Fevereiro de 2000
"Até quando os ímpios, Senhor, se hão de gloriar?"
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Destaque

“Até quando os ímpios, Senhor, se hão de gloriar?”

Em Fortaleza, salutar reação de católicos contra peça blasfema

Os teatrinhos chamados de vanguarda costumam pipocar aqui, lá e acolá como decorrência de nossa proverbial falta de cultura. Um dos expedientes de seus metteurs en scène – a fim de  atrair alguns “gatos pingados” para suas exibições – consiste em tomar  como enredo de suas peças, se assim podemos chamá-las, temas religiosos ou sagrados.

Dr. Francisco de Assis de Arruda Furtado
Um exemplo disso acaba de se passar em Fortaleza, no católico Ceará. Com uma letra infame e blasfema, o “Monólogo ‘A’” estreou naquela capital no dia 29 de novembro último, no Teatro Radical, ao ensejo da abertura da campanha “Ato Radical Contra a AIDS”.

Tal peça, sob pretexto de combater a AIDS, exibe uma imitação blasfema e burlesca da Santa Missa, quando uma mulher de má vida, cujo nome é Maria, conspurca um cálice semelhante aos utilizados no Santo sacrifício.

A oração, mediante a qual o Anjo São Gabriel  saudou a Mãe de Deus e que os séculos perpetuaram - “Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é conVosco, bendita sois Vós entre as mulheres e bendito é o fruto de Vosso ventre, Jesus”-, vem apresentada de modo blasfematório com adaptações ignóbeis e vis, absolutamente irrepetíveis.

Tal encenação é publicada pela imprensa diária com linguagem tão crua e imoral que torna-se impossível reproduzi-la nas páginas de Catolicismo. “Monólogo ‘A’” visa, na realidade, zombar da Igreja Católica - Corpo Místico de Cristo e a única verdadeira; de Nossa Senhora, cujas prerrogativas excelsas todos conhecemos através da Ladainha Lauretana; e da santa Missa, renovação incruenta do Sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Representações como essa apresentam cenas de um nível tão baixo que, além do grave pecado de blasfêmia, favorecem a desagregação da sociedade, aceleram o processo de decadência da família, cujos vínculos encontram-se hoje tão frágeis, e conduzem a juventude aos maiores desvarios morais.

Justa indignação: católicos cearenses se mobilizam

O líder católico de tradicional família cearense, Dr. Francisco de Assis de Arruda Furtado, advogado e professor, membro do Instituto do Ceará, indignado com a matéria divulgada pelo matutino “O Povo”, de 29-11-99, da capital cearense, encabeçou um movimento de leigos, a fim de buscar apoio da Hierarquia católica. No mesmo dia da publicação da matéria blasfema, realizou-se uma reunião, da qual participou grande número de pessoas,  inclusive repórteres de “O Povo”.

O Dr. Arruda Furtado esteve no Palácio Arquiepiscopal, onde foi recebido por  Dom Adalberto, Bispo Auxiliar de Fortaleza, o qual passou a integrar a Comissão de contatos com as autoridades civis, e com a direção de “O Povo”.

Tendo em vista a agressividade da mencionada matéria jornalística, o Dr. Juvenal de Arruda Furtado e o engenheiro Célio Zenon Figueiredo Lima propuseram um ato de desagravo pelos ultrajes cometidos contra a Religião católica. Foram criadas igualmente comissões para promover uma representação junto à Procuradoria Geral da Justiça do Ceará, o que foi efetuada no dia 30  de novembro último, pedindo abertura de inquérito policial, uma vez que a peça fere o artigo 208 do Código Penal, que define como crime “vilipendiar publicamente ato ou objeto religioso”

Um vereador propôs à Presidência da Câmara Municipal de Fortaleza, moção de repúdio à peça, a qual foi aprovada por unanimidade.

Considerando que no dia da apresentação da peça o Sr. Arcebispo de Fortaleza, Dom José Antônio Tosi Marques, não se encontrava na cidade, a Comissão de leigos procurou-o no dia 2 de dezembro, pedindo-lhe apoio, enquanto principal Prelado da Igreja do Ceará, para que se promovessem e fizessem realizar atos de desagravos nas Missas do domingo seguinte. O Sr. Arcebispo prometeu examinar o assunto.

Na realidade, essa representação teatral constitui verdadeiro escárnio e um deboche da Religião Católica, professada pela grande maioria do povo brasileiro.

Como desagravo, compete a nós católicos implorar com o salmista: “Até quando os ímpios, Senhor, até quando os ímpios se hão de gloriar? Proferirão blasfêmias, falarão com arrogância, jactar-se-ão os que praticam a iniqüidade?” (Sl 93, 3 e 4).

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão