Digamos não...

(continuação)

aos sacerdotes progressistas. Tudo isso contribuiu para minha formação política, a construção do PT e minha chegada ao poder” (Declaração do ex-presidente Lula ao jornal “El País”, em 9-5-2010).

O Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, associação cívica continuadora da obra do insigne pensador e homem de ação cujo nome ostenta, apela a todos os brasileiros para que repudiem definitivamente o PT e toda sua ideologia marxista; e fiquem vigilantes, porque é da natureza dessa seita filosófica, ateia e anticristã não se dar por vencida. Ela não só “aparelhou” em larga medida nosso País, como ainda detém numerosos cargos de influência e está à espreita da primeira ocasião para tentar recuperar o poder — como o confessou José Dirceu —, se não prestarmos atenção. “Vigiai e orai”, recomendou o Divino Mestre.

Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, nos cubra com o seu manto sagrado e afaste definitivamente de nosso País os malefícios da seita comunista.

Instituto Plinio Corrêa de Oliveira

São Paulo, 21 de outubro de 2018

(*) https://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,e-questao-de-tempo-para-tomar-o-poder-diz-dirceu,70002522942

Cruzeiro do Sul, símbolo da Redenção

“Folheie o Brasil as páginas de sua própria história; indague de Anchieta qual o fundamento de sua admirável abnegação apostólica; pergunte a Vieira qual a chama que acendeu, em prol das mais nobres causas, o talento de sua inexcedível eloquência; interrogue o Duque de Caxias sobre o segredo que tornou gloriosa a sua espada no Paraguai; investigue as razões que levaram a Princesa Isabel a abolir o cativeiro, com o sacrifício do próprio trono. E todos, a uma voz, apontarão para nosso céu estrelado, mostrando o Cruzeiro do Sul, símbolo bendito da Redenção, que a Providência desenhou em nosso firmamento.”

(Trecho do discurso pronunciado pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira no dia 1º de setembro de 1932).

PÁGINA MARIANA

Uma centelha de luz na romaria a Aparecida

Helio Brambilla

No 40º ano da restauração da imagem de Nossa Senhora Aparecida, o brilho da peregrinação realizada às vésperas das eleições.

EM 1978, um sacrílego atentado reduziu a dezenas de fragmentos a milagrosa imagem de Nossa Senhora Aparecida, deixando estarrecido e indignado o Brasil inteiro. Solidário com essa comoção nacional, o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira convidou os membros da TFP para uma caminhada ao Santuário de Aparecida do Norte, a fim de apresentar um ato de desagravo à nossa Padroeira. Mais de mil sócios e cooperadores da entidade, com seus estandartes e capas rubras, peregrinaram pela Rodovia Presidente Dutra, entoando orações, cânticos e brados. O entusiasmo pela Virgem Aparecida resplandecia nas fisionomias dos participantes.

40 anos depois, não foi diferente a nossa sensação na noite de 11 de outubro último, quando alguns amigos percorríamos aquele mesmo itinerário, e começamos a entrever na altura de Jacareí os primeiros grupos de romeiros com destino à “capital espiritual do País”. Nos dois lados da rodovia, milhares de peregrinos de todas as idades — jovens em sua maioria, mas também idosos e até crianças — caminhavam decididamente durante a noite, sob a chuva que por vezes era fria e torrencial. Quanto mais nos aproximávamos, mais nos entusiasmava aquele espetáculo de fé numa multidão fervorosa decidida a prestar homenagem à Rainha e Padroeira do Brasil. Fazia-nos lembrar procissões grandiosas de outros tempos, imortalizadas por descrições fidedignas dos cronistas medievais.

Muitos usavam camisas contendo impressa a efígie de Nossa Senhora; em outras se distinguia o verde-amarelo; e bandeiras do Brasil eram uma clara manifestação de que caminhavam e rezavam a fim de pedir à Padroeira proteção para os destinos da Nação, nesta hora de uma encruzilhada histórica.

Em mais de uma centena de barracas ao longo da rodovia, grupos de voluntários atendiam pessoas idosas ou impedidas de caminhar, serviam sopa quente, sanduíches, sucos, além de água e cafezinho aos demais. Tudo gratuitamente e com um sorriso nos lábios, de reconhecimento àqueles romeiros cansados, mas resolutos. Viam-se também ambulâncias e vans, com voluntários prontos para prestar atendimento em casos de emergência. Neste mundo argentário e hedonista, alegrou-nos ver gestos de desprendimento como aqueles! E nos lembramos de um comentário do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, grande devoto da Virgem Aparecida, a propósito da peregrinação-desagravo de 1978: “Uma centelha da luz de Deus desceu dos Céus, para iluminar o mundo de trevas e de pecado em que vivemos”. Pareceu-nos que essa “centelha de luz” brilhou também na peregrinação deste ano.

À esq., Plinio Corrêa de Oliveira. Ao fundo, as fileiras de sócios e cooperadores da TFP em 1978, em Aparecida, na romaria de desagravo pelo sacrílego atentado.

(Próxima página)