modo poderemos organizar a Contra-Revolução cultural para impedir que o mal vença na História.

(A.E.J. — MG)

Monumental

Amigo Villac. Quem está mandando este e-mail é o Ary, seu contemporâneo no Colégio São Luiz. Li sua página no Catolicismo de janeiro e achei-a simplesmente MONUMENTAL! Um abraço do amigo.

(A.Q.B. — SP)

Nunca mais lá!

Admirável o apurado balanço do governo petista no ano findo, que nos proporcionou a observadora política Profa. Maria Lúcia. Percebe-se que ela acompanha atentamente as movimentações no xadrez governamental do presidente Lula. Um governo que tenta até hoje, apesar de todas as evidências, esconder as sujeiras debaixo do tapete. Ou, na melhor das hipóteses, reconhecer algumas “sujeirinhas”, mas alegando que foram feitas com boas intenções..., para o bem do partido..., etc. Mas o povo brasileiro não é tonto. De 2005, pode-se dizer que foi o ano em que nossa população, depois de calar a tantos desmandos, de engolir calada tantos sapos barbudos, resolveu dar um basta a tais desmandos. Neste ano o governo receberá a resposta clara do povo brasileiro: Lula lá? NUNCA MAIS LÁ!

(C.F.D. — RJ)

Afinidades

Gostei muito de seu artigo titulado “Afinidades” [refere-se ao artigo publicado em Catolicismo, janeiro/2006, de autoria de Cid Alencastro]. Aprendi algumas referências importantes. Sua visão da desigualdade como uma realidade de responsabilidade individual ficou bem clara. Isso tudo só faz sentido no contexto católico, onde temos a convicção de que o único e verdadeiro mestre é Nosso Senhor Jesus Cristo. Viva a liberdade!

(R.B. — Washington-DC)

Livro repleto de falsidades

Realmente li o livro “O Código Da Vinci” de um só fôlego, encontrei contradições e coisas esquisitas, diferentes das que os meus pais me passaram, do que aprendi, do que ensinei para os meus filhos. Como uma boa cristã, não duvidei um minuto sequer de Deus e de sua Divina Providência, mas fiquei louca de vontade de conversar com um padre ou alguém como você [refere-se a Luiz Sérgio Solimeo, autor do artigo intitulado “Mensagem ocultista anticatólica em O Código Da Vinci”, publicado em Catolicismo, agosto/2005]. Eu precisava ler ou ouvir algo assim. O livro torna humano demais e simplista demais Nosso Senhor Jesus Cristo. Confesso a você que fiquei balançada com isto, e me fazendo mil perguntas a respeito. O seu texto me fez muito bem, obrigada, muito obrigada.

(D.M.B. — RJ)

“Tsunamis” também morais

Sirvo-me deste simples e-mail para parabenizá-lo pela excelente reportagem publicada na revista Catolicismo em janeiro deste ano [refere-se ao artigo intitulado Ano de tsunamis materiais e morais, de autoria de Luis Dufaur]. V. S.ª mostrou com clareza e sabedoria acontecimentos, tantos negativos como positivos, ocorridos em 2005, dos quais muitos não foram noticiados pela mídia, principalmente os "tsunamis morais". Não sabia, por exemplo, que duas imagens de Nossa Senhora verteram lágrimas em Saigon e Califórnia. Realmente foi uma matéria que me prendeu do começo ao fim e me fez enxergar que também preciso me converter e santificar a cada dia, para que eu seja um bom católico. Que Deus lhe pague pelo bem que fez, não só a mim, mas a todos os que leram a referida reportagem.

(A.C. — SP)

Criacionismo

Muito especial este www.catolicismo.com.br. O assunto sobre o criacionismo me fortificou ainda mais. Eu sempre dou para as pessoas um exemplo: se deixarmos uma folha em branco com um lápis em cima da mesa, sozinhos, será que surgirá algum desenho? Claro que não. Devemos atuar sobre o lápis para que algo apareça. Assim o Senhor Deus. Ele nos fez, projetando-nos perfeitamente.

(A.O.D.S. — DF)

Beato von Galen

Como pertencente a uma família apaixonadamente contrária ao nazismo, li, e meu pai também, a publicação de Renato Murta de Vasconcelos com o título “O Leão de Münster elevado à honra dos altares”, falando da luta do Conde e Cardeal Clemens von Galen contra os nazis, seus desafios, etc. E também fala que ele foi beatificado em Roma pelo Papa Bento XVI. Ficamos curiosos para saber o que agora seria necessário para que o Conde Cardeal de Münster seja Santo Clemens, ou São Clemens, ou seja, que ele passe a ser chamado de santo. Canonizado? Não sei bem se é isso, e gostaríamos de uma explicação.

(W.F.H.G. — RS)

________________

Nota da redação:

Após uma pessoa ser beatificada, antes de ser declarada santa, é instaurado um rigoroso processo em que se estudam meticulosamente todas as fases de sua vida. Isso para certificar-se com todo cuidado, e sem qualquer sombra de dúvida — o que pode demorar anos, ou mesmo décadas —, de que ela tenha praticado em grau heróico as virtudes teologais (fé, esperança e caridade) e as virtudes cardeais (prudência, justiça, fortaleza e temperança). Há também necessidade da comprovação inequívoca de dois milagres operados por intercessão do novo santo.

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão