REALIDADE CONCISAMENTE

Leste europeu recusa Revolução Cultural

O Leste da Europa está banindo as perversas leis e costumes comunistas soviéticos, que as esquerdas ocidentais se empenham em implantar. O Tribunal Constitucional da Bulgária repeliu o conceito de “gênero” como sendo mera construção social propagada pela União Europeia. Ele sustenta que “se a sociedade não diferencia o homem da mulher, a luta contra a violência às mulheres se torna impossível”. O presidente da Polônia, Andrzej Duda, convocou um plebiscito para incluir na Constituição uma referência explícita aos valores e heranças cristãos. Além de repelir a amoralidade soviética vigente na Rússia de Putin, esses países contradizem análogo amoralismo da Revolução Cultural promovida pela União Europeia, o qual vem penetrando também na Igreja ao longo do pontificado do Papa Francisco.

Venezuela, um campo de concentração

A Venezuela socialista de Nicolás Maduro “virou um campo de concentração, onde estão sendo exterminados os cidadãos”. Esta foi a denúncia de Mons. Jaime Villarroel, bispo de Carúpano, que expôs muitos dados terríveis: “Está sendo praticada uma tragédia de dimensões inimagináveis. [...] Hoje morrem milhares de venezuelanos por falta de comida, de remédios; 80% das indústrias estão destruídas; só em outubro a inflação beirou 270%; o salário mínimo é entre 4 e 6 dólares” (de R$ 16,00 a 24,00); em 2017 “morreram mais de 20.000 crianças recém-nascidas, porque não há como atender as mães no parto”. Apesar de tudo isso, o Papa Francisco continua insensível aos apelos dos bispos venezuelanos e aos gemidos de um povo inteiro, recluso nesse satânico “campo de concentração”.

Venezuelanos procuram comida no lixo.

Alemães clamam por tradição, pátria e família

Uma tendência popular está ganhando as ruas da Alemanha, como nunca se vira desde as manifestações pela queda do comunismo no final do século XX. O novo partido Alternativa para a Alemanha (AfD) é apenas um exemplo, tornando-se rapidamente o maior grupo opositor no Parlamento nacional, presente em todos os parlamentos estaduais. No leste da Alemanha, onde a população sofreu muito os efeitos da ditadura comunista, o AfD tem a adesão de 28% dos eleitores. Nas passeatas semanais, o povo brada contra a imigração islâmica: “O multiculturalismo vai acabar com nossa pátria, nossa liberdade e nossa tradição”. Os cartazes do grupo atraem votos, exibindo os dizeres Família, Pátria e Tradição. O sentimento desses alemães é análogo ao dos brasileiros que bradam “Queremos nosso Brasil de volta!”, mas ainda é marginalizado pelo macrocapitalismo publicitário.

Cartaz do AfD contra a imigração na Alemanha

Nova “tábua da lei” no Vaticano, ecologista e ateia

O Vaticano reuniu em Roma afamados ambientalistas, com vistas a pressionar os países a aplicar o Acordo de Paris. O economista malthusiano Jeffrey Sachs [foto abaixo] apresentou na ocasião uma tábua de dez mandamentos contra a mudança climática, com as seguintes imposições: 1) Não construir centrais a carvão; 2) Não fazer prospecção de petróleo ou gás; 3) Não fazer fracking; 4) Paralisar oleodutos ou gasodutos; 5) Não desmatar; 6) Depois de 2030, autorizar apenas carros elétricos; 7) Deixar de comer carne; 8) Não investir em projetos que emitem ‘gases estufa’; 9) Processar as empresas petrolíferas; 10) Usar “energias renováveis”. O novo “decálogo” é puramente materialista, não fala de Deus nem da salvação das almas, e propugna uma ditadura ecológica mundial.

Fraude ecologista para impedir a criação de gado

Em relatório de 2006, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) afirmou que o gado aquece a Terra mais do que todos os meios de transporte juntos. Mas Henning Steinfeld, o principal autor do estudo, declarou que aquela foi uma dedução falsa e anticientífica da FAO, que também reconheceu seu erro. O Prof. Frank Mitloehner, docente de Ciência Animal da Universidade Davis, da Califórnia, denunciou recentemente a grosseira manipulação e protestou pelos milhões de pobres que em vários continentes dependem do gado para sobreviver. Mas o ambientalismo pouco se importa com esses pobres e com a subnutrição, embora diga e escreva o contrário.

Crimes de agentes de Putin despertam o Ocidente adormecido

A investigação sobre o envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal na Inglaterra patenteou que a máquina secreta russa continua trabalhando em numerosos países ocidentais. O GRU, serviço de inteligência do exército russo, não perdoa ex-membros como Skripal. Pelo contrário, prescreve que quanto mais demorar a vingança, mais cruel deve ser a morte. O GRU tem acesso direto ao presidente Putin, que autoriza suas atividades sem controle institucional. O analista militar russo Pavel Felgenhauer explicou ao jornal “Novaya Gazeta” que seus membros “não são espiões clássicos, pois não colhem informações, eles matam”. Esses homicidas seletos estão mais atrevidos do que nunca, e sabem que não podem falhar, pois são vigiados pelo chefe Vladimir Putin.

Agentes ingleses manipulam o veneno com o qual atentaram contra Serguei Skripal.

(Página seguinte)