Catolicismo - Acervo
Busca Google dentro do Site:
«
»
<<       Página       >>


VENERAÇÃO E TRISTEZA DA IGREJA ENLUTADA

Pius pp. XII

Este número de "Catolicismo" será impresso precisamente no interregno entre dois pontificados, isto é, no momento em que os espíritos ainda não se refizeram da surpresa da morte de Pio XII, os corações ainda sangram, e seu corpo acaba apenas de ser inumado junto ao túmulo de São Pedro, em meio à veneração das multidões comovidas.

A ocasião é, pois, mais para se olhar em direção ao passado, do que ao futuro.

Nosso jornal levanta sua voz, para falar de Pio XII, no instante em que um imenso coro de louvores enche em honra do falecido Pontífice as terras e os mares, até os confins mais apagados e distantes do orbe civilizado. Cada qual, de seu próprio ângulo de visão, exalta as grandezas do Papa inesquecível, que Deus chamou a Si. Justo é que, de nosso ponto de vista especifico, também digamos o que a Cristandade ficou a dever a Pio XII. Pois é do entrelaçamento de todos esses elogios que ressalta, em seu conjunto, a glória multíplice do pontificado que acaba de se encerrar.

Queremos assinalar antes de tudo a proclamação do dogma da Assunção. Grande triunfo mariano, a preparar o caminho para a definição de outro dogma, que os corações piedosos aguardam com o mais ardente anelo: a Mediação universal de Nossa Senhora.

Além disto, o pontificado de Pio XII ficará imortal por dois outros gestos mariais de transcendente importância, ou seja, a coroação da Virgem Santíssima como Rainha do universo, com a instituição da respectiva festa litúrgica, e a consagração da Rússia e do mundo ao Imaculado Coração de Maria.

Desta orientação marial tão saliente, floresceu um ato legislativo do maior alcance, a Constituição Apostólica "Bis Saeculari Die", que foi a Carta Magna das Congregações Marianas. Nesse documento, o Papa, definindo seu próprio pensamento e o de Pio XI, declarou que as CC. MM., bem como as demais associações que têm forma e fins de apostolado, são Ação Católica pleno jure. Não é este o momento de insistir sobre a importância impar dessa Constituição na vida interna da Santa Igreja, para a solução de problemas angustiantes em que reinava uma desorientação trágica.

A grande obra da "Bis Saeculari" foi completada pela alocução do Pontífice ao recente Congresso Mundial do Apostolado dos Leigos, em que ele pôs em foco a situação confusa criada pelo fato de um mesmo titulo, "Ação Católica", servir indistintamente para o gênero — o conjunto das organizações que sob a direção da Hierarquia se dedicam ao apostolado — e aquilo que é uma das tão numerosas espécies dentro de tal gênero, isto é, a associação chamada Ação Católica.

A par desses luminosos documentos, o Santo Padre Pio XII publicou ainda outros, para resolver questões atinentes à vida interna da Igreja.

Mencionemos em particular as Encíclicas "Mystici Corporis", que retificou importantes desvios doutrinários referentes ao elemento sobrenatural e ao elemento jurídico na Igreja, e "Mediator Dei", destinada a pôr cobro ao liturgicismo desenfreado e avassalador que começara a soprar no orbe católico já antes da segunda guerra mundial, e a abrir via, assim, a uma sadia renovação litúrgica. Também merece referencia toda especial a Encíclica "Humani Generis", que ergueu barreiras a correntes teológicas malsãs.

Um estudo mais pormenorizado dessa importante matéria deveria ainda pôr em relevo tópicos admiráveis de outros documentos, como as Encíclicas "Sacra Virginitas" e "Musicae Sacrae". Mas o porte necessariamente reduzido desta nota de última hora no-lo impede. Lembremos, entretanto, a esplêndida carta da Sagrada Congregação dos Seminários e Universidades, ao Episcopado do Brasil, sobre essas questões. E assinalemos, para concluir, o gesto de Sua Santidade encarregando o Exmo. Revmo. Mons. João Batista Montini, então Substituto da Secretaria de Estado, de louvar, em carta ao autor, o livro do Prof. Dr. Plinio Corrêa de Oliveira, "Em Defesa da Ação Católica", referente a essas matérias e que fora objeto de tão apaixonadas críticas em nosso ambiente.

Sobre as questões sociais, o pensamento do falecido Pontífice se exprimiu de modo bem conhecido em suas linhas gerais. Entretanto, os matizes desse pensamento — num assunto no qual, mais do que em muitos outros, "la vérité est dans les nuances" — seriam ainda muito mais conhecidos se se tomassem na devida conta tantos ensinamentos de seus famosos discursos à Nobreza e ao Patriciado Romanos, e à Guarda Nobre, sobre o papel da aristocracia e das elites no mundo de hoje, e se se aprofundasse mais o estudo do tópico admirável — para não dizer genial — sobre massa e povo, de sua alocução de Natal de 1944.

Passemos por alto, em matéria social, o episódio tão

(continua)



Advertência

Este texto, reconhecido pelo processo OCR, não passou por revisão e pode conter erros de digitação.
Sua transcrição parcial ou total está autorizada, desde que seja citada a fonte e o texto conferido com o da imagem original.

Agradecemos desde já reportar-nos erros de digitação, através do
Fale conosco


CRÉDITOS
© Copyright 1951 -

Editora Padre Belchior de Pontes Ltda.

Diretor
Paulo Corrêa de Brito Filho

Jornalista Responsável
Nelson Ramos Barreto
Registro na DRT/DF
sob o nº 3116

Administração
Rua Javaés, 681
1° Andar
Bairro Bom Retiro
CEP 01130-010
São Paulo- SP

SAC
(11) 3331 4522
(11) 3331-4790
(11) 2843-9487

Correspondência
Caixa Postal 707
CEP 01031-970
São Paulo-SP

E-mail:
catolicismo@terra.com.br

ISSN 0102-8502

 HOME 
 
TOPO
+ZOOM
-ZOOM
Home Page
HOME
Ir ao texto da matéria
TEXTO