Dezembro de 2008
Na comemoração do centenário natalício do inspirador de Catolicismo
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Capa

Restauração da Civilização Cristã no Reino de Maria

Na sua magna obra Revolução e Contra-Revolução (RCR), Plinio Corrêa de Oliveira sintetiza os princípios que devem reger a Civilização Cristã:

“A ordem nascida da Contra-Revolução deverá refulgir, mais ainda do que a da Idade Média, nos três pontos capitais em que esta foi vulnerada pela Revolução:

Um profundo respeito dos direitos da Igreja e do Papado e uma sacralização, em toda a extensão do possível, dos valores da vida temporal, tudo por oposição ao laicismo, ao interconfessionalismo, ao ateísmo e ao panteísmo, bem como a suas respectivas seqüelas.

Um espírito de hierarquia marcando todos os aspectos da sociedade e do Estado, da cultura e da vida, por oposição à metafísica igualitária da Revolução.

Uma diligência no detectar e no combater o mal em suas formas embrionárias ou veladas, em fulminá-lo com execração e nota de infâmia, e em puni-lo com inquebrantável firmeza em todas as suas manifestações, e particularmente nas que atentarem contra a ortodoxia e a pureza dos costumes, tudo por oposição à metafísica liberal da Revolução e à tendência desta a dar livre curso e proteção ao mal”.(6)

Filial devotamento e obediência ao Chefe Augusto da Cristandade

Terminamos esta matéria fazendo nossa a conclusão do livro RCR, o qual foi publicado em primeira mão no centésimo número de Catolicismo, em abril de 1959:

“Não quereríamos dar por encerrado o presente artigo, sem um preito de filial devotamento e obediência irrestrita ao ‘doce Cristo na Terra’, coluna e fundamento infalível da Verdade.

“Ubi Ecclesia ibi Christus, ubi Petrus ibi Ecclesia” [Onde está a Igreja aí está Cristo, onde está Pedro aí está a Igreja].

É pois para o Santo Padre que se volta todo o nosso amor, todo o nosso entusiasmo, toda a nossa dedicação. É com estes sentimentos, que animam todas as páginas de Catolicismo desde sua fundação, que nos abalançamos também a publicar este trabalho.

Sobre cada uma das teses que o constituem, não temos em nosso coração a menor dúvida. Sujeitamo-las todas, porém, irrestritamente ao juízo do Vigário de Jesus Cristo, dispostos a renunciar de pronto a qualquer delas, desde que se distancie, ainda que de leve, do ensinamento da Santa Igreja, nossa Mãe, Arca da Salvação e Porta do Céu”.(7)

____________

Notas:

1. “O Legionário”: Órgão oficial da Congregação Mariana de Santa Cecília, do qual Plinio Corrêa de Oliveira foi diretor de 1933 a 1947. Sob sua direção o jornal foi ampliado e adquiriu enorme penetração no público católico, tornando-se órgão oficioso da Arquidiocese de São Paulo.

2. De acordo com o que explanou em sua obra-mestra Revolução e Contra-Revolução, Plinio Corrêa de Oliveira denomina “Revolução” o secular processo que vem destruindo a Civilização Cristã, desde fins da Idade Média. E “Contra-Revolução”, a atuação que se opõe diametralmente a esse processo desagregador.

3. Jansenismo: heresia que constituiu uma corrente semi-protestante no interior da Igreja. Era de um rigorismo hirto e despropositado. Tal heresia, uma das mais perniciosas da História da Igreja, foi instituída pelo holandês Cornélio Jansênio, bispo de Ypres (1636). Este negava a infinita misericórdia de Deus e defendia a predestinação. Infectou grande parcela de bispos, sacerdotes e leigos na França e em outros países da Cristandade. A heresia jansenista foi condenada por diversos Papas, entre os quais Inocêncio X, na bula papal Cum occasione (1653). Mesmo assim, a heresia projetou-se nos séculos XVIII e XIX, e só foi debelada quando o grande São Pio X, no início do século XX, publicou o decreto favorecendo a comunhão freqüente.

4. Veja-se, por exemplo, a alocução de João Paulo II, em 6-2-81, aos Religiosos e Sacerdotes participantes do I Congresso Nacional Italiano sobre o tema "Missões ao Povo para os Anos 80", in “L'Osservatore Romano”, 7-2-81.

5. Manifesto primeiramente publicado pelo matutino paulista “Folha de S. Paulo”, seguido de 36 jornais brasileiros e depois reproduzido em 73 órgãos de imprensa, entre jornais e revistas, de 11 países, sem receber qualquer objeção quanto à sua ortodoxia e correção canônica. Em Catolicismo, foi publicado na edição de maio/1974 e encontra-se disponível no site www.pliniocorreadeoliveira.info

6. Plinio Corrêa de Oliveira, Revolução e Contra-Revolução, Parte II, Capitulo II, 4ª ed. em português, Artpress, São Paulo, 1998.

7. Op. cit., Conclusão.

voltar 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão