Destaque

Drogas: Copacabana ultrapassa as 400 favelas do Rio

Nas dez maiores capitais brasileiras, o número de estudantes secundários que usaram cocaína aumentou 71%, no período de 1989 a 1993. Numa única noite em Copacabana, em determinados locais vende-se mais droga do que em todas as 400 favelas cariocas somadas; onde se alojam quadrilhas de narcotraficantes. Uma juventude drogada é uma juventude infeliz e ruma para a sua autodestruição.

Metamorfose da Teologia da Libertação

É próprio de toda heresia o caráter camaleônico, ou seja, o transformar-se conforme as circunstâncias. Somente a verdade católica é imutável, fixa, eterna. Assim, a Teologia da Libertação passa por profunda transformação, tornando-se menos intelectual e eclesial para ser mais indigenista. Vera Candau, professora da Universidade do Rio de janeiro, afirma que: a Teologia da Libertação esqueceu-se de M um aspecto muito brasileiro: o corpo, o tato, a festa, a necessidade de expressar-se através dos sentidos, e não só com a racionalidade". E o pior: a racionalidade que entra nessa heresia é só no sentido negativo, para conduzir a inteligência ao erro ...

Rituais satânicos nas prisões

Nos Estados Unidos, um juiz determinou que as autoridades das prisões federais devem permitir ao presidiário, cultor declarado do demônio, exercer rituais satânicos e fornecer ao mesmo trajes negros, se necessário. Eis até que extremos pode chegar o liberalismo religioso e moral. E quem defende uma noção distorcida do ecumenismo, como poderá argumentar contra a absurda decisão desse magistrado?

Rato como alimento

Em Timbaúba (PE), alguns recolhedores de lixo chegam até a comer ratos. Ora, esses animais são repelentes e além disso transmissores da terrível peste bubônica. comê-los significa um atentado contra o asseio e até o bom senso, e prepara o caminho para coisas piores. Não se trata de um problema de fome, mas de cultura e civilização.

Cuidado com a imprensa!

Juntamente com a televisão, a imprensa tem causado muitos danos à sociedade.

O veterano jornalista Alberto Dines declarou que: a imprensa brasileira está viciada pela frivolidade. Assim, se o leitor tende a confiar cegamente na imprensa, cuidado! Caso contrário, tornar-se-á fácil joguete ou cobaia das manipulações e desinformações de órgãos da mídia.

Empregados defendem fazenda contra os sem-terra

Vão se multiplicando os casos de empregados de fazendas que se opõem aos sem-terra invasores. Assim, em agosto último os sem-terra tentaram invadir pela terceira vez a Fazenda Parolim, em Santa Terezinha (SC). Mas felizmente não concretizaram a invasão porque os empregados da Madeireira Parolim, proprietária do imóvel, lhes impediram a entrada. Até hoje, não se tem notícia de empregados de propriedades rurais que adiram aos invasOres para formar um bloco único contra o fazendeiro.

5 milhões de folhetos sobre Nossa Senhora de Fátima

A campanha promovida pela TFP Vinde Nossa Senhora de Fátima, não tardeis! conseguiu .este esplêndido resultado: foram distribuídos 5 milhões de cupons sobre a mensagem e as profecias de Fátima, nos mais variados pontOs de nosso imenso território. E para 1995 a meta da campanha é distribuir outros 5 milhões. Com esse meritório trabalho, realizado sobretudo pelos correspondentes da TFP, o livro de Antonio Augusto Borelli Machado sobre o tema Fátima, atingiu, só no Brasil, a impressionante tiragem de um milhão de exemplares.

 

 

Índios: afinal, um pouco de bom senso

De uns tempos para cá, tudo quanto se refere aos índios brasileiros vem sendo tratado com uma tal falta de bom senso, que se fica pasmo. E também desconfiado.

São propostas para que eles permaneçam eternamente estagnados em sua situação de atraso, para que não se lhes estendam as vantagens da civilização, sobretudo para que se impeça qualquer evangelização que lhes leve a doutrina santa de Nosso Senhor Jesus Cristo etc. Tudo a pretexto de manter sua "cultura".

Ao mesmo tempo, aos índios são destinados latifúndios imensos, equivalentes a territórios de países inteiros, para que perambulem à vontade pelo mato sem fazer nada. E isso enquanto uma Reforma Agrária draconiana vai arrancando aos proprietários rurais suas terras.

Tais propostas amalucadas, vindas em geral da esquerda católica, mas também de ONGs e organismos internacionais de esquerda, têm deixado muita gente desconfiada. Parece preparar-se nos bastidores uma independência" das ditas nações indígenas, separando-as do Brasil, para em seguida submeter ao domínio estrangeiro os territórios que ocupam. A pretexto, é claro, de “proteção aos índios”.

Tudo isso 'foi previsto e denunciado pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, em 1977, em seu profético livro Tribalismo Indígena, ideal comuno-missionário para o Brasil do século XXI.

Agora, uma proposta de bom senso afinal se fez ouvir no panorama. O sociólogo Hélio Jaguaribe, ex-ministro da Ciência e Tecnologia - cujas posições doutrinárias não temos em vista aqui analisar - defendeu a integração do índio ao mundo civilizado.

"A idéia de congelar o homem no estado primário", disse ele, "é, na verdade, cruel e hipócrita" ("Folha de S. Paulo", 30-8-94). Criticou as ONGs e os estudos de um grupo da ONU que propõe independência para os índios.

Jaguaribe defendeu a criação de escolas em áreas indígenas, para que - os índios tenham direito de se tornar cidadãos brasileiros•

O bom senso é como ar fresco, produz alívio.

-->